Participamos do

Comércio de rua: lojistas apontam melhora no fluxo de clientes

Conforme o novo decreto estadual, comércio ampliou capacidade de atendimento simultâneo de clientes de 25% para 40%
14:04 | Abr. 26, 2021
Autor Beatriz Cavalcante
Foto do autor
Beatriz Cavalcante Articulista quinzenal do O POVO
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O comércio de rua iniciou nesta segunda, 26, com aumento na capacidade de atendimento simultâneo de clientes de 25% para 40%, conforme permite novo decreto estadual publicado no último sábado, 24. O horário de funcionamento permanece o mesmo, indo das 10 às 16 horas, com lockdown aos fins de semana. Mas como enfrentam a terceira semana de reabertura, os relatos dos lojistas ao O POVO é que há melhora na movimentação de clientes no Centro de Fortaleza.

LEIA TAMBÉM | Comércio: ampliação da capacidade anima empresários para o Dia das Mães

Elieudo Freitas, gerente da Ban Ban Calçados da loja da Praça do Ferreira, avalia que o fluxo maior de consumidores também se dá pela proximidade ao Dia das Mães, que será no dia 9 de maio, e é considerada a segunda melhor data para o comércio, atrás apenas do Natal. Para atrair clientes, ele diz que Ban Ban investe em marcas próprias e mantém os preços baixos, característicos da varejista de calçados.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"O preço o consumidor já sabe que é bem lá embaixo. Então o ticket médio de compra não deu uma caída, estamos segurando", complementa.

Desde a reabertura do comércio nesta segunda onda da pandemia, no dia 12 de abril, Cid Belchior, gerente da C. Rolim da Praça do Ferreira, acredita que houve uma alta nas vendas em cerca de 20%. "Com o horário reduzido não está ruim, mas poderia estar melhor. É melhor do que estarmos fechados, porque comércio fechado gera desemprego", acrescenta.

Em relação ao Dia das Mães, ele detalha que já há uma tímida procura, o que deve aumentar com a proximidade da data. "O movimento melhorou, pois os consumidores já estão se adaptando ao novo horário (das 10 às 16h)", frisa.

Veja fotos da movimentação no Centro de Fortaleza:

 

Clique na imagem para abrir a galeria

Novo decreto

Entrou em vigor hoje, segunda-feira, 26 de abril, o novo decreto de isolamento social no Ceará. As novas regras foram anunciada por meio das redes sociais no sábado, 24 de abril, pelo governador do Ceará, Camilo Santana (PT) e flexibilizam o funcionamento das atividades econômicas.

CONFIRA O DECRETO NA ÍNTEGRA

Veja o que muda: 

 

SEGUE PROIBIDO

Funcionamento de parques aquáticos, cinemas, museus e teatros, públicos ou privados.

Lockdown aos fins de semana e toque de recolher à noite

O toque de recolher continua em vigor de segunda a sexta, das 20 horas às 5 horas. Aos fins de semana o Estado continua em isolamento social rígido. Fora do horário autorizado no decreto, os estabelecimentos poderão funcionar exclusivamente por entrega.

Veja abaixo ponto a ponto e entenda o que muda com novo decreto:

EDUCAÇÃO

Escolas poderão avançar na retomada do ensino presencial até o 9° ano do Ensino Fundamental. O limite é de 40% da capacidade, e o ensino remoto continua opcional, a critério dos pais e responsáveis. As atividades deverão ser realizadas preferencialmente em ambientes abertos, favoráveis à reciclagem do ar, além de respeitar o distanciamento, os limites de ocupação e as demais medidas sanitárias.

IGREJAS E TEMPLOS

Instituições religiosas passam a realizar celebrações presenciais com o limite de 25% da capacidade. O Estado mantém a recomendação para que as celebrações permaneçam sendo realizadas exclusivamente de forma virtual.

ACADEMIA

Poderão retomar o funcionamento no período das 6 às 18h, exclusivamente para a prática de atividades individuais por horário marcado. O limite de atendimento presencial simultâneo de clientes é de 25% da capacidade.

BARRACAS DE PRAIA

Poderão voltar a funcionar exclusivamente para a atividade de restaurante e com limitação em 40% da capacidade de atendimento simultâneo de clientes. É proibido o uso de piscinas e parques aquáticos.

BUFFET

Estabelecimentos que operam nesta modalidade poderão voltar a funcionar, desde que apenas para a atividade de restaurante, também com limitação de 40% da capacidade.

RESTAURANTES E HOTÉIS

Estão proibidas festas de qualquer tipo em restaurantes, hotéis e outros estabelecimentos em ambientes fechados e abertos. O número de clientes está limitado a seis pessoas por mesa, e o atendimento a consumo no local ou viagem. Não é permitido pessoas em pé, inclusive na calçada, nem formação de fila.

FUTEBOL

Está autorizada a retomada, sem público, dos jogos e treinos do Campeonato Cearense de Futebol, Série A, respeitadas todas as medidas sanitárias estabelecidas em protocolo sanitário.

COMÉRCIO DE RUA E SERVIÇOS

Funcionamento permitido das 10 às 16 horas, com limitação de 40%.

SHOPPINGS E RESTAURANTES NELES SITUADOS

Podem funcionar das 12 às 18 horas, com limitação de 40% da capacidade.

EXCEÇÕES

Não estão sujeitos à restrição de horário, de segunda a sexta: Serviços públicos essenciais; farmácias; supermercados/congêneres; indústria; postos de combustíveis; hospitais e demais unidades de saúde e clínicas odontológicas e veterinárias para atendimento de emergência; laboratórios de análises clínicas; segurança privada; imprensa, meios de comunicação e telecomunicação em geral; oficinas em geral e borracharias situadas na Linha Verde de Logística e Distribuição do Estado; funerárias.

Novo decreto em Fortaleza e no Ceará: entenda as mudanças

Escolas, igrejas e templos terão avanços no processo de reabertura, e barracas de praia e academias de ginástica poderão abrir sob determinadas condições. O momento, porém, ainda é de cautela. Por isso, as medidas de flexibilização seguem valendo apenas de segunda a sexta, e o lockdown continua aos sábados e domingos. "Ainda estamos em um patamar elevado, principalmente na demanda assistencial", pondera Camilo.

O chefe do executivo estadual se reuniu nesta sexta-feira, 23, com o comitê que delibera sobre as ações de combate a Covid-19 no Estado.

O atual decreto em vigência foi iniciado no dia 12 de abril e prorrogado no último sábado, 17. As medidas valem até este domingo, 25. O decreto estadual com as novas normas válidas para todo o Ceará foi publicado neste sábado, no Diário Oficial do Estado (DOE), e passa a valer a partir de segunda-feira, 26.

 

Tendência de queda

Os efeitos do isolamento social rígido implantado no Ceará no mês de março e mantido nos últimos finais de semana parece começar a dar resultados. O Estado teve redução do número de casos de Covid-19 em todas as suas regiões de saúde, enquanto a maioria delas apresentou um aumento nas mortes. É o que aponta boletim divulgado pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesa) nesa sexta-feira, 23, referente à 15.ª semana epidemiológica de 2021 (11 a 17 de abril).

Entretanto, as reduções são heterogêneas e, nos últimos dias, alguns municípios decidiram retomar medidas mais rígidas.

Apesar da diminuição dos números, ainda não se percebe o mesmo movimento nas taxas de internação. Cabeto explica que isso ocorre porque, em média, o tempo de internação dos pacientes está maior. "O que estamos vendo é um certo platô, com redução, nas duas últimas semanas, de solicitação de UTI, e um certo platô com redução também no número de (solicitação de) leitos de enfermaria. Isso significa que já há uma repercussão no atendimento nas emergências e nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento)", complementa o titular da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa).

Em 14 dias, a média móvel de óbitos caiu 53,5%, e a de casos confirmados, 76%. Ainda assim, especialistas apontam possível terceira onda. "No caso do Ceará, entramos na segunda sem sair da primeira. E já estamos com a rede hospitalar lotada, então não podemos entrar na terceira sem sair da segunda. Ou, pelo menos, sem descer o suficiente. Então, mesmo com as coisas abertas, as pessoas têm que ter a consciência de que elas devem sair quando for necessário, e somente se for necessário", aponta Thereza Magalhães,  professora de Epidemiologia da Universidade Estadual do Ceará (Uece).

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags