PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Entenda o porquê de o DJ Ivis não responder pela Lei Maria da Penha de imediato

O indiciamento se dará dentro do contexto da Lei Maria da Penha. Justiça determinou a detenção do músico cerca de 24 horas após pedido da Polícia, que alega a necessidade da medida com base no fundamento de risco a ordem pública

21:36 | 15/07/2021
Prisão do DJ Ivis, na delegacia de Policia Civil do Eusébio, no fim da tarde dessa quarta, 14 (Foto: Barbara Moira)
Prisão do DJ Ivis, na delegacia de Policia Civil do Eusébio, no fim da tarde dessa quarta, 14 (Foto: Barbara Moira)

Atualizada às 11h11min de 16/07/2021

O crime pelo qual Iverson de Souza Araújo, o DJ Ivis, está preso preventivamente é com base no fundamento de risco a ordem pública. De acordo com o titular da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), Sandro Caron, a medida não retira a investigação pela Lei Maria da Penha, mas é uma forma que se encontrou para que o músico fosse preso antes mesmo da conclusão do inquérito policial. Como não houve flagrante, a medida garante que o DJ fique afastado da sociedade, apague provas ou volte a cometer o delito.

“Ela (a vítima) foi à delegacia dia 2 (de julho), mas o Boletim de ocorrência só foi feito no dia 3. Como o fato ocorreu no dia 1º de julho, já não havia mais situação de flagrante”, avisa Thársio Facó, delegado-adjunto da Delegacia Metropolitana do Eusébio, responsável pelas investigações. A opção de uma prisão seria a representação pela Polícia Civil e foi expedido pela Justiça um mandado de prisão preventiva, complementa ele. Ainda de acordo com o delegado, o pedido de prisão preventiva aconteceu após a ida da vítima à Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Fortaleza, no sábado, dia 3. A SSPDS destaca que qualquer delegado, a partir do pedido da vítima, pode solicitar medidas protetivas a favor da mulher, não apenas a DDM.  

Na semana seguinte, o inquérito foi instaurado e Pamella foi ouvida na quarta. No domingo, dia 11, a vítima divulgou os vídeos na rede social Instagram. “Os vídeos somente foram conhecidos pela Polícia naquele dia”, informa. As agressões não se deram no Eusébio, mas em um apartamento do agressor no Passaré, em Fortaleza. Na manhã da última terça-feira, 13, foi feito o pedido de prisão preventiva e, na quarta-feira, 14, o mandado foi cumprido. As agressões de Ivis à Pâmela serão investigadas em dois inquéritos. 

O fundamento do pedido, ainda de acordo com Facó, é que os vídeos demonstram que as agressões sofridas são constantes. “É uma rotina, o que demonstra a predisposição dele para reiterar na prática delituosa”, conta o delegado. No inquérito e no indiciamento, ainda de acordo com Facó, o DJ Ivens responderá dentro de um contexto de violência doméstica pela Lei Maria da Penha.