PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

No primeiro fim de semana de lockdown, Agefis realizou 54 ações preventivas e dispersões de aglomerações em Fortaleza

O balanço da pasta chegou a ultrapassar as expectativas de monitoramento durante o período. As ações vêm sendo feitas em quatro turnos, inclusive na madrugada

12:48 | 11/05/2020
Sete feiras pela Capital foram autuadas neste primeiro fim de semana de lockdown em Fortaleza
Sete feiras pela Capital foram autuadas neste primeiro fim de semana de lockdown em Fortaleza (Foto: Divulgação/Agefis)

A Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) constatou 54 ações de fiscalizações no primeiro fim de semana de lockdown na Capital, entre os dias 9 e 10 de maio. Segundo o gerente de Plantões e Atividades Especiais da pasta, Reginaldo Araújo, apesar do aumento na adesão ao isolamento social obrigatório, o balanço da pasta chegou a ultrapassar as expectativas de monitoramento durante o período.

Dentre as ações da pasta, estão o encerramento de sete feiras de rua, fluxo em busca de pontos ativos de aglomeração, fiscalização do funcionamento de serviços não essenciais e de drive thrus. Entornos das agências da Caixa Econômica e apreensão de um paredão de som também estão no balanço dos dois dias.

Leia também | Pode ou não pode? Tira dúvida sobre as novas medidas de isolamento social em Fortaleza

As feiras ocorriam nos bairros Messejana, São Cristóvão/Jangurussu, Parque Santa Maria, Autran Nunes, Parque Santa Rosa, Serrinha e Álvaro Weyne. As equipes recolheram as estruturas e dispersaram aglomerações no local. Os agentes percorreram a Cidade e realizaram abordagens no Mucuripe, no entorno do Mercado dos Peixes, Benfica, Vila do Mar, Praça da Lagoinha, bairro Presidente Vargas, Bom Jardim, Vicente Pinzón e Planalto Airton Sena.

Segundo Reginaldo, a Agefis vem trabalhando em quatro turnos diários de fiscalizações, incluindo as madrugadas. No sábado, os agentes organizaram filas no entorno das agências da Caixa Econômica e distribuíram máscaras, além de abordar de forma orientativa sobre a importância do isolamento social. Na última semana, O POVO registrou aglomerações no entorno das agências. Pessoas chegaram a dormir em frente a algumas sedes pela Cidade, com o intuito de registrar seu lugar na fila de atendimento. Ilegalmente, alguns tentavam se aproveitar das situações e realizavam venda de lugares que custavam entre R$ 20 a R$ 50.

No final de semana, a pasta vistoriou o entorno de 20 agências do banco e atuou em casos da marcação irregular e a venda de lugares em filas, além de atuar com a apreensão dos materiais utilizados para a venda, como cadeiras.

LEIA TAMBÉM | Em cinco dias, 24 mil veículos foram abordados por descumprirem o lockdown

As ações contam com o apoio da Inspetoria de Meio Ambiente (IPAM) da Guarda Municipal de Fortaleza e do Batalhão de Policiamento Ambiental (BPMA) e, segundo Reginaldo, a Agefis continuará mantendo as mesmas ações do último fim de semana. No entanto, de acordo com estudos prévios, mudanças podem ser realizadas nas fiscalizações. "Temos o conselho gestor e fazemos um balanço diário dividido em turnos das autuações. A dinâmica vai mudando", informou.

A pasta vem orientando a não realização de feiras livres e de qualquer outro tipo de funcionamento de comércios não essenciais, além de circular a cidade em busca de aglomerações que infrinjam as medidas rígidas de isolamento social, decretadas na Capital desde a última sexta-feira. A Agefis ainda pode autuar com multas para serviços não essenciais que estejam funcionando em meio à pandemia.

Denúncias de aglomerações podem ser feitas pelos telefones 150 e 156, além do aplicativo Fiscalize Fortaleza, disponível para download no Android e no iOS.