PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

População está apreensiva sobre volta pra casa de ônibus neste dia de ataques em Fortaleza

Veículo da base móvel da Polícia Militar está estacionado dentro do Terminal do Antônio Bezerra

12:05 | 24/09/2019
Com frota reduzida, passageiros relatam demora na chegada de ônibus no terminal
Com frota reduzida, passageiros relatam demora na chegada de ônibus no terminal(Foto: Walber Freitas/O POVO)

Com ataques orquestrados por organizações criminosas voltando a acontecer no Ceará, a frota de ônibus de Fortaleza foi reduzida em 30%. O anúncio feito pelo Sindiônibus na noite dessa segunda-feira, 23, preocupou os cidadãos que precisavam se deslocar pela Capital e Região Metropolitana. Na manhã desta terça-feira, 24, o Terminal do Antônio Bezerra funcionou com movimento tranquilo, mas com passageiros apreensivos sobre o deslocamento durante o dia.

Leia também: Como está a circulação de ônibus em Fortaleza durante a onda de ataques

“Eu estou indo para a faculdade apreensivo, não sei se vai ter como voltar para casa. Saí de casa com medo”, disse o estudante universitário Marcelo Augusto, 19. Ele relatou que a volta para o bairro em que mora ontem foi conturbada, com esperas de mais de 40 minutos pelos coletivos. Nesta manhã, a demora se repetiu.

Além da frota reduzida, o terminal visitado pelo O POVO Online contava com uma base móvel da Polícia Militar. Na noite de segunda, agentes de segurança chegaram a acompanhar a viagem dentro dos coletivos que iam para áreas onde foram registrados ataques a ônibus.

Políciais pastoram fluxo de veículos e passageiros no terminal do Antônio Bezerra
Políciais pastoram fluxo de veículos e passageiros no terminal do Antônio Bezerra (Foto: Walber Freitas / OPOVO)

Um passageiro da linha 212 - Jardim Guanabara/Nova Assunção I que não quis se identificar informou que tanto a volta para a casa ontem quanto a ida ao terminal hoje foram mais complicadas que o normal. Ele afirmou estar apreensivo em relação ao resto do dia.

O Sindiônibus deve divulgar em breve nota sobre a circulação dos veículos.

A onda de ataques já soma mais de 20 ações criminosas na Região Metropolitana e no interior do Estado desde sexta-feira, 21. Até a noite de ontem, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), sete pessoas tinham sido capturadas suspeitas de envolvimento nos incêndios. Nesta terça, mais três pessoas foram detidas.

*Com informações dos repórteres Walber Freitas/O POVO e Leonardo Maia/Especial para O POVO