PUBLICIDADE
Ceará
Noticia

Após agredir a mulher, DJ Ivis é demitido por Xandy da produtora Vybbe

Forrozeiro anunciou dispensa do músico e cantor na noite deste domingo,11, após forte repercussão do caso nas redes sociais

21:46 | 11/07/2021
FORTALEZA, CE, BRASIL, 11-07.2021: Prints do vídeo em que o cantor e músico DJ Ivis agride sua esposa, Pamella Holanda. (Foto: reprodução/instagram)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 11-07.2021: Prints do vídeo em que o cantor e músico DJ Ivis agride sua esposa, Pamella Holanda. (Foto: reprodução/instagram)

Após repercussão dos vídeos em que o DJ Ivis Araújo aparece agredindo sua esposa Pamella Gomes Holanda com socos e pontapés, algumas vezes na frente da própria filha, de apenas nove meses, o cantor Xand Avião anunciou a demissão do músico da produtora Vybbe, empresa do forrozeiro que até então gerenciava a carreira do cantor e músico paraibano radicado no Ceará.

LEIA MAIS | Esposa de DJ Ivis posta vídeo onde aparece sendo agredida pelo músico na frente da filha do casal

“Eu não admito nem compactuo com nenhum tipo de violência, ainda mais com uma mulher. Acho que nada explica. Não tem como continuar com ele na nossa empresa”, disse Xand ao anunciar a dispenda de Ivis em vídeo divulgado na noite deste domingo, 11, no seu perfil oficial do Instagram. "Já designei minha equipe inteira para falar com a Pamella para ajudar, não só ela como a criança também", garantiu o cantor. 

 

 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Xand Avião (@xandaviao)

Pouco depois do pronunciamento de Xandy, a Vybbe também divulgou nota em seus perfis oficiais manifestando repúdio à agressão. A produtora informou que o DJ foi "afastado de todos os seus compromissos" e que acompanhará com atenção os desdobramentos do caso. Veja o comunicado na íntegra: 

"Diante dos últimos acontecimentos, queremos deixar claro que a Vybbe repudia todo e qualquer tipo de agressão. Assim como vocês, também fomos surpreendidos com os vídeos postados nas redes sociais. Diante disso, informamos que o DJ Ivis foi imediatamente afastado de todos os compromissos . Acompanharemos com atenção os desdobramentos deste caso. A Vybbe reitera seus valores de respeito às mulheres, presta solidariedade a todas as vítimas de violência e orienta que denunciem todo e qualquer episódio vivido ou presenciado pelo número 180".

Famosos e políticos repercutem o caso

A reação às cenas de agressões do DJ Ivis contra a sua esposa Pamella Holanda foi imediata nas redes sociais. A cantora Solange Almeida foi uma das primeiras a se pronunciar sobre o assunto. Em vídeo divulgado no Instagram, ela fez uma reflexão sobre os principais sinais de violência contra a mulher e alertou sobre a importância de denunciar.

“O amor não dói, não oprime, não agride, não te deixa para baixo, nem com marcas psicológicas, muito menos física. Tá tirando o sono, sua paz, você sofre ameaça? Não se acostume com maus tratos! Não se acostume com o que é tóxico! Ao primeiro sinal de se sentir acuada e com medo, abra os olhos. Amor com violência é doença. A qualquer sinal, denuncie!”, afirmou a cantora.

 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Solange Almeida (@solangealmeida)

Quem também se pronunciou sobre o assunto foi o influencer Carlinhos Maia, que em seu perfil no twiter escreveu: “Homem que bate em mulher não! Não, não, não!”, repetiu. A também influenciadora Gessica Kayane, a Gkay, manifestou solidariedade à Pamella. “Forças e parabéns pela coragem. Estamos com Você!”

DJ se pronuncia

Depois de horas de silêncio, DJ Ivis foi às redes sociais para se pronunciar sobre o caso. Em sequência de stories divulgados no seu perfil do Instagram, o músico admite as agressões registradas nos vídeos, mas tenta se justificar.

“Infelizmente não temos vivido uma relação saudável há algum tempo e já faz uma semana que estamos separados de fato. Estamos tentando de todas as maneiras que tudo isso tenha uma solução", disse, revelando ainda que teria registrado um Boletim de Ocorrência contra a esposa no dia 12 de março por causa de uma suposta discussão em que ela não teria aceitado o fim do relacionamento, proposto por ele.

Ainda segundo o DJ, Pamella “ameaçava se jogar do condomínio e sumir com a filha". O artista encerrou sua versão afirmando que “tudo será devidamente provado e esclarecido com o tempo".

Polícia vai abrir investigação

Em nota divulgada à imprensa na noite de hoje, a Polícia Civil do Ceará informou que deve apurar o caso como lesão corporal. O órgão informou que o caso só foi registrado pela esposa de Ivis no dia 3 de junho, dois dias após a agressão, o que não permitiria a prisão em flagrante. Também ressaltou que as imagens das câmeras de segurança, que comprovam as agressões, não tinham sido apresentadas às autoridades policiais até então.

Violência contra a mulher - o que é e como denunciar?

A violência doméstica e familiar constitui uma das formas de violação dos direitos humanos em todo o mundo. No Brasil, a Lei 11.340, conhecida como Lei Maria da Penha, caracteriza e enquadra na lei cinco tipos de violência contra a mulher: física, psicológica, moral, sexual e patrimonial.

Entenda as violências:

Violência física: espancamento, tortura, lesões com objetos cortantes ou perfurantes ou atirar objetos, sacudir ou apertar os braços

Psicológica: ameaças, humilhação, isolamento (proibição de estudar ou falar com amigos)

Sexual: obrigar a mulher a fazer atos sexuais, forçar matrimônio, gravidez ou prostituição, estupro.

Patrimonial: deixar de pagar pensão alimentícia, controlar o dinheiro, estelionato

Moral: críticas mentirosas, expor a vida íntima, rebaixar a mulher por meio de xingamentos sobre sua índole, desvalorizar a vítima pelo seu modo de se vestir

A Lei 13.104/15 enquadrou a Lei do Feminícidio - o assassinato de mulheres apenas pelo fato dela ser uma mulher. O feminicídio é, por muitas vezes, o triste final de um ciclo de violência sofrido por uma mulher - por isso, as violências devem ser denunciadas logo quando ocorrem. A lei considera que há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve violência doméstica e familiar ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

LEIA MAIS | Veja como denunciar violência doméstica durante a pandemia

Veja como buscar ajuda:

Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180

Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza (DDM-FOR)
Rua Teles de Souza, s/n - Couto Fernandes
Contatos: (85) 3108- 2950 / 3108-2952

Delegacia de Defesa da Mulher de Caucaia (DDM-C)
Rua Porcina Leite, 113 - Parque Soledade
Contato: (85) 3101-7926

Delegacia de Defesa da Mulher de Maracanaú (DDM-M)
Rua Padre José Holanda do Vale, 1961 (Altos) - Piratininga
Contato: 3371-7835

Delegacia de Defesa da Mulher de Pacatuba (DDM-PAC)
Rua Marginal Nordeste, 836 - Jereissati III
Contatos: 3384-5820 / 3384-4203

Delegacia de Defesa da Mulher do Crato (DDM-CR)
Rua Coronel Secundo, 216 - Pimenta
Contato: (88) 3102-1250

Delegacia de Defesa da Mulher de Icó (DDM-ICÓ)
Rua Padre José Alves de Macêdo, 963 - Loteamento José Barreto
Contato: (88) 3561-5551

Delegacia de Defesa da Mulher de Iguatu (DDM-I)
Rua Monsenhor Coelho, s/n - Centro
Contato: (88) 3581-9454

Delegacia de Defesa da Mulher de Juazeiro do Norte (DDM-JN)
Rua Joaquim Mansinho, s/n - Santa Teresa
Contato: (88) 3102-1102

Delegacia de Defesa da Mulher de Sobral (DDM-S)
Av. Lúcia Sabóia, 358 - Centro
Contato: (88) 3677-4282

Delegacia de Defesa da Mulher de Quixadá (DDM-Q)
Rua Jesus Maria José, 2255 - Jardim dos Monólitos
Contato: (88) 3412-8082

Casa da Mulher Brasileira

A Casa da Mulher Brasileira é referência no Ceará no apoio e assistência social, psicológica, jurídica e econômica às mulheres em situação de violência. Gerida pelo Estado, o equipamento acolhe e oferece novas perspectivas a mulheres em situação de violência por meio de suporte humanizado, com foco na capacitação profissional e no empoderamento feminino.

Telefones para informações e denúncias:

Recepção: (85) 3108.2992 / 3108.2931 – Plantão 24h
Delegacia de Defesa da Mulher: (85) 3108.2950 – Plantão 24h, sete dias por semana
Centro Estadual de Referência e Apoio à Mulher: (85) 3108.2966 - segunda a quinta, 8h às 17h
Defensoria Pública: (85) 3108.2986 / segunda a sexta, 8h às 17h
Ministério Público: (85) 3108. 2940 / 3108.2941, segunda a sexta , 8h às 16h
Juizado: (85) 3108.2971 – segunda a sexta, 8h às 17h