PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Divulgação das listas do Sisu 2020 antes liberação da Justiça comprova a "desorganização" do processo, diz Defensoria Pública

Na manhã de ontem, 28, participantes do Sisu conseguiram visualizar listas com seus resultados finais mesmo com o impedimento da Justiça

11:27 | 29/01/2020
Já que a liminar determinando a suspensão da divulgação das notas do Sisu 2020 foi revogada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) na última terça-feira, 28, o MEC não deve receber a multa de R$ 10 mil prevista por descumprimento da ação
Já que a liminar determinando a suspensão da divulgação das notas do Sisu 2020 foi revogada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) na última terça-feira, 28, o MEC não deve receber a multa de R$ 10 mil prevista por descumprimento da ação (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Na manhã da última terça-feira, 28, candidatos inscritos no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2020 afirmaram ter conseguido acessar as notas do sistema, ainda quando a liminar que impedia a divulgação da lista de aprovados, por decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), estava em vigor. O Ministério da Educação (MEC) admitiu que listas puderam ser visualizadas, "por alguns minutos", mas negou que fossem o resultado final. A Defensoria Pública da União (DPU) aponta que o episódio comprova a "desorganização" com a qual o processo foi conduzido.

Já que a liminar determinando a suspensão da divulgação das notas do Sisu 2020 foi revogada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) na última terça-feira, 28, o MEC não deve receber a multa de R$ 10 mil prevista por descumprimento da ação. 

Para o defensor público federal João Paulo Dorini, um dos autores da ação, o fato de as listas estarem disponíveis antes da determinação do STJ "comprovam a desorganização com que o processo todo foi conduzido e o despreparo em corrigir eventuais falhas, inevitáveis em um exame dessa magnitude, principalmente quanto à adequada informação aos candidatos e à sociedade e ao respeito às decisões judiciais”.

Com a decisão da Justiça, as listas de aprovados no Sisu foram liberadas e as inscrições do Programa Universidade para Todos (Prouni) tiveram início ainda ontem, 28.