PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Ceará terá equilíbrio do número de casos da Covid-19 até o fim de maio, segundo Cabeto

É estimado o platô no número de casos após medidas de isolamento rígido em Fortaleza, que concentra os maiores índices da doença; cinco cidades do Ceará terão ampliações em equipamentos de saúde pública

13:41 | 15/05/2020
Cabeto reorganizará a projeção com epidemiologistas e pesquisadores que estão acompanhando a curva de casos no Ceará.  (Foto: JÚLIO CAESAR)
Cabeto reorganizará a projeção com epidemiologistas e pesquisadores que estão acompanhando a curva de casos no Ceará. (Foto: JÚLIO CAESAR)

O titular da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), Dr. Cabeto, estimou até o fim de maio para um equilíbrio no número de casos da pandemia no Ceará. Até ultima atualização do IntegraSUS, nesta sexta-feira, 15 o Estado registrou mais de 22 mil casos confirmados e mais de 1.400 óbitos por Covid-19. Cabeto reorganizará a projeção com epidemiologistas e pesquisadores que estão acompanhando a curva de casos no Ceará. Segundo o secretário, os casos mais graves de Covid-19 no Ceará correspondem a 10% dos casos já confirmados.

Segundo o secretário, as ações de telemedicina e o reconhecimento precoce dos casos vêm sendo um reflexo da projeção até o fim do mês. O anúncio, feito em coletiva na manhã desta sexta-feira, refere-se à adesão de medidas de isolamento social e vai de encontro às projeções passadas da pasta, que chegou a estimar 250 mortes diárias pelo novo coronavírus. Cabeto informou que esta estimativa era uma das três organizadas pela Sesa e seria uma projeção real em um cenário no qual todas as medidas de isolamento social e de proteção falhariam. 

"Espero que a gente não chegue a esse número e que tenhamos atingido todas as medidas [de isolamento]. É importante a adesão de todos, pois ainda vejo muita gente duvidar das escolhas do Estado. Quando se trata de saúde pública, nada é absoluto", disse Cabeto que reforçou a necessidade de ficar em casa e obedecer às medidas rígidas que visam diminuir o contágio no Ceará.

LEIA TAMBÉM | Com 20%, Vila Pery registra menor taxa de isolamento social de Fortaleza; Capital tem média de 55%

O titular também falou sobre a compra de 200 novos respiradores, que devem chegar ao Estado até o próximo domingo, 17. "A demanda de um sistema de UTI [Unidade de Tratamento Intensivo] vai muito mais além de respiradores. Tem insumos, treinamentos, a eficiência do Samu", correlacionou Cabeto.  

Seis cidades do interior e da RMF terão ampliação de leitos de campanha; moradores dos arredores dos hospitais não sofrem risco de contaminação

O médico também anunciou a expansão de recursos hospitalares, como leitos em hospitais de campanha em seis cidades que englobam a Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) e no interior do Ceará. As regiões de Maracanaú, Caucaia, Sobral, Limoeiro do Norte, Quixeramobim e a região do Cariri estão entre as projetadas para terem ampliações em seus leitos de hospitais de campanha.

"Quando se trata de uma pandemia, esses números são muito mais altos do que a capacidade do sistema. Há uma preocupação da expansão [da doença] pro interior e isso pode fazer com que o Estado seja mais efetivo em medidas rígidas, pois estamos falando de uma restrição maior do que Fortaleza", disse o titular.

De acordo com Cabeto, os moradores das regiões onde estão instalados os hospitais de campanha não precisam se preocupar com o contágio nos arredores dos equipamentos. "Do ponto de vista técnico, não corre risco. Os hospitais obedecem normas de segurança e o isolamento adequado", comentou o secretário que, apesar da informação, reforçou que estão sendo estudadas uma ampliação das vistorias nos arredores das instalações, além da necessidade de ficar em casa para conter o contágio.