PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Tirullipa defende segunda chance a DJ Ivis e é criticado na internet

Humorista cearense afirmou que músico vai "voltar transformado" e que é preciso dar segunda chance; Ivis está preso por agressões contra a esposa desde a quarta-feira, 14

Bemfica de Oliva
11:15 | 17/07/2021
Humorista Tirullipa pediu segunda chance a DJ Ivis, preso por violência doméstica (Foto: Divulgação)
Humorista Tirullipa pediu segunda chance a DJ Ivis, preso por violência doméstica (Foto: Divulgação)

O humorista Tirullipa está sendo criticado nas redes sociais após gravar vídeo em defesa de Iverson de Souza Araújo, o DJ Ivis. O músico foi preso na quarta-feira, 14, acusado de violência doméstica contra a esposa.

DJ Ivis gravou vídeo pedindo perdão pouco antes de ser preso; assista

Na gravação, o cearense diz que Ivis vai "voltar transformado" e que o músico deve receber "outra oportunidade". "Tem que perdoar, o mundo é do perdão", concluiu. Assista ao vídeo clicando aqui.

O humorista pontuou que Ivis deveria ser desculpado pelas agressões pois deve-se fazer "o que Jesus fez". O teólogo Leonardo Boff respondeu ao vídeo dizendo que Jesus "sempre estava do lado da vítima, no caso, da mulher que foi espancada".

A deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS) afirmou que Tirullipa deveria usar seu alcance para incentivar que mulheres denunciem violências sofridas. "Já parou para pensar que mulheres que morrem diariamente queriam uma segunda chance também?", completou.

O cantor Tico Santa Cruz disse que o humorista estava "tomando dor de espancador de mulher". A cantora Pocah pontuou que já teve posições similares às de Tirullipa, mesmo sendo vítima de violência doméstica, mas que "a chance de um agressor é ainda estar vivo e pagar pelo que causou".

O Caso DJ Ivis

O caso de DJ Ivis ganhou repercussão no último domingo, 11, quando a esposa do músico divulgou em suas redes sociais vídeo em que era agredida pelo artista. As imagens foram gravadas no começo de julho.

A influencer Pamella Holanda, que tem uma filha com Ivis, sofreu violência na frente da criança, de apenas nove meses, e de funcionários do artista, que não intervieram na agressão. Ela registrou Boletim de Ocorrência (BO) contra o músico e obteve medida protetiva que o proibia de se aproximar dela e da filha.

Após grande repercussão, que incluiu artistas condenando a ação de Ivis, demissão da empresa que gerenciava sua carreira e músicas sendo retiradas de rádios e plataformas de streaming, o músico foi preso na quarta-feira, 14. Na sexta-feira, 16, ele foi transferido para uma penitenciária em Aquiraz.

Violência contra a mulher - o que é e como denunciar?

A violência doméstica e familiar constitui uma das formas de violação dos direitos humanos em todo o mundo. No Brasil, a Lei 11.340, conhecida como Lei Maria da Penha, caracteriza e enquadra na lei cinco tipos de violência contra a mulher: física, psicológica, moral, sexual e patrimonial.

Entenda as violências:

Violência física: espancamento, tortura, lesões com objetos cortantes ou perfurantes ou atirar objetos, sacudir ou apertar os braços

Psicológica: ameaças, humilhação, isolamento (proibição de estudar ou falar com amigos)

Sexual: obrigar a mulher a fazer atos sexuais, forçar matrimônio, gravidez ou prostituição, estupro.

Patrimonial: deixar de pagar pensão alimentícia, controlar o dinheiro, estelionato

Moral: críticas mentirosas, expor a vida íntima, rebaixar a mulher por meio de xingamentos sobre sua índole, desvalorizar a vítima pelo seu modo de se vestir

A Lei 13.104/15 enquadrou a Lei do Feminícidio - o assassinato de mulheres apenas pelo fato dela ser uma mulher. O feminicídio é, por muitas vezes, o triste final de um ciclo de violência sofrido por uma mulher - por isso, as violências devem ser denunciadas logo quando ocorrem. A lei considera que há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve violência doméstica e familiar ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

LEIA MAIS | Veja como denunciar violência doméstica durante a pandemia

Veja como buscar ajuda:

Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180

Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza (DDM-FOR)
Rua Teles de Souza, s/n - Couto Fernandes
Contatos: (85) 3108- 2950 / 3108-2952

Delegacia de Defesa da Mulher de Caucaia (DDM-C)
Rua Porcina Leite, 113 - Parque Soledade
Contato: (85) 3101-7926

Delegacia de Defesa da Mulher de Maracanaú (DDM-M)
Rua Padre José Holanda do Vale, 1961 (Altos) - Piratininga
Contato: 3371-7835

Delegacia de Defesa da Mulher de Pacatuba (DDM-PAC)
Rua Marginal Nordeste, 836 - Jereissati III
Contatos: 3384-5820 / 3384-4203

Delegacia de Defesa da Mulher do Crato (DDM-CR)
Rua Coronel Secundo, 216 - Pimenta
Contato: (88) 3102-1250

Delegacia de Defesa da Mulher de Icó (DDM-ICÓ)
Rua Padre José Alves de Macêdo, 963 - Loteamento José Barreto
Contato: (88) 3561-5551

Delegacia de Defesa da Mulher de Iguatu (DDM-I)
Rua Monsenhor Coelho, s/n - Centro
Contato: (88) 3581-9454

Delegacia de Defesa da Mulher de Juazeiro do Norte (DDM-JN)
Rua Joaquim Mansinho, s/n - Santa Teresa
Contato: (88) 3102-1102

Delegacia de Defesa da Mulher de Sobral (DDM-S)
Av. Lúcia Sabóia, 358 - Centro
Contato: (88) 3677-4282

Delegacia de Defesa da Mulher de Quixadá (DDM-Q)
Rua Jesus Maria José, 2255 - Jardim dos Monólitos
Contato: (88) 3412-8082

Casa da Mulher Brasileira

A Casa da Mulher Brasileira é referência no Ceará no apoio e assistência social, psicológica, jurídica e econômica às mulheres em situação de violência. Gerida pelo Estado, o equipamento acolhe e oferece novas perspectivas a mulheres em situação de violência por meio de suporte humanizado, com foco na capacitação profissional e no empoderamento feminino.

Telefones para informações e denúncias:

Recepção: (85) 3108.2992 / 3108.2931 – Plantão 24h
Delegacia de Defesa da Mulher: (85) 3108.2950 – Plantão 24h, sete dias por semana
Centro Estadual de Referência e Apoio à Mulher: (85) 3108.2966 - segunda a quinta, 8h às 17h
Defensoria Pública: (85) 3108.2986 / segunda a sexta, 8h às 17h
Ministério Público: (85) 3108. 2940 / 3108.2941, segunda a sexta , 8h às 16h
Juizado: (85) 3108.2971 – segunda a sexta, 8h às 17h