PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

No Ceará, 50% das escolas particulares de ensino infantil aderem a retorno presencial das atividades

Número representa aumento em relação ao índice registrado na última semana; 13 profissionais do setor já foram testados como positivos para Covid-19

Gabriela Almeida
18:20 | 10/09/2020
Retorno das aulas de escolas de educação infantil.  Colégio Maria Ester, Parque dois irmãos.  (Foto: Fabio Lima/O POVO) (Foto: Fabio Lima)
Retorno das aulas de escolas de educação infantil. Colégio Maria Ester, Parque dois irmãos. (Foto: Fabio Lima/O POVO) (Foto: Fabio Lima)

Somente 50% das escolas particulares de ensino infantil, situadas em Fortaleza e na Região Metropolitana, estão funcionando com atividades presenciais. Conforme levantamento do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Ceará (Sinepe-CE), divulgado nesta quinta-feira, 10, o número representa uma adesão ainda tímida do modelo- duas semanas após Decreto do Governo do Estado liberar retomada do setor.

As atividades presenciais na área de ensino estavam paralisadas desde o inicio da pandemia no Ceará- em março deste ano, e retornaram para o setor particular após determinação estadual, no inicio deste mês. Como restrição, as turmas de creche e pré-escola foram liberadas com até 30% da capacidade.

| LEIA MAIS |

Senado aprova projeto de apoio às escolas particulares e estima verba de R$ 3 bilhões para o setor

Pais não devem permanecer muito tempo dentro das escolas

Professores municipais aprovam indicativo de greve caso aulas presenciais retornem em Fortaleza

De acordo com levantamentos disponibilizados pelo Sinepe, o balanço apresentado nesta quinta-feira (10/9) revela que algumas escolas do setor retornaram apenas nesta semana. Isso porque no primeiro dia de liberação, 1° de setembro, somente 30% das unidades aderiram a retomada- sendo esse índice agora de 50%.

A explicação para esse retorno "tímido", contudo, pode estar no fato de que as escolas são obrigadas a submeter seus profissionais a exames para a doença, com o objetivo de garantir que o vírus não se dissemine nos espaços. Dessa maneira, a retomada para algumas unidades poderia chegar mais tardiamente.

A Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa) é o órgão responsável por fornecer os materiais de exames e fiscalizar o processo de testagem. Em balanço divulgado nesta quinta, a pasta informou que já "foram colhidas 5.611 amostras de exames de biologia molecular (RT-PCR) de profissionais da rede privada de educação infantil em Fortaleza".

Entre esses testes- realizados em coordenadores, professores e todos que prestam serviço nas unidades-, 13 tiveram como resultado o diagnóstico positivo. Ainda de acordo com órgão, apenas 0,23% dos exames que precisam ser realizados no setor já foram feitos.

 

 

Com informações do repórter Ítalo Cosme