Participamos do

Há 20 anos, Apple lançava o iPod e mudava a forma do mundo ouvir música

Aparelho era muito mais avançado que dispositivos similares existentes à época, e causou mudanças na indústria musical que seguem até hoje; veja modelos e história do produto
01:39 | Out. 28, 2021
Autor Bemfica de Oliva
Foto do autor
Bemfica de Oliva Repórter
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

No último sábado, 23 de outubro, o lançamento do primeiro iPod completou 20 anos. O reprodutor de áudio mudou a relação das pessoas com a música, e consolidou a Apple como uma das empresas de tecnologia mais importantes do mundo, pouco após a fabricante quase falir.

O POVO reuniu alguns fatos da história do icônico tocador de músicas. Confira abaixo.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

2001: Lançamento do iPod e virada da Apple

No começo da década de 1990, a Apple estava à beira da falência. Com a saída do cofundador Steve Jobs, em 1985, a empresa tentou emplacar uma série de produtos que não foram bem recebidos pelo público, como o Newton, uma espécie de precursor dos smartphones atuais.

Os altos preços de produtos da Apple, em comparação com os computadores com Windows que se popularizavam cada vez mais, reduziram a participação de mercado e quase fizeram a fabricante fechar as portas. Em 1997, Steve Jobs retorna à empresa, com o objetivo de renovar o portfólio de dispositivos e retomar o crescimento.

Na volta à empresa, Jobs decide investir pesado em produtos que tenham o design - tanto na parte física quanto na interface - e a facilidade de uso como diferenciais. Com este objetivo, em 1998 ele lançou o primeiro iMac, computadores famosos pelo estilo tudo-em-um (todos os componentes eram embutidos no próprio monitor, em vez de usar um gabinete separado) e pelas cores chamativas. No começo de 2001, o Mac OS X, sistema operacional para computadores da Apple, complementa a mudança no design.

O projeto seguinte surgiu de um incômodo de Jobs com os reprodutores de áudio da época. Embora já existissem dispositivos para ouvir músicas em MP3, eles eram grandes e permitiam guardar poucas canções.

Em parceria com o designer Johnny Ive, que já havia sido responsável pelo iMac, e com a equipe de engenharia da Apple, Jobs começou a desenvolver o iPod. O resultado foi um tocador de músicas com alta capacidade e tamanho compacto, que seria revelado ao mundo em outubro de 2001. Veja o vídeo do lançamento abaixo:

O slogan da Apple para o primeiro iPod era "mil músicas no seu bolso". A bateria, com dez horas de duração, era outro destaque.

2003: iTunes Store muda a forma de comprar música

O iPod era um excelente produto por si só - histórias dizem que Bill Gates, fundador da Microsoft, ficou encantado com o reprodutor e se revoltou ao saber que ele só funcionava (à época) com computadores da Apple. Todavia, o segredo do sucesso do aparelho veio dois anos depois. Em abril de 2003, a empresa anuncia a iTunes Store.

Integrada ao programa de mesmo nome, que era usado para gerenciar a biblioteca de músicas do iPod, a loja permitia comprar canções individuais por 99 centavos de dólar (ou álbuns completos por US$ 9,99). Foi a primeira vez que as pessoas tiveram uma alternativa conveniente e dentro da legalidade para ouvir músicas individuais sem precisar comprar um disco inteiro.

O catálogo da iTunes Store foi lançado inicialmente com 200 mil músicas, de artistas como Bob Dylan e Sheryl Crow, e bandas como U2. Havia a possibilidade de ouvir gratuitamente 30 segundos de uma canção antes de comprá-la. Nos cinco primeiros dias de funcionamento, mais de um milhão de vendas foram feitas pela iTunes Store.

Em outubro do mesmo ano, a Apple anuncia a versão do iTunes para Windows. O tocador de músicas mais popular do mundo podia, finalmente, ser usado com o sistema operacional mais popular do mundo.

2004: o começo dos iPods mais baratos

Apesar da excelente qualidade, o iPod não era um produto muito acessível. O preço inicial de 399 dólares - depois reduzido para 299 dólares na segunda geração, no modelo de 10 GB - era mais do que muita gente estava disposta a pagar.

Em 2004, a Apple começa a experimentar versões mais limitadas do produto, com o lançamento do iPod Mini. Com apenas 4 GB de armazenamento, tela menor e corpo mais compacto, o preço era de 249 dólares.

O Mini durou pouco tempo, mas foi importante em iniciar a tendência de iPods menores. Em janeiro de 2005, o iPod Shuffle é revelado. Com capacidade muito mais limitada que os modelos maiores (512 MB e 1 GB, contra 4 a 40 GB do Mini e do regular) e sem tela, o preço inicial de 99 dólares faz do produto um sucesso.

Primeira (direita) e segunda (esquerda) gerações do iPod Nano
Primeira (direita) e segunda (esquerda) gerações do iPod Nano (Foto: Flickr/Zengame)

Em fevereiro de 2005, o iPod Mini ganha uma segunda geração, que não tarda a ser aposentada. Em setembro, a Apple anuncia o iPod Nano e tira o Mini de circulação. O iPod Nano traz armazenamento em flash, mais rápido que os discos rígidos usados no Mini, visual ainda mais compacto, tela colorida e preço inicial de US$ 199.

2007: iPhone e iPod Touch

Em janeiro de 2007, após meses de rumores que a Apple estaria trabalhando no seu próprio celular, Steve Jobs anuncia o lançamento do primeiro iPhone. Além de criar o que seria o mercado de smartphones onipresente hoje, o iPhone é herdeiro direto da ideia dos iPods, enquanto dispositivos pessoais que são parte fundamental da vida dos usuários.

Em setembro do mesmo ano a Apple lança a primeira geração do iPod Touch. O aparelho era muito similar a um iPhone, porém consideravelmente mais fino e sem entrada para chips de operadoras. A conexão com internet, por Wifi, continuava existindo, bem como o suporte a aplicativos, que foi adicionado a ambos os produtos no ano seguinte.

Fim da linha iPod - ou quase isso

Com a crescente popularidade dos smartphones, os iPods passaram a ter vendas cada vez menores. Ao longo dos anos 2010, a Apple foi aposentando a maioria dos modelos da linha: o Classic, cuja última geração foi lançada em 2007, parou de ser vendido em 2014; o Shuffle teve seu último modelo anunciado em 2010; e a versão derradeira do Nano foi revelada em 2012 - estes dois últimos foram descontinuados ao mesmo tempo, em julho de 2017.

Em sua sétima geração, lançada em 2019, o Touch é o único modelo de iPod ainda vendido pela Apple
Em sua sétima geração, lançada em 2019, o Touch é o único modelo de iPod ainda vendido pela Apple (Foto: Divulgação/Apple)

Atualmente, o único modelo de iPod que segue em produção é o Touch, que está na sétima geração. Lançado em maio de 2019 com design externo idêntico ao do antecessor (de 2015), ele tem especificações similares às do iPhone 7, de 2016, e a Apple não tem demonstrado intenção de seguir com a linha - no próprio site da empresa, o espaço no menu que costumava levar à página do iPod hoje é ocupada pelos fones de ouvido AirPods.

O legado do iPod para a música

Desde a primeira geração, em 2001, foram 27 modelos diferentes de iPod lançados pela Apple
Desde a primeira geração, em 2001, foram 27 modelos diferentes de iPod lançados pela Apple (Foto: Unsplash/Christine Sandu)

Embora seja um aparelho cuja aposentadoria definitiva parece iminente, não se pode negar que o iPod revolucionou o consumo de áudio no mundo. Ao longo dos últimos 20 anos, com 27 modelos diferentes, a linha foi responsável por tornar padrão, hoje, modos de ouvir música que eram impensáveis há duas décadas.

O primeiro iPod trazia, comparado aos competidores da época, tamanho compacto e grande armazenamento, além de bateria de longa duração. O produto popularizou o uso de músicas digitais em substituição aos tocadores de CD ou fitas K7. Não foi o primeiro reprodutor de MP3 criado no mundo, mas, sem ele, a categoria não teria se tornado tão popular.

A loja iTunes Store também teve um impacto significativo que é sentido atualmente. Com a possibilidade de comprar músicas individuais, e sem a necessidade de ter contratos com grandes gravadoras para publicar seus trabalhos, os artistas puderam mudar o modo de produção da indústria fonográfica, que havia passado décadas sem nenhuma alteração.

Outra tendência em que o papel dos iPods foi tão significativo que está até no nome são os podcasts (de "iPod" + "broadcast", que significa "transmissão em inglês). Os programas em áudio, que podem ser ouvidos a qualquer momento, explodiram em popularidade justamente quando passaram a ter uma seção dedicada no iTunes. Hoje, podcasts estão em todas as plataformas de streaming, com centenas de milhões de ouvintes.

As próprias plataformas de streaming, inclusive, dificilmente existiriam sem a criação do iPod. A ideia de que o consumo de música não precisa ter um preço proibitivo foi praticamente criado pelos players da Apple, e é a base dos serviços atuais, que funcionam por assinaturas pagas ou através de anúncios.

As referências de design e conectividade também são muitas. A "rodinha do iPod", cujo nome formal é Click Wheel, é tão icônica que até hoje inúmeros tocadores de música copiam a aparência do componente. Os diversos acessórios lançados especificamente para os iPods, como caixas de som - inicialmente com os conectores Dock e, a partir dos modelos de 2012, com a porta Lightning - são precursores das onipresentes "caixinhas bluetooth" atuais.

Com tamanha influência, pode-se dizer que o iPod não apenas chegou aos 20 anos de idade com a missão cumprida, como foi muito além. Steve Jobs, nos anos 1990, olhou para os reprodutores de música da época e decidiu que gostaria de fazer algo melhor. Não apenas ele conseguiu isso, como também mudou o mundo da música - e o da tecnologia.

Mais notícias de Tecnologia

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags