PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Antigo terminal de passageiros do aeroporto de Fortaleza deve virar shopping e estacionamento

Iniciativa faz parte do projeto da administradora do Aeroporto de Fortaleza de explorar as áreas do sítio aeroportuário. Diretora da Fraport Brasil revela que existem muitos interessados nos projetos de construção de hotel em frente ao Pinto Martins e praça de alimentação do terminal de passageiros

Samuel Pimentel
13:46 | 25/02/2021
Simulação do empreendimento ao lado do Aeroporto de Fortaleza (Foto: Divulgação/Fraport )
Simulação do empreendimento ao lado do Aeroporto de Fortaleza (Foto: Divulgação/Fraport )

A Fraport Brasil já tem ideia de qual será a destinação do antigo terminal de passageiros, Terminal de Aviação Geral (Terminal TAG). Deve ser construído no espaço um centro comercial e um estacionamento. A empresa também confirmou que segue em negociações com parceiro para a construção de um hotel em frente ao Aeroporto Internacional Pinto Martins. A iniciativa faz parte do projeto da administradora do Aeroporto de Fortaleza de explorar as áreas do sítio aeroportuário.

LEIA MAIS | Fraport negocia com ANAC novo reequilíbrio financeiro do contrato de concessão parecido com os R$ 90 mi de 2020

A diretora da Fraport Brasil, Sabine Trenk, revela que desde que foram lançados no fim do ano passado, existem muitos interessados nos Request for Proposal (RFP) ao mercado – pedido de proposta na tradução. Um dos projeto mais adiantados, porém, parece ser mesmo o de conceder o espaço do Terminal de Aviação Geral. A Fraport está com negociações em andamento para a parceria. Ao lado, já está sendo encaminhada a cessão do espaço para construção de um estacionamento.

A empresa sustenta que todas as negociações têm recebido atenção especial e que serão concluídas conforme a agilidade dos processos. "Existem várias conversas em andamento, nosso time que está responsável para o desenvolvimento de todo sítio aeroportuário está em conversas com diferentes setores", destaca a COO da Fraport.

Movimentação no Aeroporto de Fortaleza em 2020 foi mais de 55% menor do que no ano anterior.
Movimentação no Aeroporto de Fortaleza em 2020 foi mais de 55% menor do que no ano anterior. (Foto: Barbara Moira)

No fim de 2020, a empresa anunciou que estaria revitalizando os espaços para negociá-los. Os espaços foram separados em lotes de 2 mil metros quadrados (m³). No todo, o projeto é chamado de Real Estate do Fortaleza Airport, e tem lotes de áreas disponíveis para negócios por todo sítio aeroportuário que se estende entre a BR-116 e a avenida Calos Jereissati, com prédios como Terminal TAG e a antiga Base Aérea. O projeto é destinado a iniciativas em geral, como projetos de varejo, centros logísticos, supermercados, mega store, postos de gasolina, além do hotel, que é o grande projeto anunciado pela Fraport.

Sabine destaca que, para os espaços disponíveis para as áreas localizadas próximo à avenida Carlos Jereissati, um setor muito importante é o de logística, o qual existem conversas com diferentes empresas. Também há negociações com o segmento do varejo. "Essa conexão com a avenida Carlos Jereissati oferece oportunidades e podemos capitalizar".

"Além dos segmentos ligados à aviação, também demos oportunidades para colocar o Aeroporto no mapa como destino de comércio", confirma.

Alimentação

Sobre o mais recente projeto de incrementar a oferta de opções em alimentação dentro do Aeroporto de Fortaleza, explica que isso se deve ao processo de ampliação do espaço. As empresas interessadas podem se candidatar até 19 de março no site da Fraport Fortaleza (www.fortaleza-airport.com.br ou pelo email [email protected]). As áreas a serem comercializadas são destinadas aos mais diversos segmentos de alimentação, como fast-food, grab & go, restaurantes à la carte, self-service, sobremesas.

O período de implantação e inaugurações deve ocorrer entre 1º de julho e 31 de outubro de 2021.

Aeroporto de Fortaleza é administrado pela Fraport Fortaleza
Aeroporto de Fortaleza é administrado pela Fraport Fortaleza (Foto: Barbara Moira)

Na avaliação de Sabine, a queda da movimentação de pessoas não deve preocupar os interessados, pois a perspectiva de retomada positiva é bastante próxima e o crescimento da demanda pelo Pinto Martins nos próximos anos deve ser constante. "Desde que iniciamos essa RFP, recebemos bastante feedbacks do mercado, muito interesse e muitas perguntas."

"Estamos esperançosos por receber boas propostas do mercado. Agora vemos uma oportunidade de ampliar essa oferta, com uma variedade maior no terminal, área pública e praça de alimentação e aguardar espaço para futuros crescimentos", diz.

A COO da Fraport Brasil ainda destaca que o principal projeto, do hotel de frente ao Aeroporto de Fortaleza, deve ter a confirmação do parceiro em breve e que atualmente as negociações prosseguem dentro do esperado. Diz que receberam ofertas interessantes para o hotel, "mas ainda é prematuro adiantar detalhes".

Usina para combustível de aviação

A executiva da Fraport Brasil ainda explicou como tem sido o processo para que uma usina para produção de combustível renovável para aviação, iniciativa em fase inicial de pesquisa. A ideia é produzir combustível para aviação a partir de fontes renováveis, como o hidrogênio obtido pela eletrólise da água. Atualmente, as aeronaves são movidas a querosene de aviação.

SOBRE O ASSUNTO | O caminho do Ceará para conquistar o mundo com energia limpa

A previsão inicial é que o projeto seja desenvolvido em três anos. O financiamento viria a partir da participação em parceria da Agência de Desenvolvimento da Alemanha, que já mantém conversas ativas com o Ministério da Ciência e Tecnologia do Brasil. Fraport Brasil e Governo do Ceará trabalham para que a planta para produção do hidrogênio seja feita em contêineres dentro do Aeroporto de Fortaleza.

Sabine detalha que há interesse da Fraport em disponibilizar o espaço. "É um projeto muito engrandecedor e inovador. Esperamos que a usina esteja operando no prazo mais curto possível, mas o primeiro passo é financiar o projeto".

Certificação para nova pista

Chamou atenção no início do mês a notícia de a Fraport teve de esperar a Enel retirar um poste de energia que atrapalhava o pedido de concessão da certificação da Anac para funcionamento da nova pista.

A administradora do Pinto Martins entregou a obra de conclusão das intervenções na pista e esperava colocá-la em operação rapidamente. Sabine relata que "pequenos problemas paralisaram o grande projeto", mas que tudo já foi resolvido. "O que se precisa fazer agora é a homologação da pista, para que possa ser finalmente certificada. Estamos nesse processo e o impasse do poste foi resolvido".