PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

No primeiro fim de semana de lockdown, Agefis realizou 54 ações preventivas e dispersões de aglomerações em Fortaleza

O balanço da pasta chegou a ultrapassar as expectativas de monitoramento durante o período. As ações vêm sendo feitas em quatro turnos, inclusive na madrugada

12:48 | 11/05/2020
Sete feiras pela Capital foram autuadas neste primeiro fim de semana de lockdown em Fortaleza (Foto: Divulgação/Agefis)
Sete feiras pela Capital foram autuadas neste primeiro fim de semana de lockdown em Fortaleza (Foto: Divulgação/Agefis)

A Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) constatou 54 ações de fiscalizações no primeiro fim de semana de lockdown na Capital, entre os dias 9 e 10 de maio. Segundo o gerente de Plantões e Atividades Especiais da pasta, Reginaldo Araújo, apesar do aumento na adesão ao isolamento social obrigatório, o balanço da pasta chegou a ultrapassar as expectativas de monitoramento durante o período.

Dentre as ações da pasta, estão o encerramento de sete feiras de rua, fluxo em busca de pontos ativos de aglomeração, fiscalização do funcionamento de serviços não essenciais e de drive thrus. Entornos das agências da Caixa Econômica e apreensão de um paredão de som também estão no balanço dos dois dias.

Leia também | Pode ou não pode? Tira dúvida sobre as novas medidas de isolamento social em Fortaleza

As feiras ocorriam nos bairros Messejana, São Cristóvão/Jangurussu, Parque Santa Maria, Autran Nunes, Parque Santa Rosa, Serrinha e Álvaro Weyne. As equipes recolheram as estruturas e dispersaram aglomerações no local. Os agentes percorreram a Cidade e realizaram abordagens no Mucuripe, no entorno do Mercado dos Peixes, Benfica, Vila do Mar, Praça da Lagoinha, bairro Presidente Vargas, Bom Jardim, Vicente Pinzón e Planalto Airton Sena.

Segundo Reginaldo, a Agefis vem trabalhando em quatro turnos diários de fiscalizações, incluindo as madrugadas. No sábado, os agentes organizaram filas no entorno das agências da Caixa Econômica e distribuíram máscaras, além de abordar de forma orientativa sobre a importância do isolamento social. Na última semana, O POVO registrou aglomerações no entorno das agências. Pessoas chegaram a dormir em frente a algumas sedes pela Cidade, com o intuito de registrar seu lugar na fila de atendimento. Ilegalmente, alguns tentavam se aproveitar das situações e realizavam venda de lugares que custavam entre R$ 20 a R$ 50.

No final de semana, a pasta vistoriou o entorno de 20 agências do banco e atuou em casos da marcação irregular e a venda de lugares em filas, além de atuar com a apreensão dos materiais utilizados para a venda, como cadeiras.

LEIA TAMBÉM | Em cinco dias, 24 mil veículos foram abordados por descumprirem o lockdown

As ações contam com o apoio da Inspetoria de Meio Ambiente (IPAM) da Guarda Municipal de Fortaleza e do Batalhão de Policiamento Ambiental (BPMA) e, segundo Reginaldo, a Agefis continuará mantendo as mesmas ações do último fim de semana. No entanto, de acordo com estudos prévios, mudanças podem ser realizadas nas fiscalizações. "Temos o conselho gestor e fazemos um balanço diário dividido em turnos das autuações. A dinâmica vai mudando", informou.

A pasta vem orientando a não realização de feiras livres e de qualquer outro tipo de funcionamento de comércios não essenciais, além de circular a cidade em busca de aglomerações que infrinjam as medidas rígidas de isolamento social, decretadas na Capital desde a última sexta-feira. A Agefis ainda pode autuar com multas para serviços não essenciais que estejam funcionando em meio à pandemia.

Denúncias de aglomerações podem ser feitas pelos telefones 150 e 156, além do aplicativo Fiscalize Fortaleza, disponível para download no Android e no iOS.