PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Fase 4: saiba quais lugares ao ar livre de Fortaleza podem retornar e como se comportar em visitas

Locais ao ar livre e ligados a natureza retomam atividades sob restrições sanitárias impostas pelo Governo do Ceará

Gabriela Almeida
19:00 | 20/07/2020
Parque do Cocó é um dos locais abertos de Fortaleza que retornam com suas atividades na fase 4 da retomada econômica (Foto: JÚLIO CAESAR)
Parque do Cocó é um dos locais abertos de Fortaleza que retornam com suas atividades na fase 4 da retomada econômica (Foto: JÚLIO CAESAR)

A partir desta segunda-feira, 20, Fortaleza entra na fase 4 do Plano Responsável das Atividades Econômicas e Comportamentais. Nessa nova etapa, atividades ao ar livre e ligadas a natureza, como as realizadas nos parques estaduais do Cocó e Botânico, são permitidas, desde que equipamentos e frequentadores obedeçam a uma série de restrições.

Lugares abertos passaram a receber o primeiro sinal positivo do Governo ainda na fase 3 da retomada, com início na segunda semana deste mês. Nessa ocasião, foram permitidos o uso de calçadões e praças para a realização de atividades físicas, além de, posteriormente, terem sido retomadas as atividades em barracas de praia.

| LEIA MAIS |

Confira o que muda, a partir desta segunda, com o início da fase 4 da retomada econômica em Fortaleza

Plano de reabertura em Fortaleza terá fase especial

De acordo com o planejamento estadual, a fase 4 permite que mais lugares ao ar livre da Capital possam retomar com suas atividades. Como restrição, todas devem seguir protocolos de segurança que foram determinados pelo Governo, como o uso obrigatório de máscaras e a realização de atividades apenas de maneira individual, evitando aglomerações.

Confira os locais abertos que retornam na fase 4

Parque Estadual do Cocó

Área Antônio Tomás

O maior parque natural em área urbana do Norte e Nordeste do Brasil retomará algumas de suas atividades nesta segunda-feira, seguindo restrições recomendadas por Governo. Na área localizada na avenida Padre Antônio Tomás, as trilhas serão permitidas das 5h30min às 17h30min, o calçadão e o anfiteatro das 5h30min às 22 horas e áreas como o complexo poliesportivo, viveiro de mudas, arvorismo e parquinhos continuam interditados.

Área Adahil Barreto 

Já no equipamento localizado no Dionísio Torres, conhecido como Parque Adahil Barreto e integrado ao Cocó em 2018, os portões vão abrir a partir 5h30min para receber frequentadores nas trilhas, fechando às 21 horas. Seguem interditados para uso os parquinhos, as quadras e os campos.

Nos dois locais serão permitidos apenas atividades individuais, sendo proibidas quaisquer tipos de aglomerações. Nesse contexto, os tradicionais piqueniques e qualquer atividade que resulte em aglomerados será fiscalizada e vetada por funcionários do parque, assim como o uso de máscara nesses lugares será obrigatório.

Parque Estadual Botânico

Localizado em Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), o parque também volta com suas atividades nesta segunda-feira, passando a funcionar de segunda a sábado, das 8h às 17 horas. Aos domingos, o horário adotado será o de 8h às 12 horas.

Os frequentadores que desejarem realizar atividades físicas ou de lazer devem se atentar às normas sanitárias obrigatórias. Seja para quem for fazer um passeio de trilha ou apenas ter um momento com a natureza, é necessário estar de máscara e evitar grupos.

Floresta do Curió

Primeira Área de Relevante Interesse Ecológico (Arie) do Estado, o espaço volta com suas atividades somente nesta terça-feira, 21. Localizado na Lagoa Redonda, o equipamento vai funcionar de terça a domingo, das 6h às 15 horas, sob os mesmo critérios de restrições do demais, com a obrigatoriedade das máscaras e a proibição de aglomerações, assim como de atividades que não sejam individuais.

Impactos no ecossistema

De acordo com Leonardo Borralho, articulador das unidades de conservação (UCs) estaduais, foram observados impactos ambientais positivos nos ecossistemas dos parques, como resultado dos quase quatro meses em que eles ficaram fechados para visitação. Fatores como o não "pisoteamento nas trilhas por humanos" contribuíram para a "maior dispersão das sementes" e o "sossego à fauna silvestre".

"A visitação em áreas naturais é um grande atrativo e gera uma série de benefícios mentais, físicos e psicológicos aos visitantes, e essa imersão ambiental tende a ser ainda mais valorizada face a esse longo período de isolamento social", destaca Borralho, frisando que por isso o retorno precisa ser gradual, respeitando a capacidade dos equipamentos.

Para que o ecossistema dos parques não sofram com uma retomada imediata, Leonardo afirma que os Conselhos Gestores das UCs estudam deixar parques sem visitação ao menos por um dia por semana, impedindo os impactos negativos ao ecossistema. "Todos ganham: Poder Público, sociedade e, principalmente, a fauna e flora silvestres", pontua o gestor.

Saiba como se comportar

Ivo Castelo Branco, coordenador do núcleo de medicina tropical da Universidade Federal do Ceará (UFC), informa que o novo coronavírus pode ser transmitido em lugares abertos ou fechados, mas que está se mostrando menos transmissível ao ar livre.  No entanto, o especialista afirma que é necessário tomar cuidados mesmo em espaços abertos, uma vez que o número de pessoas agrupadas é um dos fatores mais determinantes para a infecção acontecer.

> Use Máscaras

O especialista atenta para o uso de máscaras independentemente do local em que se esteja. O item, obrigatório no Estado, previne que uma pessoa infectada passe, por meio da saliva, o vírus a terceiros, assim como evita o contato de materiais contaminados com a boca.  

> Evite aglomerações

Com a abertura dos parques, frequentadores podem se acomodar no fato de que tais equipamentos comportam muitas pessoas e, dessa forma, não provocariam aglomerações. A dica, no entanto, é evitar frequentar locais em horário de muito movimento, uma vez que qualquer aglomerado já é o bastante para disseminar a doença.

> Faça atividades individuais

Essa já é uma condição dos parques, no entanto, o especialista alerta para a importância de não apenas evitar aglomerados, mas manter a distância de terceiros, conforme recomendado por organizações de saúde. A realização de atividades individuais é, nesse sentido, uma boa saída para se exercitar sem  contribuir com a disseminação do vírus.

 

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >