PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

DJ Ivis preferiu se manter em silêncio em depoimento após prisão

DJ Ivis Araújo, 30, é investigado por lesão corporal no âmbito da violência doméstica e familiar após aparecer agredindo ex-esposa em vídeos

Lais Oliveira
11:35 | 15/07/2021
DJ Ivis chegou à delegacia no início da noite desta quarta, 14 (Foto: Bárbara Moira)
DJ Ivis chegou à delegacia no início da noite desta quarta, 14 (Foto: Bárbara Moira)

Preso após aparecer agredindo a ex-esposa em vídeos, o DJ Ivis Araújo, 30, preferiu se manter em silêncio durante depoimento prestado na Delegacia Metropolitana do Eusébio nessa quarta-feira, 14. A captura ocorreu por força de um mandado de prisão preventiva representado pela Polícia Civil. O músico é investigado por lesão corporal no âmbito da violência doméstica e familiar.

Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira, 15, a Polícia divulgou que, até o momento, nove pessoas foram ouvidas no inquérito. A vítima, Pamella Holanda, deverá ser ouvida novamente na próxima semana.

A defesa de Ivis tenta reverter a prisão preventiva, argumentando que não há "necessidade" para a medida. Segundo o advogado dele, o músico se encontra "bastante abalado emocionalmente" e "com um quadro visivelmente depressivo".

As investigações começaram ainda no dia 3 de julho, quando Pamella registrou a ocorrência. Desde então, a Polícia Civil afirma que solicitou medidas protetivas para ela via Poder Judiciário, concedidas no dia seguinte. Os vídeos que mostram Ivis agredindo a ex-companheira foram divulgados por ela no último domingo, 11. 

Clique na imagem para abrir a galeria

Prisão

Iverson de Souza Araújo, mais conhecido como DJ Ivis, foi preso preventivamente em um condomínio de luxo em Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), no final da tarde de ontem, 14. Escoltado por policiais, ele chegou à Delegacia do Eusébio sem máscara e foi hostilizado pela população. 

Depois de duas horas no local, onde se manteve calado durante o depoimento, o DJ foi levado para a Perícia Forense do Ceará (Pefoce), em Fortaleza, e lá passou por exames periciais. Em seguida, foi encaminhado para o Centro de Triagem e Observação Criminológica, na Delegacia de Capturas, onde permanece até ser encaminhado a uma unidade prisional.

DJ Ivis divide cela com outros presos normalmente e não tem privilégios, segundo seu advogado. 

Violência contra a mulher - o que é e como denunciar?


A violência doméstica e familiar constitui uma das formas de violação dos direitos humanos em todo o mundo. No Brasil, a Lei 11.340, conhecida como Lei Maria da Penha, caracteriza e enquadra na lei cinco tipos de violência contra a mulher: física, psicológica, moral, sexual e patrimonial (com informações da repórter Angélica Feitosa).


Entenda as violências:

Violência física: espancamento, tortura, lesões com objetos cortantes ou perfurantes ou atirar objetos, sacudir ou apertar os braços

Psicológica: ameaças, humilhação, isolamento (proibição de estudar ou falar com amigos)

Sexual: obrigar a mulher a fazer atos sexuais, forçar matrimônio, gravidez ou prostituição, estupro.

Patrimonial: deixar de pagar pensão alimentícia, controlar o dinheiro, estelionato

Moral: críticas mentirosas, expor a vida íntima, rebaixar a mulher por meio de xingamentos sobre sua índole, desvalorizar a vítima pelo seu modo de se vestir


A Lei 13.104/15 enquadrou a Lei do Feminícidio - o assassinato de mulheres apenas pelo fato dela ser uma mulher. O feminicídio é, por muitas vezes, o triste final de um ciclo de violência sofrido por uma mulher - por isso, as violências devem ser denunciadas logo quando ocorrem. A lei considera que há razões de condição de sexo feminino quando o crime envolve violência doméstica e familiar ou menosprezo ou discriminação à condição de mulher.


LEIA MAIS | Veja como denunciar violência doméstica durante a pandemia


Veja como buscar ajuda:


Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180

Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza (DDM-FOR)
Rua Teles de Souza, s/n - Couto Fernandes
Contatos: (85) 3108- 2950 / 3108-2952

Delegacia de Defesa da Mulher de Caucaia (DDM-C)
Rua Porcina Leite, 113 - Parque Soledade
Contato: (85) 3101-7926

Delegacia de Defesa da Mulher de Maracanaú (DDM-M)
Rua Padre José Holanda do Vale, 1961 (Altos) - Piratininga
Contato: 3371-7835

Delegacia de Defesa da Mulher de Pacatuba (DDM-PAC)
Rua Marginal Nordeste, 836 - Jereissati III
Contatos: 3384-5820 / 3384-4203

Delegacia de Defesa da Mulher do Crato (DDM-CR)
Rua Coronel Secundo, 216 - Pimenta
Contato: (88) 3102-1250

Delegacia de Defesa da Mulher de Icó (DDM-ICÓ)
Rua Padre José Alves de Macêdo, 963 - Loteamento José Barreto
Contato: (88) 3561-5551

Delegacia de Defesa da Mulher de Iguatu (DDM-I)
Rua Monsenhor Coelho, s/n - Centro
Contato: (88) 3581-9454

Delegacia de Defesa da Mulher de Juazeiro do Norte (DDM-JN)
Rua Joaquim Mansinho, s/n - Santa Teresa
Contato: (88) 3102-1102

Delegacia de Defesa da Mulher de Sobral (DDM-S)
Av. Lúcia Sabóia, 358 - Centro
Contato: (88) 3677-4282

Delegacia de Defesa da Mulher de Quixadá (DDM-Q)
Rua Jesus Maria José, 2255 - Jardim dos Monólitos
Contato: (88) 3412-8082

 

Casa da Mulher Brasileira

A Casa da Mulher Brasileira é referência no Ceará no apoio e assistência social, psicológica, jurídica e econômica às mulheres em situação de violência. Gerida pelo Estado, o equipamento acolhe e oferece novas perspectivas a mulheres em situação de violência por meio de suporte humanizado, com foco na capacitação profissional e no empoderamento feminino.

Telefones para informações e denúncias:

Recepção: (85) 3108.2992 / 3108.2931 – Plantão 24h
Delegacia de Defesa da Mulher: (85) 3108.2950 – Plantão 24h, sete dias por semana
Centro Estadual de Referência e Apoio à Mulher: (85) 3108.2966 - segunda a quinta, 8h às 17h
Defensoria Pública: (85) 3108.2986 / segunda a sexta, 8h às 17h
Ministério Público: (85) 3108. 2940 / 3108.2941, segunda a sexta , 8h às 16h
Juizado: (85) 3108.2971 – segunda a sexta, 8h às 17h