Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Morre 1ª pessoa com variante Delta do coronavírus no Ceará; ele não se vacinou

Paciente era um homem de 45 anos com obesidade e residente da Capital. Ele estava internado desde o dia 6 de agosto
17:21 | Ago. 31, 2021
Autor O Povo
Foto do autor
O Povo Jornal
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Ceará confirmou a primeira morte de paciente infectado com a variante Delta. Paciente não tinha tomado a vacina contra a Covid-19. O homem de 45 anos estava internado em hospital particular em Fortaleza, tinha obesidade e não se vacinou. Era residente da Capital.

O paciente estava hospitalizado desde o dia 6 de agosto e faleceu no último domingo, 29. Estado tem 96 casos identificados da variante Delta. Desse total, apenas 28 (29%) foram vacinados com pelo menos uma dose e 16 completaram o esquema vacinal contra a Covid-19. Alguns pacientes precisaram de internação, conforme a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa). 

Os primeiro quatro casos da variante originalmente identificada na Índia foram confirmados no dia 29 de julho.  O primeiro registro de infecção dessa cepa por transmissão comunitária foi registrado em 11 de agosto. 

Perfil dos casos 

Do total de casos, 25 foram identificados por meio do Centro de Testagem Covid-19 para Viajantes, instalado no Aeroporto de Fortaleza – Pinto Martins. Dos casos importados, o Rio de Janeiro é o estado de procedência com maior incidência, com cerca de 50% das amostras.

Os outros 71 foram confirmados pela Vigilância estadual ou por amostras encaminhadas à Rede Genômica da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Ceará por unidades de saúde ou municípios.

No rastreamento, 26 pacientes identificados com a variante Delta relataram não ter histórico recente de viagens ou contato com viajantes, confirmando a transmissão comunitária da variante Delta no Estado. 

Dos pacientes confirmados com a variante, 51 são mulheres e 45, homens. Há predominância na faixa etária de 20 a 39 anos. Todos são rastreados e monitorados pela Vigilância Epidemiológica, informou a pasta. 

Pacientes confirmados no Estado residem em 24 municípios cearenses, além de outros estados da federação: Brasília (DF), Maricá (RJ), Nova Friburgo (RJ), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP).

Municípios com casos confirmados da variante Delta:

  1. Aquiraz
  2. Beberibe
  3. Cascavel
  4. Caucaia
  5. Choró
  6. Crateús
  7. Eusébio
  8. Fortaleza
  9. Hidrolândia
  10. Icó
  11. Ipaporanga
  12. Ipueiras
  13. Irauçuba
  14. Itapipoca
  15. Jaguaretama
  16. Maracanaú
  17. Monsenhor Tabosa
  18. Nova Russas
  19. Paraipaba
  20. Poranga
  21. Quixeramobim
  22. São Gonçalo do Amarante
  23. Sobral
  24. Tauá

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Governo foca em programas de emprego

ECONOMIA
17:08 | Ago. 31, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia
O governo tenta garantir que o texto da medida provisória com um pacotão trabalhista seja votado no Senado, mesmo que haja mudanças. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, "jabutis" (matérias estranhas ao texto) como mudanças em horas extras de categorias profissionais como professores e advogados devem ser excluídos. Aliados do governo tentam manter os programas de incentivo à geração de novas vagas, mas o relator, senador Confúcio Moura (MDB-RO), disse que vai "sentir a temperatura no plenário".
A apresentação do parecer está programada para amanhã, mas a votação pode se estender até quinta-feira. Segundo o relator, a estratégia será buscar mudanças apenas de redação no texto, sem alterações de mérito, para evitar a necessidade de nova votação na Câmara dos Deputados - o que poderia resultar na perda de validade da MP, cujo prazo se encerra em 7 de setembro.
Aliados do governo dão como certa a remoção dos dispositivos que alteram a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT), como a mudança nas horas extras, mas ainda trabalham para manter de pé os três programas de incentivo ao emprego: o Priore, que prevê desonerar a contratação de jovens de 18 a 29 anos e pessoas com mais de 55 anos; o Requip, que concede bolsas de qualificação para os profissionais mais jovens ou aqueles que estão há muito tempo fora do mercado de trabalho; e o serviço social voluntário, pelo qual prefeituras teriam flexibilidade para absorver mão de obra jovem ou com mais de 50 anos.
O senador Paulo Paim (PT-RS) apresentou uma questão de ordem para tentar impugnar, ou seja, excluir sumariamente dez dispositivos do projeto que foi aprovado pela Câmara dos Deputados, por não terem relação com a proposta original de reinstituir o programa de redução de jornada e salário e de suspensão de contrato de trabalho durante a pandemia de covid-19. Entre os itens questionados, estão as mudanças na CLT e os programas apresentados pelo governo.
'Mais leve'
O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), deve responder à questão de ordem dizendo se excluirá os dispositivos. As mudanças na CLT devem cair, segundo admitem aliados do governo, mas ainda se busca manter os programas. Em reunião com Pacheco na manhã de ontem, o ministro da Economia, Paulo Guedes, reforçou a importância da matéria.
Confúcio Moura disse ao Estadão/Broadcast que, se Pacheco aceitar a questão de ordem (mesmo que parcialmente), o texto ficará "mais leve". Hoje, ele tem 84 páginas. Além disso, ele ressaltou que, dos três programas, o mais polêmico é o Requip, feito "por fora da CLT". O senador afirma que há forte resistência da oposição. Na semana passada, o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, estimou um potencial de até 3 milhões de contratações com os três programas, mas as centrais sindicais apelidaram o texto de "MP da escravidão".
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Pacotão aprovado na Câmara fere Constituição, avalia MP do Trabalho

ECONOMIA
17:08 | Ago. 31, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia
A uma semana do fim do prazo para a votação do pacotão trabalhista que permite a contratação de pessoas sem vínculo formal e a redução de horas extras, o novo procurador-geral do Ministério Público do Trabalho (MPT), José de Lima Ramos Pereira, pede aos senadores que deixem o texto perder a validade.
Em entrevista ao Estadão/Broadcast, ele diz que o texto aprovado na Câmara é inconstitucional e, caso também seja chancelado no Senado, fatalmente acabará sendo alvo de ações na Justiça. A data final para votação é 7 de setembro.
Originalmente, a Medida Provisória 1.045 foi publicada para permitir a reabertura de adesões ao Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm), de suspensão e redução de jornada e salários durante a pandemia. Durante a tramitação no Congresso, no entanto, a medida saltou de 23 para mais de 90 artigos. O governo acabou pegando carona no programa emergencial para propor a criação de três novas modalidades de contratação que, na avaliação do MPT, precarizam as relações trabalhistas.
Uma delas, batizada de Priore, prevê a contratação de trabalhadores de 18 a 29 anos ou com mais de 55 anos mediante encargos salariais menores, incluindo pagamento de FGTS e contribuição à Previdência. Outra, nomeada de Requip, permite o pagamento de bolsas de inclusão e de qualificação para profissionais de 18 a 29 anos ou de baixa renda, mas sem vínculo ou direitos trabalhistas à exceção do vale-transporte. Uma terceira iniciativa institui o chamado "serviço social voluntário", por meio do qual prefeituras poderiam contratar trabalhadores de 18 a 29 anos ou com mais de 50 anos. Como incentivo, a União pagaria uma espécie de bolsa, de até R$ 125 mensais.
Sem debate. "Todos os três programas têm várias inconstitucionalidades. Ao tentar criá-los por meio de uma MP - com prazo limitado para discussão -, o governo encurta o processo e não deixa o debate acontecer nas duas Casas do Parlamento", diz o procurador-geral. "O processo legislativo foi esquecido e o Priore, o Requipe e o programa voluntário estão sendo criados sem passar por audiências públicas, sem que empregadores, trabalhadores e governo sejam ouvidos, como determina a Organização Internacional do Trabalho (OIT)."
Ele lembra que o objetivo original da MP - de reabrir o BEm por quatro meses - já foi cumprido, tanto que o governo nem mesmo cogitou ampliar novamente o prazo para as adesões. Ou seja, caso o texto seja votado, os senadores estariam avaliando na prática apenas as matérias que não têm relação com o escopo original da medida - os chamados "jabutis", no jargão do Congresso.
Lima lista ainda outros problemas do texto, como a redução do valor da hora extra para categorias com jornada inferior a 8 horas de trabalho por dia, como bancários, telefonistas, advogados, jornalistas e aeroviários. Pela proposta, o valor do adicional sobre a hora trabalhada cairia de 50% para 20%. "A proposta ainda aumenta a jornada de trabalho no subsolo, para mineiros, para até 12 horas. É uma crueldade, é desumano", diz o chefe do MPT.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

EUA têm queda de 10,5% na média diária de casos de covid; óbitos ainda sobem

INTERNACIONAL
15:38 | Ago. 31, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia
Os Estados Unidos registraram queda de 10,5%, a 129.418, na média diária de casos de covid-19 nos últimos sete dias em relação a igual período anterior, segundo informou nesta terça-feira, 31, a diretora do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), Rochelle Walensky, durante coletiva de imprensa.
A média diária de mortes pela doença, porém, segue em alta e subiu 2,3%, a 896, segundo a mesma base de comparação. Já a admissão de pacientes que contraíram o coronavírus recuou 4,8% no período, a 11.533, disse Walensky.
Segundo o coordenador da força-tarefa da Casa Branca no combate à pandemia, os EUA vacinam em média cerca de 900 mil americanos por dia no momento, número que representa aumento de 80% em relação à média de doses aplicadas diariamente em meados de julho, que era de cerca de 500 mil.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

CPI aprova nova convocação de motoboy que fez saques para VTCLog

Política
14:57 | Ago. 31, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Em uma rara reunião sem depoimentos, senadores da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia do Senado aprovaram nesta terça-feira (31) uma nova convocação do motobooy Ivanildo Gonçalves. Considerado peça-chave na investigação pela cúpula da comissão, o depoimento dele, que estava marcado para hoje, foi cancelado depois que um habeas corpus, concedido pelo ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal, desobrigou o motoboy o de comparecer à CPI.

Os senadores querem esclarecer, por exemplo, informações obtidas junto ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que identificou uma movimentação atípica da empresa de logística VTCLog no valor de R$ 117 milhões nos últimos dois anos. Desse total, o motoboy teria sido responsável por movimentar R$ 4,7 milhões a serviço da empresa.

Para reforçar a importância da ida do motoboy ao Senado, o relator e o vice-presidente do colegiado, Renan Calheiros (MDB-AL) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), respectivamente, exibiram hoje aos integrantes da comissão imagens que, segundo eles, indicam que o motoboy fez o pagamento de pelo menos quatro boletos que teriam beneficiado o ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias. Demitido do ministério em 29 de junho, após suspeitas de ter cobrado propina pela aquisição de vacina pela Covid-19, Dias negou todas as acusações em depoimento à comissão.
 
Nas imagens exibidas hoje Gonçalves aparece entrando em uma agência do Bradesco, segundo a CPI, nos mesmos horários, dias e locais que constam em extratos de quitação das contas. “São imagens reveladas pelo sistema de bancos que comprovam que no dia e na hora em que os boletos do Roberto Ferreira Dias estavam sendo pagos pela VTCLog, através do Ivanildo, o que comprova verdadeiramente o conluio existente no bastidor do Ministério da Saúde no enfrentamento à pandemia”, ressaltou Renan Calheiros. O Coaf, no entanto, diz que não é possível identificar o destinatário final das operações realizadas pelo motoboy.

Ao criticar a decisão de Nunes Marques sobre Ivanildo Gonçalves da Silva, Renan Calheiros classificou a medida como “um retrocesso” em relação à jurisprudência adotada pelo STF. Renan afirmou ainda que vai entrar em contato com o secretário da Receita Federal, já que vários requerimentos aprovados na comissão ainda não foram respondidos. “Nós estamos planejando os encerramentos dos trabalhos da CPI para o dia 21 ou 22 [de setembro]. Não podemos permitir que essas respostas só cheguem daqui a 15 ou 20 dias”, cobrou.

Outros requerimentos

Além da reconvocação de Ivanildo Gonçalves, os senadores aprovaram pedidos de quebras de sigilos telefônicos, fiscal, bancário e telemático de nomes ligados à VTCLog. Também foi aprovado requerimento para ouvir a advogada da família Bolsonaro Karina Kufa. Senadores apontam que ela organizou um jantar em sua residência, em que o lobista Marconny Faria foi apresentado a José Ricardo Santana, ex-secretário executivo da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Parlamentares apontam que os dois teriam atuado como lobistas da Precisa Medicamentos. A empresa intermediou a compra de 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin pelo Ministério da Saúde ao custo de R$1,6 bilhão. Diante de denúncias de irregularidades envolvendo a operação trazidas pela CPI, o contrato foi cancelado pelo Ministério da Saúde antes de o pagamento ser feito.

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), criticou a convocação de Karina Kufa. “Não façam prejulgamentos. Vossa Excelência quer destruir biografias de profissionais do direito. Vossa Excelência não tem o direito de atacar profissionais do direito da forma que está fazendo.” 
 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Rio adia para 15 de setembro exigência de vacinação em locais fechados

Saúde
14:44 | Ago. 31, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Prefeitura do Rio de Janeiro decidiu adiar de 1° para 15 de setembro o início da exigência de comprovação vacinal contra covid-19 para acessar estabelecimentos como cinemas, clubes, academias e pontos turísticos. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o motivo da decisão foi a instabilidade no aplicativo ConecteSUS, no qual os cidadãos podem gerar o comprovante de vacinação de forma digital.

"Nesse período, entre os dias 1º e 14 de setembro, será realizada uma série de ações educativas com o setor regulado e essa cobrança pode ser iniciada por cada setor que já se sinta preparado e queira estimular a vacinação", disse o comunicado da prefeitura.

No último dia 27, a Prefeitura do Rio de Janeiro publicou decretos que previam a exigência de certificado de vacinação contra covid-19 a partir de 1° de setembro. Além do acesso a locais de lazer, a prefeitura também definiu que seria necessário comprovar a vacinação contra covid-19 para receber recursos do Cartão Família Carioca e realizar cirurgias eletivas nas redes pública e privada. Procurada pela Agência Brasil, a Secretaria Municipal de Saúde esclareceu que o adiamento da exigência também vale para esses dois casos.

Entre os locais fechados que deverão exigir o cartão de vacinação, estão academias de ginástica, piscinas, centros de treinamento, clubes, estádios, vilas olímpicas, cinemas, teatros, circos, salas de concerto, pistas de patinação, pontos turísticos e feiras comerciais.

Segundo os decretos, a comprovação da vacinação poderá ser feita tanto com o aplicativo ConecteSUS quanto com o próprio cartão de vacinação físico, e deverá mostrar que a pessoa tomou todas as doses já disponíveis para sua faixa etária.

Ao defender a exigência de vacinação, o secretário municipal de saúde, Daniel Soranz, disse na última sexta-feira que havia 30 mil idosos que não tomaram nenhuma dose de vacinas contra covid-19, e 180 mil pessoas que atrasaram a segunda dose. 

Entre os moradores do Rio com 18 a 39 anos, passa de 200 mil o número de pessoas que não tomaram a primeira dose ou a dose única das vacinas, segundo dados consultados hoje no Painel Rio Covid-19, da Secretaria Municipal de Saúde.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags