Copa do Mundo Feminina 2023: Conheça as seleções que disputam o torneio

A Copa do Mundo Feminina 2023, que acontece na Austrália e na Nova Zelândia, possui o recorde de seleções disputando o título. Conheça as 32 equipes no torneio

A nona edição da Copa do Mundo Feminina 2023 começa nesta quinta-feira, 20, com a partida entre Nova Zelândia e a Noruega, e se estende até o dia 20 de agosto, com a partida que definirá o time vencedor. Esse ano, o campeonato tem recorde de 32 seleções disputando a taça.

A primeira fase da Copa do Mundo divide as 32 seleções participantes em 8 grupos com 4 participantes em cada um. O Brasil faz sua estreia no dia 24 de julho, próxima segunda-feira, às 8h, contra o Panamá.

Apesar de ser um megaevento do esporte, e com a ascensão do futebol feminino nos últimos anos, o público ainda não está tão familiarizado com o torneio deste ano. A Pesquisa CNN/Itatiaia/Quaest feita entre 29 de março e 2 de abril constatou que 55% dos torcedores não sabiam da realização da competição em 2023; somente 44% sabiam.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Para deixar você por dentro da competição, O POVO traz uma lista das seleções que participam da Copa e algumas curiosidades sobre as equipes.

Copa do Mundo Feminina 2023: Conheça as seleções participantes

Filipinas

Essa é a primeira vez que a seleção filipina participa do torneio. A classificação veio após derrotarem Taiwan nos pênaltis e avançarem para as semifinais da Copa Asiática, no ano passado.

Noruega

A Noruega chega na Copa em busca de se recuperar de uma campanha ruim na Eurocopa. O time tem a maior jogadora de sua história, Hege Riise, como treinadora.

Nova Zelândia

A seleção feminina da Nova Zelândia já disputou cinco vezes a Copa do Mundo, mas nunca passou da fase de grupos. Para essa edição, o time chega em clima de preocupação depois de ter perdido as três últimas partidas antes do torneio.

Suíça

A Suíça vai para sua segunda participação na Copa do Mundo Feminina. A equipe é treinada por Inka Grings, que como atleta foi duas vezes campeã europeia pela seleção da Alemanha.

Austrália

A Austrália disputou todas as edições do torneio desde a segunda. Este ano, jogando em casa, espera avançar além das quartas de finais pela primeira vez.

Canadá

A seleção canadense é a atual campeã olímpica e pretende levar a sensação do ouro olímpico para a Copa do Mundo Feminina 2023.

Irlanda

A Irlanda foi a segunda colocada nas eliminatórias da União das Federações Europeias de Futebol (Uefa), o que ajudou no jogo contra a Escócia. As irlandesas venceram por 1 a 0 e ficaram com a última vaga automática da Copa do Mundo Feminina.

Nigéria

A Nigéria tem um desafio e tanto na fase de grupos. As nigerianas vão enfrentar o Canadá, atual campeão olímpico; a Austrália, umas das anfitriãs do mundial; e a Irlanda. Mas o técnico americano, Randy Waldrum, acredita que o time tem chances de vencer.

Costa Rica

O time costarriquenho disputou seu segundo campeonato mundial. A vaga foi garantida com a quarta colocação no Campeonato Feminino da Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe (Concacaf), disputado no México no ano passado.

Espanha

A Espanha enfrentou diversos problemas técnicos em sua preparação para o mundial. Em setembro do ano passado, 15 jogadoras publicaram um comunicado conjunto em suas contas nas redes sociais anunciando que se retiravam da seleção. Então, o time que jogará na próxima Copa será bem diferente do que estreou em 2015.

Japão

Em 2011, quando a Copa feminina foi disputada na Alemanha, o time japonês foi a primeira seleção adulta asiática (masculina ou feminina) a conquistar o maior troféu de todos.

Zâmbia

As “rainhas do cobre” vivem uma rápida ascensão no futebol feminino africano e contam com uma das atacantes mais promissoras do futebol mundial, Barbra Banda.

China

A China já sediou duas Copa do Mundo Feminina: a primeira edição, em 1991, e a quinta edição, em 2007. O time chinês também foi vice-campeão em 1999.

A China era a sede original da Copa do Mundo em 2003, no entanto, devido à epidemia de SARS, ela foi transferida para os Estados Unidos, que receberam o torneio pela segunda vez consecutiva.

Dinamarca

As jogadoras dinamarquesas estão fora do mundial há 16 anos. E agora conta com Pernille Harder, eleita sete vezes a melhor jogadora da Dinamarca, para levar o time para a segunda fase da Copa pela primeira vez desde 1995.

Haiti

O time feminino do Haiti disputa sua primeira Copa do Mundo Feminina. O país se classificou no torneio de repescagem, em fevereiro deste ano.

Inglaterra

A Inglaterra foi campeã da Eurocopa Feminina 2022, e agora está em busca de seu primeiro título mundial.

Estados Unidos

As estadunidenses são as maiores campeãs da Copa do Mundo Feminina, e venceram metade das oito edições do torneio, em 1991, 1999, 2015 e 2019.

Os Estados Unidos sediaram a Copa em 1999 e 2003.

Holanda

A Holanda é a atual vice-campeã do mundo. E elas vão enfrentar Portugal, Estados Unidos e o Vietnã na edição de 2023 do torneio, para mostrar que estão de volta após serem desclassificadas nas quartas de final da EURO 2022.

Portugal

O time português fará sua primeira participação na Copa do Mundo Feminina 2023. E tem muitos desafios na fase de grupos, quando enfrentarão as atuais campeãs, os Estados Unidos.

Vietnã

O time feminino do Vietnã é mais um dos estreantes na Copa do Mundo Feminina 2023. O grupo garantiu a vaga depois de derrotar o Taipé Chinês por 2 a 1 nos play-offs da Copa da Ásia Feminina.

Brasil

A seleção brasileira feminina não tem nenhum título de copa do mundo. O mais perto que ela chegou foi na final de 2007, quando perdeu de 2 a 0 para a Alemanha. O time do Brasil é destaque na copa de 2023 com recorde de jogadoras LGBTQIAP+. 

Esta edição também marca a despedida da capitã Marta, que deixará a seleção brasileira.

França

A França é comandada por Hervé Renard, que assumiu o cargo de treinador no final de março. O time é liderado pelas experientes Wendie Renard, na defesa, e por Eugénie Le Sommer, maior artilheira da história do país.

Jamaica

A equipe nacional da Jamaica foi dissolvida em 2010 depois de não conseguir a classificação para a Copa do Mundo Feminina de 2003 e para o Torneio Olímpico dos Jogos de Pequim, em 2008.

Em 2014,o time renasceu das cinzas e começou a receber financiamento e a recrutar jogadoras com vistas ao Campeonato Feminino da Concacaf daquele ano, e segue em ascensão desde então.

Panamá

As panamenses são as primeiras adversárias do Brasil. A vaga para o mundial veio depois de vencer a Papua-Nova Guiné e o Paraguai na repescagem. Mesmo assim, o time está confiante na classificação para a segunda fase da Copa.

Argentina

Essa é a quarta vez que a seleção feminina da Argentina participa da Copa do Mundo e ela tem um objetivo claro: passar pela primeira vez para as oitavas de final.

Itália

O elenco de jogadoras italianas irá para o primeiro torneio desde que o Campeonato Italiano se profissionalizou, em busca de deixar para trás a eliminação na Eurocopa do ano passado.

Suécia

A Suécia ficou em terceiro lugar na Copa do Mundo Feminina na França, em 2019, e em segundo nas Olimpíadas de Tóquio, em 2020. Agora, o time sonha em conquistar o sonhado título na Copa da Austrália e Nova Zelândia.

África do Sul

A seleção sul-africana conquistou o título de campeã da Copa Africana de Nações, vencendo todas as suas partidas. Agora, elas irão disputar sua segunda Copa do Mundo, no grupo da Suécia, Itália e Argentina.

Alemanha

A Alemanha é vice-campeã europeia e foi campeã mundial em 2003, nos Estados Unidos, e em 2007, na China.

Colômbia

A Colômbia não disputou a última edição da Copa do Mundo, em 2019 e esta será a sua terceira participação no evento. Elas vêm de um título na Copa América Feminina de 2022, quando chegaram à final de forma invicta, garantindo a classificação para o Mundial.

Coreia do Sul

Durante sua última participação na Copa do Mundo Feminina da FIFA, na França, em 2019, as sul-coreanas deram adeus ao torneio ainda na fase de grupos, perdendo seus três jogos. Agora, o técnico Colin Bell quer apresentar um futebol de maior intensidade para competir com as melhores seleções do mundo.

Marrocos

O time do Marrocos será o primeiro representante árabe a disputar a Copa do Mundo Feminina. A seleção é comandada por Reynald Pedros. 

Copa do Mundo Feminina 2023: Primeira fase

A primeira fase da Copa do Mundo divide as 32 seleções participantes em 8 grupos com 4 participantes em cada um, e irá ocorrer do dia 20 de julho ao dia 3 de agosto de 2023.

Copa do Mundo Feminina 2023: Oitavas de Final

Copa do Mundo Feminina 2023: Oitavas de final - se for líder do grupo

Se o Brasil passar para as oitavas de finais como líder do grupo F, o jogo será na terça-feira, 8 de agosto, às 8h (de Brasília), no Hindmarsh Stadium. O adversário será o segundo colocado do Grupo H (Alemanha, Colômbia, Coreia do Sul ou Marrocos).

Copa do Mundo Feminina 2023: Oitavas de final - se for segunda colocada no grupo

Se o Brasil passar para as oitavas de finais como segundo colocado do grupo F, o jogo será na terça-feira, 8 de agosto, às 5h (de Brasília), no Melbourne Rectangular Stadium. Adversário seria o líder do Grupo H (Alemanha, Colômbia, Coreia do Sul ou Marrocos).

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

copa do mundo feminina 2023 copa do mundo feminina brasil copa do mundo futebol

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar