PUBLICIDADE
Ceará Sporting Club
NOTÍCIA

Ceará na Sul-Americana 2021: saiba mais sobre o Jorge Wilstermann, adversário do Vovô

O Aviador perdeu três dos quatro duelos iniciais do Campeonato Boliviano e tem treinador pressionado

Gabriel Lopes
11:48 | 20/04/2021
Aviador vive má fase na temporada de 2021 (Foto: DIVULGAÇÃO)
Aviador vive má fase na temporada de 2021 (Foto: DIVULGAÇÃO)

Surgido em 1949, o nome do Jorge Wilstermann é uma homenagem ao primeiro piloto de aviões comerciais da história da Bolívia, país de origem da equipe. O Aviador está no grupo C da Copa Sul-Americana 2021, juntamente com Ceará, Arsenal de Sarandí-ARG e Bolívar-BOL, seu rival local. O clube de Cochabamba, cidade com 2500 metros de altitude, tem grande tradição em torneios sul-americanos, com 20 participações na Libertadores, cinco na Sul-Americana e uma na extinta Copa Conmebol. Na temporada de 1981 da Taça Libertadores, o Rojo, que tinha o brasileiro tricampeão do mundo Jairzinho no elenco, foi semifinalista, enquanto na edição de 2020 deste certame a equipe alcançou as oitavas de final. Contudo, o momento atual do clube é conturbado.

O Jorge Wilstermann iniciou o Campeonato Boliviano desta temporada com três derrotas em quatro jogos. O único triunfo veio contra o Santa Cruz, equipe que perdeu nas quatro primeiras rodadas e foi vice-lanterna do último certame nacional, que não teve rebaixamento.

LEIA MAIS:

O desempenho do Aviador na última temporada do Boliviano também deixou a desejar, pois o time ficou apenas na quinta posição, algo abaixo da expectativa para uma agremiação que é a segunda maior campeã de seu país, com 15 conquistas, a última no Clausura de 2019. O Bolívar, adversário do grupo C da Sul-Americana, é o único com mais títulos locais, com 29.

A quinta colocação fez com que o Rojo se classificasse para a fase prévia da atual edição da Sul-Americana, tendo o Palmaflor, que ficou na oitava posição do último Campeonato Boliviano, como oponente. O Jorge Wilstermann venceu os dois confrontos por 2 a 1 e garantiu vaga na fase de grupos.

Dessa forma, o treinador Mauricio Soria, que assumiu o comando do Jorge Wilstermann em 2021 e está na sua terceira passagem na equipe, tem cargo pressionado e pode deixar o time caso a má fase permaneça, algo confirmado pelo presidente do clube, Grover Vargas.

A missão de Soria tornou-se mais difícil devido ao grande número de baixas no elenco, com lesões e saídas, principalmente no sistema defensivo. O goleiro paraguaio Arnaldo Giménez e o zagueiro Ronny Monteiro sofreram graves contusões e ficarão alguns meses longe dos gramados. Já o experiente lateral-esquerdo de 36 anos Jorge Ortiz tem lesão menos severa, mas também deve perder os próximos compromissos da equipe. Enquanto isso, o zagueiro Edward Zenteno e o lateral-esquerdo Juan Pablo Aponte, destaques da última temporada, deixaram a agremiação.

Assim, a defesa é o setor mais frágil do time boliviano. O volante Adrián Fernández chegou a ser improvisado na lateral-esquerda nos últimos jogos. O sinal da fragilidade no setor é o alto número de gols sofridos, 11 em seis partidas.

LEIA MAIS: 

Contudo, outros atletas de qualidade ainda deixam o Aviador com grande poderio técnico no ataque. O meia-atacante argentino Cristian Chávez, de 34 anos, é o capitão do time e está no Rojo desde 2017. Ele tem longa carreira no Boca Juniors-ARG, clube que o revelou, em 2005, e onde ele jogou até 2012, com participações em títulos da Libertadores e da Recopa Sul-Americana. Chávez também já venceu a Copa Sul-Americana uma vez, em 2013, com o Lanús-ARG.

No ataque, a grande referência é o colombiano Humberto Osório, que marcou quatro vezes nos seis primeiros compromissos da agremiação na temporada 2021.

Outros nomes que chamam atenção são os dos meio-campistas Patito Rodríguez, argentino ex-Santos, e Serginho, brasileiro de 36 anos com passagens por Botafogo-SP, Bragantino-SP e Portuguesa-SP. Além deles, outros dois jogadores do Jorge Wilstermann têm passagens no futebol brasileiro. O meia argentino Damián Lizio atuou no Botafogo-RJ em 2016, enquanto o atacante boliviano Gilbert Álvarez jogou nas categorias de base do Cruzeiro-MG.

Taticamente, a equipe de Cochabamba apresentou muitas variações na montagem dos times titulares nesta temporada. 4-4-2, 4-2-3-1, 4-5-1, 3-4-3, 5-3-2 e 3-5-2 foram esquemas-base utilizados nos seis jogos iniciais. No último compromisso, uma derrota por 3 a 0 em casa para o The Strongest-BOL, no dia 11 de abril, o Jorge Wilstermann foi posto com um 3-5-2, com bastante liberdade para os alas, Lizio e Meleán.

O jornalista boliviano Gabriel Caero, considera o Aviador como candidato a conquista da única vaga do grupo nas oitavas da Sul-Americana, que vai para o líder, apesar da má fase atual da equipe. “Creio que o Wilstermann, em teoria, estará forte, pois foi assim nos últimos torneios, inclusive na última Libertadores. Teoricamente, o clube deveria ganhar os nove pontos em casa e pode conquistar pontos fora. O time tem bons jogadores, mas falta um pouco de argumento ao treinador”, disse.

Ficha técnica

Nome: Club Deportivo Jorge Wilstermann

Fundação: 24 de novembro de 1949 (71 anos)

Sede: Cochabamba, na Bolívia

Treinador: Mauricio Soria

Time-base: Sandy; Meleán, Coimbra, Echeverría e Fernández (Lizio ou Reyes); Morales, Villarroel, Patito Rodríguez e Chávez; Serginho e Osório

Histórico nacional: segundo maior campeão com 15 títulos bolivianos (último no Clausura 2019). Quinto colocado na última temporada

Histórico sul-americano: 20 participações na Libertadores. Melhores campanhas: semifinais em 1981, quartas de final em 2017, oitavas de final em 1999 e em 2020. Quatro participações na Sul-Americana. Nunca venceu um jogo (Três derrotas e cinco empates). Quatro eliminações na fase que entrou. Uma participação na Copa Conmebol, em 1998, quando chegou às quartas de final

Desempenho na temporada 2021: seis jogos, com três vitórias (duas pela fase prévia da Sul-Americana) e três derrotas. Nove gols marcados e 11 sofridos.

Artilheiros: Osório (4 gols), Villarroel (2 gols), Meleán (1 gol), Serginho (1 gol) e Chávez (1 gol)