Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Ceará tem 15 casos confirmados da variante Delta do coronavírus

A variante foi identificada em passageiros vindos, além do Rio de Janeiro, de Recife, de São Paulo e do México
13:48 | Ago. 06, 2021
Autor - Gabriela Custódio
Foto do autor
- Gabriela Custódio Repórter Editoria de Cidades
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

O Ceará soma, atualmente, 15 pacientes com Covid-19 infectados com a variante Delta do Sars-Cov-2. O número foi informado pelo governador Camilo Santana (PT) e pelo secretário da Saúde do Estado, Carlos Roberto Martins Rodrigues Sobrinho, o Cabeto, no início desta sexta-feira, 6. Em transmissão ao vivo por meio das redes sociais, eles afirmaram que a identificação da variante no Estado levou o Comitê Estadual de Enfrentamento à Pandemia a não alterar o decreto estadual, interrompendo a reabertura.

A variante Delta já foi identificada em passageiros vindos de Recife, de São Paulo e do México, além do Rio de Janeiro. Na última terça-feira, 3, havia confirmação de seis casos da variante Delta no Estado. Naquele dia, foi divulgada a detecção de dois cearenses que vieram do Rio de Janeiro infectados com a nova variante. Os outros quatro casos haviam sido comunicados no dia 29 de julho.

Até a noite da última quarta-feira, 4, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) no Ceará já tinha recebido ao menos 40 amostras de pacientes com Covid-19 que podem ter sido infectados pela variante Delta da doença.

Para ter mais controle da entrada de pessoas vindas de outras unidades federativas, o Estado vai ingressar com ação judicial para que passageiros que venham ao Ceará apresentem, antes do embarque no local de origem, comprovação de testagem negativa para a Covid-19 ou de imunização com duas doses da vacina contra a doença.

O governador destacou a importância de a população respeitar as medidas sanitárias, utilizarem máscara de proteção e evitar aglomerações. "A pandemia não acabou. Estamos apenas com pouco mais de 20% da população cearense vacinada com as duas doses, e para enfrentar essa variante é preciso estar vacinado com as duas doses", pontuou.

Na transmissão, Cabeto apontou a melhoria nos dados epidemiológicos e assistenciais referentes à pandemia no Ceará, mas destacou que a detecção da variante Delta exige cautela. "A documentação dessas variantes nos faz reforçar medidas de protocolos que já existem, para funcionamento das unidades, e medidas de proteção individual, como uso de máscara." A fiscalização do descumprimento das medidas sanitárias também será reforçada.

A decisão por não avançar na reabertura das atividades econômicas e comportamentais ocorreu, segundo Camilo Santana, pela necessidade de se observar, nas próximas semanas, o comportamento da pandemia após a chegada da variante Delta.

"Nossa preocupação agora é reforçar a testagem em aeroportos e rodoviárias, reforçar esse monitoramento, para compreender as manifestações em relação a essa variante aqui no Estado do Ceará", afirmou.

Testagem no Aeroporto de Fortaleza

Desde julho, após a confirmação do primeiro caso da variante Delta no Brasil, passageiros que desembarcam em Fortaleza provenientes do exterior ou dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro são submetidos a testes rápidos e exames de RT-PCR logo após a aterrissagem das aeronaves. Os exames são aplicados de forma aleatória em 20% dos viajantes.

O secretário da Saúde pontuou a necessidade de que os passageiros se disponham a realizar a testagem para detecção da Covid-19. "É muito importante que a gente se proponha ao exame, inclusive além daqueles que forem sorteados, já que existe a necessidade de ampliarmos a testagem para que possamos proteger a população cearense", afirmou Cabeto.

Quando o resultado é positivo para Covid-19, além da recomendação de isolamento social, as amostras são encaminhadas para a Fiocruz-CE, que realiza o sequenciamento dos genomas para identificar a linhagem do vírus.

Colaborou Luciano Cesário

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Covid-19: Fiocruz e governo do Ceará fazem acordo para produzir vacina

Saúde
18:04 | Ago. 06, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) informou nesta sexta-feira (6) que assinou acordo de cooperação com o governo do cearense e a Universidade C (Uece) para o desenvolvimento e produção da vacina HH-120-Defenser contra a covid-19.

O projeto começou a ser desenvolvido no Laboratório de Biotecnologia e Biologia Molecular (LBBM) da Uece em abril de 2020. A cooperação "visa a realizar ajustes solicitados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) na fase de testes em animais, revendo e ampliando resultados", diz a Fiocruz.

Com a conclusão dessa etapa, os pesquisadores poderão enviar a documentação à Anvisa e solicitar autorização para testes em humanos.

O acordo foi assinado nesta quinta-feira (5) pela presidente da Fiocruz, Nísia Trindade Lima, e pelo governador do Ceará, Camilo Santana. Uma comitiva do governo do Ceará e da Uece fez uma visita oficial à Fiocruz e conheceu as instalações do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos), onde é produzida a vacina a Oxford/AstraZeneca contra covid-19.

Em matéria publicada no site da Universidade Estadual do Ceará em 14 de maio, a coordenadora do LBBM/Uece, professora Izabel Florindo Guedes, explica que o estudo teve como ponto de partida o conhecimento já existente sobre o coronavírus aviário atenuado, que é semelhante ao SARS-CoV-2 mas não tem potencial para infectar humanos.

“É um vírus não infectante para humanos, mas induz a uma resposta de proteção. Faz com que as pessoas desenvolvam anticorpos, neutralizando o SARS-CoV-2, que é um vírus sobre o qual ainda estamos aprendendo”, diz a imunologista no texto divulgado pela universidade.
 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Jorge Macedo, executivo do Ceará, descarta novas contratações para a lateral direita

ALVINEGRO
17:58 | Ago. 06, 2021
Autor Mateus Moura
Foto do autor
Mateus Moura Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

Nesta sexta-feira, 6, o executivo de futebol do Ceará, Jorge Macedo, participou de uma entrevista coletiva em Carlos de Alencar Pinto. O diretor descartou novas contratações para o setor da lateral direita, disse estar analisando a necessidade de um novo centroavante e comentou sobre a situação do colombiano Yony González.

No início da temporada, o Ceará perdeu o lateral-direito Samuel Xavier, uma das referências do clube nos últimos anos, que se transferiu para o Fluminense, e também o Eduardo, negociado com o América-MG. Diante das perdas, o Vovô precisou se movimentar no mercado e trazer um substituto. O escolhido foi Gabriel Dias. Apesar do bom início, o jogador não conseguiu manter a regularidade, foi suspenso pela briga na final da Copa do Nordeste diante do Bahia e sofreu com lesões recentes. Com a ausência de Gabriel, o jovem Buiú foi quem assumiu a titularidade do setor. Segundo o executivo, não faz parte dos planos contratar outro atleta para a posição.

" Nós fizemos a contratação no início da temporada do Gabriel Dias, que acabou tendo uma lesão, que o atrapalhou nos últimos jogos. Essa lesão já vinha de algum tempo, mas pela carga muito grande de partidas ele acabou não conseguindo ter sequência. Nós já tínhamos preparado a reposição com o Buiú, um atleta formado na base do Ceará. Desde o início tínhamos confiança nele, sabíamos que ele poderia dar conta do recado, e ele está tendo boas atuações. Temos também um menino na base, que gostamos muito, que é o Natan. Neste momento não vemos como possibilidade trazer outro jogador."

Além do Cléber, o Vovô conta com outros dois centroavantes no elenco: Jael, que teve metade da sua pena convertida em doações pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e estará disponível para o duelo contra o Corinthians, pela 16ª rodada, e o recém-contratado Airton, ponta de origem mas que afirmou poder desempenhar a função. O diretor disse estar analisando o desempenho dos jogadores para avaliar se será necessário novas contratações para o setor.

"A saída do Saulo nós suprimos com a vinda do Erick e do Airton. O Airton pode jogar nesta função, centralizado. Temos o retorno do Jael, conseguimos tirar a pena dele. Com o Jael, Cléber, o Airton e temos também o Cristiano, que voltou de empréstimo e está jogando no sub-23. Estamos analisando essa posição, o desempenho, para ver se vamos necessitar de algum jogador ou não. Vamos esperar as próximas rodadas para fazer essa análise."

Anunciado como uma das principais contratações para a temporada, Yony González chegou sob muita expectativa do clube e dos torcedores. O colombiano, no entanto, não conseguiu se firmar no time titular. Em diversos jogos, inclusive, não figurou nem entre os jogadores do banco de reservas. Jorge Macedo associou o baixo desempenho do atleta à falta de sequência de partidas desde sua saída do Fluminense, no fim de 2019.

"O Yony teve um período de muito tempo sem jogar. Ele não joga praticamente desde a época do Fluminense. Ele chegou (no Ceará) um pouco fora de ritmo. Com muitas competições aqui, ele acabou não conseguindo ter essa evolução física e técnica. Nós estamos trabalhando em cima dele. Hoje, eu acho que ele se encontra em uma condição muito melhor do que chegou nessa parte física e técnica. Ele vem evoluindo. Claro que esperávamos que ele desse uma resposta mais rápida, mas é complicado um jogador que fica muito tempo sem jogar. Acho que isso atrapalhou muito o Yony, ele não conseguiu ter uma pré-temporada."

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Variante Delta desafia países que tiveram êxito no início da pandemia

INTERNACIONAL
17:53 | Ago. 06, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A rapidez com que a variante Delta do novo coronavírus se dissemina tem colocado à prova o eficaz sistema de barreiras não farmacológicas em países do Leste Asiático e da Oceania contra a covid-19. Mais transmissível, a cepa driblou as barreiras sanitárias impostas na China, na Austrália e no Vietnã, exemplos do combate à doença antes da chegada das vacinas.

O caso mais recente é o australiano. Nesta quinta-feira, 5, Sydney, Melbourne e Brisbane adotaram lockdown para conter o avanço da Delta. O país passou relativamente incólume aos primeiros 18 meses da pandemia, graças a um sistema bem-sucedido de monitoramento de casos e testagem em massa.

Desde o começo de agosto, o Exército patrulha as ruas de Sydney para monitorar o confinamento, enquanto a terceira maior cidade do país, Brisbane, reforça o lockdown.

Com milhares de pessoas obrigadas a cumprir uma quarentena de 14 dias por terem tido contato com alguém com a covid-19, a polícia disse não dispor de pessoal suficiente para fazer cumprir o confinamento. O Exército está ajudando a polícia a distribuir cestas básicas, a fazer "atendimento de porta em porta" e verificar se o isolamento individual está sendo cumprido.

Na China, um dos poucos países que pareciam confiantes na vitória contra o novo coronavírus, a rápida disseminação da variante Delta levou o governo de várias cidades a impor novos lockdowns e os testes estão sendo feitos aos montes. Desde o dia 21 de julho, quando a variante começou a se espalhar pelo país, o número de novos casos de covid-19 subiu para 483, mais do que a soma dos cinco primeiros meses do ano. A nova variante já está presente em 15 das 31 províncias chinesas.

"Ainda existe uma baixa taxa de vacinação nesses países, também porque começaram tardiamente. Aí você tem uma população que não está vacinada, que tem resistência à vacina e uma variante que é mais contagiosa. Isso somado leva a problemas para os países asiáticos", explica o coordenador do Núcleo de Estudos e Negócios Asiáticos da ESPM, Alexandre Uehara.

O país de 1,4 bilhão de habitantes havia erradicado os casos de covid tão rápido que foi um dos primeiros a retirar as restrições no ano passado. As pessoas já andavam sem máscaras nas ruas e participavam, inclusive, de 'pool parties' (festas na piscina). Agora, as comunidades voltam a ter restrições e milhares de pessoas são testadas. O maior desafio está no fato de que a nova variante se espalha mais rápido e de forma assintomática.

O governo chinês orienta as pessoas a não viajarem pelo país e anunciou restrições a seus cidadãos que viajarem para o exterior. Para controlar o surgimento de novos casos, os serviços de imigração deixarão de expedir, temporariamente, passaportes.

Para Uehara, as medidas restritivas são a única saída dos países asiáticos neste momento, mas é preciso avançar na vacinação. "Em muitos países asiáticos, a população tem receio de tomar a vacina e isso é uma dificuldade. Os governos precisam ampliar as campanhas para ganhar confiança e aumentar a vacinação."

Vacinas

 

É o caso da Austrália e do Vietnã. Com um ritmo de vacinação lento, apenas cerca de 15% dos 25 milhões de habitantes da Austrália estão completamente imunizados, as autoridades acreditam que os confinamentos ajudarão a reduzir a propagação do vírus. Mas impor novas restrições deixa a população cada dia mais impaciente.

O Vietnã também se preocupa com a variante Delta e viu um aumento diário de novos casos da covid de quase 61%. A economia vietnamita foi uma das poucas que cresceu no ano passado justamente pela eficiência em conter a primeira onda da pandemia.

Mas o país do sudeste asiático demora a vacinar a população, com apenas 4,5 milhões de doses administradas até agora e a Organização Mundial da Saúde (OMS) advertiu que a variante pode desencadear mais surtos justamente em áreas onde as taxas de vacinação são baixas.

Desde o final de julho, o governo do Vietnã determinou o confinamento dos 8 milhões de habitantes de Hanói, capital do país, sendo que quase um terço dos 100 milhões de habitantes do país já estavam confinados, para tentar conter a doença.

"Não está muito claro o porque exatamente os países asiáticos tiveram menos casos até agora, fato que levou muitas nações a dar pouca ênfase à vacinação. Agora, enquanto vários países ocidentais têm boa parte da população vacinada, o que permite que mesmo com o contágio, os casos sejam menos graves, na Ásia, isso pode fazer com que os casos aumentem significativamente, e casos mais graves podem começar a aparecer", diz Uehara. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Amazon adia retorno presencial de funcionários para janeiro

INTERNACIONAL
17:37 | Ago. 06, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Na esteira das incertezas sobre a covid-19, a Amazon adiou o retorno do trabalho presencial aos escritórios para, pelo menos, 3 de janeiro de 2022, primeiro dia útil do próximo ano. A gigante do varejo online havia planejado a retomada do trabalho regular para o início de setembro. A decisão afeta os trabalhadores de escritório tanto nos Estados Unidos quanto em outros países.
"Continuaremos a seguir as orientações do governo local e a trabalhar em estreita colaboração com os principais profissionais de saúde, reunindo seus conselhos e recomendações à medida que avançamos para garantir que nossos espaços de trabalho sejam otimizados para a segurança de nossas equipes", disse a Amazon.
O Wells Fargo, que tem sede em São Francisco, disse na quinta-feira, 5, que iria adiar seu retorno escalonado ao escritório para 4 de outubro, citando casos crescentes de covid-19 nos Estados Unidos.
A orientação não afeta os funcionários que já trabalham presencialmente.
Enquanto isso, a Microsoft também anunciou esta semana que postergou a reabertura completa de seus escritórios até pelo menos 4 de outubro. A empresa havia dito anteriormente que poderia reabrir os prédios no próximo mês.
A companhia também disse que exigirá comprovação de vacinação para todos os funcionários, fornecedores e quaisquer convidados que ocupem as instalações.
Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Governo do Rio suspende aulas estaduais presenciais em 36 municípios

Educação
17:24 | Ago. 06, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O governo do Rio de Janeiro determinou, por uma semana, a suspensão de aulas presenciais em 36 municípios, incluindo a capital. O motivo foi o avanço da covid-19 nessas localidades. A determinação foi publicada nesta sexta-feira (6) e vale para toda a próxima semana.

Os 36 municípios onde estão suspensas as aulas presenciais são os seguintes: Aperibé, Belford Roxo, Bom Jesus de Itabapoana, Cambuci, Carapebus, Cardoso Moreira, Cordeiro, Duas Barras, Duque de Caxias, Iguaba Grande, Italva, Itaocara, Itaperuna, Japeri, Laje do Muriaé, Mesquita, Miracema, Natividade, Nilópolis, Nova Iguaçu, Porciúncula, Queimados, Rio das Flores, Rio de Janeiro, Santo Antônio de Pádua, São Francisco de Itabapoana, São João da Barra, São João de Meriti, São José de Ubá, São Pedro da Aldeia, São Sebastião do Alto, Seropédica, Silva Jardim, Teresópolis, Trajano de Moraes e Varre-Sai.

Nos demais 56 municípios, foi autorizado esquema de ensino híbrido, incluindo aulas presenciais e remotas. Nesses casos, segundo a Secretaria de Estado de Educação (Seeduc), as unidades escolares poderão oferecer atividades pedagógicas presenciais, obedecendo protocolos e orientações complementares já estipulados. Caberá aos responsáveis, ou alunos maiores de idade desses municípios, a opção pelo retorno presencial ou a permanência somente no ensino remoto.

Estão autorizados a oferecer aulas no modelo híbrido os seguintes municípios: Angra dos Reis, Araruama, Areal, Armação de Búzios, Arraial do Cabo, Barra do Piraí, Barra Mansa, Bom Jardim, Cabo Frio, Cachoeiras de Macacu, Campos dos Goytacazes, Cantagalo, Carmo, Casimiro de Abreu, Comendador Levy Gasparian, Conceição de Macabu, Engenheiro Paulo de Frontin, Guapimirim, Itaboraí, Itaguaí, Itatiaia, Macaé, Macuco, Magé, Mangaratiba, Maricá, Mendes, Miguel Pereira, Niterói, Nova Friburgo, Paracambi, Paraíba do Sul, Paraty, Paty do Alferes, Petrópolis, Pinheiral, Piraí, Porto Real, Quatis, Quissamã, Resende, Rio Bonito ,Rio Claro, Rio das Ostras, Santa Maria Madalena, São Fidélis, São Gonçalo, São José do Vale do Rio Preto, Sapucaia, Saquarema, Sumidouro, Tanguá, Três Rios, Valença, Vassouras e Volta Redonda.

Capital

Na capital, a Secretaria Municipal de Educação informou que vai manter as aulas presenciais, iniciadas nesta semana. Em nota, a secretaria afirma que segue as determinações sanitárias da Secretaria Municipal de Saúde e do Comitê de Enfrentamento à Covid-19.

“As aulas presenciais estão mantidas nas escolas municipais da capital. A rede municipal de educação do Rio possui um rigoroso protocolo sanitário, validado pelo Comitê de Enfrentamento à Covid-19, que é aplicado em todas as unidades escolares”, diz o texto,

Texto ampliado às 17h15

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags