Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Jericoacoara: onde fica, como chegar, o que fazer e tudo sobre a praia

A famosa praia do Ceará é local preferido por viajantes de dentro e fora do Brasil. Saiba onde fica Jericoacoara, como chegar, o que fazer e tudo sobre Jeri, o paraíso cearense
23:09 | Ago. 27, 2021
Autor Carolina Parente
Foto do autor
Carolina Parente Jornal
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Considerada um destino deslumbrante pelos amantes da natureza, a praia de Jericoacoara é adorada por cearenses, brasileiros e turistas de fora do país. Agraciada pela beleza local, Jeri (como chamam os íntimos) está circunscrita em uma relaxante atmosfera litorânea que mistura simplicidade e sofisticação, agradando variados tipos de pessoas.

Onde fica Jericoacoara?

Situada no estado do Ceará, no nordeste brasileiro, Jericoacoara pertence ao município de Jijoca de Jericoacoara, distante 300 km da capital Fortaleza.

A famosa Vila de Jericoacoara faz parte da Rota das Emoções, um dos trajetos turísticos mais cobiçados do Brasil, cujo caminho perpassa o destino mencionado, além do Delta do Rio Parnaíba, no Piauí, e dos Lençóis Maranhenses, no Maranhão.

Zona que pertencia aos índios Tremembé, “a enseada de Jericoacoara está naturalmente protegida por uma verdadeira cordilheira de dunas", segundo consta no site da prefeitura de Jijoca. “A geografia da praia dificultou por muito tempo o acesso de exploradores portugueses às suas imaculadas terras.”

Há somente notícias de eventuais passagens efetuadas por aventureiros que, vindos por mar a caminho do Maranhão, ali estiveram no século XVII, além dos nativos indígenas que habitavam aquelas terras.

Em 1614, na região, foi instalado o forte de Nossa Senhora do Rosário cuja base serviu de apoio aos portugueses em batalhas travadas contra os franceses que ocupavam o estado maranhense.

O vilarejo de pescadores situado no interior de Jeri foi somente descoberto pelo turismo internacional em meados da década de 1970. Com a fama mundial que conquistou, a praia jijoquense foi elevada a Área de Proteção Ambiental (APA) em 1984 por ato do então presidente brasileiro General João Figueiredo. Em 2002, tornou-se Parque Nacional.

O parque possui ao todo uma área de 8850 hectares, o equivalente a 88500000 m², e foi criado para proteger e preservar o seu ecossistema costeiro, certificando a conservação de seus recursos naturais e possibilitando a realização de pesquisa científica, de educação ambiental e de turismo ecológico.

O local é administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente responsável por propor, implantar, gerir, proteger, fiscalizar e monitorar as unidades de conservação ambientais da federação brasileira.

Com ruas de areia fofa e sem postes de iluminação artificial, Jericoacoara, apesar de badalada, preserva as características rústicas de uma típica aldeia de pescadores e, por conseguinte, a possibilidade de avistar o firmamento durante as noites na cidadezinha.

Dependendo da época do ano, a praia estará lotada ou vaga; mas, jamais vazia. Deve-se estar atento às datas para não correr o risco de ficar sem hospedagem na alta estação. Nas férias de julho, dezembro e janeiro e em feriados estendidos de Carnaval e Semana Santa é aconselhado aos turistas o planejamento prévio.

A hospedagem na vila de Jeri funciona de base para pessoas que também desejam visitar outros sítios turísticos nos arredores da área. Tatajuba e Praia do Preá são localidades próximas à vila as quais merecem a atenção de turistas que se deslocam de tão longe para conhecer a beleza da costa alencarina e suas águas mornas bastante convidativas para um mergulho refrescante e para a prática de esportes náuticos (kitesurf e windsurf).

Jericoacoara: quando ir?

Jericoacoara, independentemente da época do ano, receberá turistas de todas as partes. No entanto, os melhores meses para visitar a região são após o período de chuvas no Ceará, as quais ocorrem com intensidade de fevereiro a abril.

Durante os três meses que sucedem o trimestre chuvoso no estado, ocorre a decantação das águas em Jeri, o que torna as piscinas marinhas e lagoas ali presentes cristalinas e ainda mais belas a partir de agosto num período do ano que se estende até novembro.

No entanto, dezembro e janeiro são também ótimos meses para estar no local, já que antecedem a estação chuvosa. A desvantagem desse período, por outro lado, é a alta dos preços em face do turismo intenso que ocorre nas férias de verão no Brasil.

Jericoacoara e a Covid-19

O município está com nível moderado de transmissão da Covid-19, apesar do avanço da campanha de vacinação, segundo painel de indicadores da plataforma IntegraSus, gerenciada pela Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa). Os números são relativos às semanas epidemiológicas 32 e 33, entre 8 e 21 de agosto. No levantamento no começo do mês, a cidade totalizava 2.777 casos confirmados e 31 óbitos pela doença.

A Polícia Militar do Ceará tem dispersado vários focos de aglomeração em Jericoacoara, onde pessoas foram flagradas sem máscaras de proteção contra a Covid-19. Apesar de estarem em local aberto, a proximidade entre as pessoas e a ausência de máscaras de proteção favorecem a transmissão do vírus. O Sars-Cov-2, vírus causador da Covid-19, é transmitido pelo ar, especialmente por aerossóis - partículas tão leves que ficam suspensas no ar.

 

Em nota, o Batalhão de Policiamento Turístico (BPTur) reforça que é necessário que a população colabore com “as medidas sanitárias adotadas pela prefeitura de Jericoacoara para limitar o número de pessoas que entram na cidade”.

A população pode denunciar as ações de descumprimento do decreto estadual ligando para o 190. O anonimato é garantido.

Como chegar em Jericoacoara?

É possível chegar à vila de carro, ônibus ou avião. O meio a ser escolhido dependerá dos valores que o turista pretende gastar para aproveitar alguns dias de descanso e diversão.

Desde 2017, a praia conta com o Aeroporto Regional de Jericoacoara, que está localizado no município de Cruz, a 30 km da Vila. É um estabelecimento rústico que segue o estilo da região, operando voos das principais companhias aéreas do Brasil: Azul, Gol e, a partir de novembro de 2021, Latam. O interessado deve consultar as operadoras para comprar as passagens que costumam ser bem caras.

O viajante também pode pegar um ônibus das empresas Fretcar ou Guanabara na rodoviária de Fortaleza que o levará a Jijoca. De jijoca a Jeri não há rodovia, somente areia. Portanto, a pessoa deverá fretar a viagem com um veículo credenciado na prefeitura do município que poderá transportá-la até a entrada do parque. Além disso, é possível chegar à vila de pau-de-arara pagando um preço mais acessível, porém o passageiro terá menos conforto.

Quem decidir viajar de carro, deverá optar por um veículo de tração 4x4 e estacionar o automóvel fora da Vila, em um estacionamento na entrada do distrito, sendo necessário pagar uma diária que custa R$ 40. Se o carro permanecer 5 dias estacionado, o valor final será R$ 200, por exemplo.

Caso o viajante tenha pouco tempo de estadia no Ceará e mesmo assim desejar visitar Jericoacoara, de Fortaleza é possível realizar um “bate-volta” saindo da capital às 3h da manhã e voltando no final da tarde. Para tanto, basta entrar em contato com uma agência de turismo local para marcar o passeio.

Jericoacoara: onde ficar?

Em Jeri é possível realizar hospedagem em estabelecimentos de altíssimo padrão, como também é viável permanecer em locais mais rústicos que tenham bom custo-benefício. Pousadas luxuosas, simples e requintadas; hostels e acampamentos são algumas das diversas possibilidades de estadia que a praia oferece.

Booking.com; Hostelworld.com e Airbnb.com são opções de sites em que o turista pode pesquisar os estabelecimentos e fazer as reservas.

Em agosto de 2021, duas noites em um hotel como Vila Kalango em Jericoacoara pode custar aproximadamente R$ 3000 para um casal. Já a diária para uma pessoa em um quarto compartilhado do Hostel Pousada LaTaperaJeri custa na faixa de R$ 50.

Se o turista desejar aventurar-se num camping e economizar ainda mais na hospedagem, levando a própria barraca, pagará somente o valor da estadia na propriedade. No Camping do Natureza, isso custaria R$ 20 por pessoa, ainda que duas pessoas dividissem a mesma tenda. É possível também utilizar o espaço para armar redes, caso a pessoa prefira dormir ao ar livre. O proprietário fornece as redes utilizadas pelos hóspedes.

O que comer em Jericoacoara?

Experimentar a gastronomia típica de um vilarejo praiano é uma obrigatoriedade em Jeri. A vila que inicialmente era espaço exclusivo de pescadores e suas famílias é hoje reduto de excelentes restaurantes especializados em pescados e mariscos.

No entanto, é possível comer de tudo no local. Há hamburguerias, pizzarias, açaiterias, restaurantes japoneses e lojas de doces. Tudo depende do apetite do turista e se ele deseja somente lanchar ou fazer uma refeição mais demorada.

O preço dos pratos também deve ser levado em conta por quem opta por controlar os gastos. Tomar um açaí à noite é mais barato do que comer uma pratada de camarão. Cozinhar no apartamento ou no hostel é ainda mais econômico. A pessoa pode, portanto, fazer a feira numa mercearia e preparar as refeições por conta própria.

Estando na vila, o turista pode explorar as possibilidades oferecidas pelos estabelecimentos locais, pesquisar preços e se deliciar com a culinária cearense.

Passeios em Jericoacoara

Nos arredores de Jericoacoara há diversos atrativos, cabendo ao viajante decidir o que vale mais a pena conhecer no local. Dependendo do tempo de permanência na praia é possível aproveitar com bastante calma a beleza de cada um dos pontos turísticos.

Como a vila em si é pequena e próxima ao mar é possível explorá-la rapidamente e desfrutar de um mergulho. Além disso, com 1 hora de caminhada alcança-se a Pedra Furada, um dos cartões postais da praia, e com apenas 15 minutos chega-se à Duna do Pôr-do-sol.

Nas proximidades da praia os viajantes podem conhecer também a Árvore da Preguiça, monumento vegetal que recebeu esse nome por não estar erguida verticalmente. Devido aos fortes ventos que sopram na região, a árvore tem seu tronco retorcido para baixo, de modo que seus imensos galhos tocam o chão de areia.

Demais atrativos na praia devem constar no roteiro dos turistas, como a Pedra do Frade, o Farol de Jericoacoara, a Praia Malhada, a Piscina Natural de Ananias, a Piscina Natural do Dekinho e o Poço da Princesa.

 

Outro atrativo importantes da região é a Lagoa do Paraíso, situada em Jijoca fora das imediações do Parque Nacional, onde é possível deitar em redes armadas dentro d’água e aproveitar a estrutura de ótimos estabelecimentos, como o Alchymist Beach Club, uma barraca de praia com um extenso cardápio de comidas e bebidas que disponibiliza armários, banheiros e chuveiro para os clientes.

A partir da aldeia, é possível visitar em Jijoca de Jericoacoara a Praia do Mangue Seco, um povoado habitado por pescadores. O local é marcado pelo encontro do mar com o rio Guriú culminando na formação de uma lagoa de água salgada cheia de cavalos-marinhos. Pelo mangue é feito um passeio de canoa para apreciar a beleza local. Lembre-se que não é recomendado o uso de filtro solar nesse ponto, pois o ecossistema é bastante frágil.

A partir da vila de Jeri, os viajantes podem conhecer também a mais nova atração turística do local, o Buraco Azul no distrito de Caiçara em Cruz, município que faz divisa com Jijoca de Jericoacoara. É um piscinão de água azul-turquesa que se formou em 2019 devido às chuvas que ocorreram no Ceará após a remoção de barro e areia do local para a construção da rodovia CE-182.

Outros pontos que os turistas costumam visitar além do território de Jijoca são a Praia do Preá, a leste do parque nacional situado também em Cruz, e a praia de Tatajuba, a oeste do parque, no município de Camocim.

Para conhecer as diversas localidades nos arredores de Jeri, especialmente os mais distantes do vilarejo, deve-se dirigir carros 4x4 ou fretar um passeio de buggy junto a alguma agência de turismo local e curtir ao máximo.

É importante ter a posse de protetor solar para evitar insolação, de modo que o passeio não seja prejudicado. Aconselha-se também ao viajante a utilização de chapéu para proteger o rosto e de camisetas com proteção UVA e UVB.

Taxa por visitante em Jericoacoara

Com o intuito de cuidar e proteger o patrimônio natural de Jericoacoara, é cobrada um valor de R$ 30 por visitante para uma estadia de sete dias. Mesmo que a pessoa passe só o dia na praia, o pagamento deverá ser efetuado. Caso o turista passe mais de uma semana na vila, uma nova taxa será gerada com base no período de permanência excedente.

Estão isentas do pagamento da taxa crianças até 12 anos, idosos acima de 60 anos, pessoas com deficiência, moradores de Jijoca de Jericoacoara e trabalhadores que atuam na vila. A condição de isenção deve ser comprovada na entrada da vila no momento da chegada, mediante apresentação de documento comprobatório ao fiscal da prefeitura.

O pagamento pode ser feito na entrada da vila, em jijoca no posto BR das 7h às 19h, ou pela internet, por meio do site da prefeitura do município neste link https://speedgov.com.br/satjij/servlet/com.satweb.formtaxatur.

Não há caixa 24 horas em Jeri, somente em Jijoca; portanto, deve-se levar dinheiro vivo à vila, pois muitos estabelecimentos não aceitam cartão de crédito ou débito.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Praia de Lagoinha, Ceará: onde fica, como chegar, o que fazer e mais

Lagoinha
23:06 | Set. 03, 2021
Autor Kauanna Castelo
Foto do autor
Kauanna Castelo Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Considerada uma das mais belas praias do litoral cearense, Lagoinha é um distrito do município de Paraipaba e está localizada a cerca de 106,7 km de distância de Fortaleza. O pequeno vilarejo em formato de meia-lua recebeu este nome devido às inúmeras lagoas de água doce presentes na região, tornando-a o destino ideal para viajantes que buscam descanso em meio a um cenário natural deslumbrante.

Longe de badalações, o paraíso cearense da costa Oeste proporciona quietude em um ambiente litorâneo relaxante, sendo uma ótima opção para o lazer em família - o mar é tranquilo, com ondas moderadas e temperatura amena, ideal para o banho. Os coqueiros, marcas registradas da região, destacam-se na paisagem, seja nas dunas de areia alaranjada ou na extensa parede verde de mata nativa que separa à beira-mar da parte alta da vila.

Com uma boa estrutura turística, a praia é bem servida de hotel, restaurante e opções de passeios, que agradam variados tipos de bolsos e gostos. O mirante, a escadaria colorida, as lagoas, a orla e as falésias embelezam ainda mais o lugar. Lagoinha é terra de gente hospitaleira, dona de uma alegria contagiante, e não pode deixar de ser inclusa nos roteiros turísticos de quem busca uma praia tranquila, sombra e água fresca.

Praia de Lagoinha: onde fica e como chegar?

O caminho até Lagoinha é simples. A praia fica localizada no município de Paraipaba, a 95km de Fortaleza, pelas rodovias CE-090 e CE-085 – o equivalente a duas horas de viagem. De Paraipaba até Lagoinha são 12km, pela CE-162. As pistas são bem sinalizadas e possuem pouca movimentação.

Para se locomover de Paraipaba à Lagoinha algumas opções de transporte são oferecidas. A região não possui aplicativos como o Uber e 99 Pop. Caso você não possua transporte particular, as opções de locomoção são carros locados na cidade, lotações e mototáxi.

As lotações com destino à praia - meio mais comum utilizado na cidade para realizar o traslado - custam em média R$ 7 por pessoa. Mototáxi custa R$ 12 e o preço da locação de carros custa em média R$ 100,00 a diária.

Praia de Lagoinha e a Covid-19

O município está com nível moderado de transmissão da Covid-19, apesar do avanço da campanha de vacinação, segundo painel de indicadores da plataforma IntegraSus, gerenciada pela Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa).

Além disso, 96 casos de Covid-19 causados pela variante Delta do Sars-Cov-2, coronavírus causador da doença, já foram identificados no Ceará e Paraipaba está entre os municípios cearenses que confirmaram a infecção. 

Então, vale ressaltar os protocolos no combate ao Covid-19, como o uso de máscara, de álcool em gel e do distanciamento social.

Praia de Lagoinha: onde ficar?

Mesmo localizada em um vilarejo pequeno, Lagoinha possui uma boa quantidade de pousadas e hotéis, com preços, serviços e localizações variadas. As opções de acomodações ofertadas na região são duas – na parte superior da vila ou à beira-mar. Confira dicas de hospedagem:

GENUS BEACH

Localizado ao lado da feirinha de artesanato da praia e com vista para a orla, o Genus Beach é um dos hotéis mais cobiçados de Lagoinha. A estrutura elegante do hotel é composta por quartos, bar, piscina e jardim, garantindo conforto, além de uma vista paradisíaca à beira-mar. O café da manhã, Wi-fi e estacionamento privativo estão inclusos na hospedagem.

VIVAMAR HOTEL

Também localizado na orla, o hotel Vivamar oferece vista privilegiada aos hospedes. Os quartos são distribuídos em diferentes níveis, proporcionando vista ao mar. O hotel possui piscina, restaurante interno e aberto ao público – das 10 horas às 22 horas. Uma de suas acomodações, nomeada de apartamento família, possui piscina de hidromassagem e sauna. O café da manhã, Wi-fi e estacionamento privativo estão inclusos na hospedagem.

PLATÔ

Localizado na parte superior de Lagoinha, o hotel Platô proporciona vista ampla de toda a região. Os quartos possuem duas opções de vista: mar ou jardim. O restaurante é aberto ao público, das 11 horas às 19 horas, tem piscina, brinquedoteca e bar. O café da manhã, Wi-fi e estacionamento privativo estão inclusos na hospedagem.

MONTEPASCUAL ECOVILLAGE

Charmosa, a pousada Montepascual Ecovillage está localizada na parte alta da vila, ao lado da escadaria colorida e do morro alaranjado, proporcionando vista panorâmica e surreal de toda a praia. Além de quartos aconchegantes, possui bar com música ambiente e mesas distribuídas em área aberta. No ambiente o uso de descartáveis é substituído por materiais ecológicos. O café da manhã, Wi-fi e estacionamento privativo estão inclusos na hospedagem.

MAR À VISTA

Localizada ao lado do mirante, a pousada Mar à vista faz jus ao nome. As acomodações no ponto alto de Lagoinha garantem uma visão espetacular de toda a praia, por meio de suas varandas ao ar livre. O café da manhã, Wi-fi e estacionamento privativo estão inclusos na hospedagem.

MANZUÁ

O hotel Manzuá é uma ótima opção para quem busca curtir à praia em família. Além de quartos aconchegantes, possui chalés charmosos que acomodam de 4 a 5 pessoas. A atração do hotel é a piscina com bordas infinitas, com vista ao mar. O local possui restaurante aberto ao público, durante a semana das 8 horas às 17 horas e aos fins de semana, das 8 horas às 22 horas. O café da manhã, Wi-fi e estacionamento privativo estão inclusos na hospedagem.

Pontos turísticos da Praia de Lagoinha

A praia de Lagoinha reserva bem mais do que um típico cenário tropical. Além de uma paisagem composta por um mar de águas verdes em formato de meia-lua, envolto por uma ampla faixa de areia fina, o vilarejo possui algumas paradas quase obrigatórias para os viajantes que desejam desbravar os 15 km de extensão da região.

- O mirante:
Revestido em madeira e bem arborizado, o mirante de Lagoinha está localizado na parte alta da vila, e é o local ideal para fotografar a vista panorâmica da praia. Em uma espécie de passarela suspensa, guarda-chuvas coloridos enfeitam o ambiente. No local é possível apreciar o mar, as dunas e a extensa faixa de areia, além de degustar um bom drink, petiscar e contratar um passeio de buggy ou quadriciclo.

- O Cristo:
O monumento religioso, conhecido como “mirante do Cristo”, é o point ideal para repor as energias, fazer preces e contemplar a vista. Para chegar até o local, os viajantes podem contratar um passeio de buggy ou quadriciclo, mas se preferir podem ir caminhando pela faixa de areia.

- Falésias de areias coloridas:
Absolutamente fascinante, o lugar possui beleza ímpar. Em meio às falésias, as areias coloridas se destacam no ambiente e proporcionam lindas fotos aos visitantes.

 

- Fonte da juventude:
Nomeada pelos conterrâneos de ‘fonte da juventude’ devido à água doce que brota em alguns pontos do local, o lugar encanta os turistas que aproveitam a ocasião para beber um pouco do líquido. De acordo com a superstição contada pelos guias turísticos, os casais que bebem da água nunca se separarão.

- Morro do Carequinha:
Apelidado carinhosamente pelos moradores da região, devido à semelhança com o Morro do Careca da praia de Ponta Negra, no Rio Grande do Norte, o Morro do Carequinha é o lugar ideal para os turistas que gostam de adrenalina. No local é possível descer o morro de quadriciclo ou buggy, além de fazer vídeos e fotos.

- Lagoa do Jégue:
Localizada depois do Morro do Carequinha, a Lagoa do Jégue é frequentada pelos amantes da prática de kitesurf, e possui águas salgadas e rasas com temperatura amena.

- Mirante natural:
Localizado entre as dunas, o mirante natural proporciona uma vista de tirar o fôlego. Tranquilidade é o que não falta nesse local.

- Lagoa das Almecegas
A Lagoa das Almecegas é o lugar ideal para o banho em água doce e passeio de barco. O ambiente é agradável e bem arborizado, sendo uma ótima opção para quem busca repousar em uma das redes disponíveis no local, armadas até mesmo dentro d’água. Comidas típicas, bebidas e bancas de artesanato compõem o point.

Passeios na Praia de Lagoinha

Para os amantes de diversão com uma pitada de adrenalina, os passeios disponíveis em Lagoinha são indispensáveis. Os percursos são acompanhados por guias turísticos que apresentam o lugar de forma descontraída e bem-humorada, presando sempre pela segurança e ótima experiência dos viajantes. As opções para se aventurar na praia são três: buggy, quadriciclo e asa delta motorizada.

- Buggy
O passeio de buggy custa em média R$ 180,00, com duração de 1 hora e 30 minutos a duas horas. Entre as paradas estão o Cristo, o Mirante, a Trilha ecológica de vegetação nativa, as falésias de areias coloridas, o Morro do Carequinha, a Lagoa do Jégue e a Lagoa das Almécegas.

- Quadriciclo
O passeio de quadriciclo custa em média R$ 120,00, com duração de 1 hora, e 10 minutos de tolerância. Entre as paradas estão o Cristo, o Mirante, as falésias de areias coloridas, a Fonte da juventude, o Morro do Carequinha, a Lagoa do Jégue, o Rio Trairí e a Lagoa das Almécegas.

- Asa Delta Motorizada
O passeio de Asa Delta Motorizada proporciona aos visitantes um ângulo diferente para apreciar a beleza paradisíaca do lugar. O voo supervisionado pelo instrutor Ramon Lopes não possui tempo cronometrado, e os valores variam de acordo com a rota: R$ 150 - rota Lagoa das Almecegas, e R$ 250 – rota praia do Porto Velho.

Praia do Porto Velho

A poucos passos da orla, a praia do Porto Velho, como é conhecida por seus habitantes, está situada ao lado direito, depois do morro de areia alaranjada, cartão postal de Lagoinha.

Pedras, coqueiros, jangadas, pequenas piscinas naturais e bicas compõem o visual do lugar afamado por conterrâneos e visitantes devido à calmaria. O local é ideal para quem quer se reconectar a natureza, repor as energias e assistir ao pôr do sol a beira mar.

Praia de Lagoinha: esportes aquáticos

Além de um mar excelente para praticar o ‘nadismo’, Lagoinha oferece algumas opções para os amantes de esportes radicais aquáticos – Surf, Kitesurf e Stand Up Paddle.

- Surf
Na praia, os turistas podem alugar o instrumento, caso já saibam surfar, ou caso desejem aprender. O aluguel custa R$ 80 por hora.

- Kitesurf
Para praticar o esporte na praia, o turista vai ter que desembolsar R$ 180 por hora.

- Stand UP Paddle
A prática do esporte na praia custa R$ 100 por hora.

Praia de Lagoinha: o que fazer durante à noite?

Lagoinha é um típico lugar interiorano. Noites badaladas e agitação não fazem parte das particularidades do lugar. A vida noturna na praia se restringe a restaurantes, bares, pizzarias, açaiterias, sorveterias e lanchonetes, localizadas em sua grande maioria na parte alta do vilarejo, ao derredor da praça principal.

Em meio à tranquilidade, a orla é o point mais frequentado durante à noite. Petiscar, caminhar ou armar uma rede são algumas das opções disponíveis para desfrutar o lugar. Para quem busca uma programação mais animada, duas alternativas são disponibilizadas na região litorânea.

Aos sábados à noite, o restaurante KitePoint, situado frente à orla, faz rodízio de massas e frutos do mar, com direito à música acústica ao vivo. No Barlavento, localizado na parte alta da vila, ao lado da escadaria colorida, sextas e sábados à noite tem música ao vivo, em um ambiente agradável com vista panorâmica.

Praia de Lagoinha: qual a melhor época para visitar a praia?

Lagoinha é uma rota irrecusável em qualquer período do ano. Com temperatura média anual em torno dos 26°C, o clima ensolarado da região é ideal para quem busca um destino tropical regado a tranquilidade.

Na alta estação, que ocorre nos meses de janeiro, julho e dezembro, o fluxo de visitantes é intenso na região - sendo recomendável fazer um planejamento, incluindo reservas em hotéis com antecedência. Para aproveitar a praia sem grandes agitações, é só ir fora da temporada de férias.

Praia de Lagoinha: Residence Club at The Hard Rock Hotel

A praia de Lagoinha comportará o 3° maior resort Hard Rock Hotel do Mundo. O grande empreendimento faz parte do desenvolvimento global de hotéis da empresa, que, além dos seis já divulgados, que inclui São Paulo, Paraipaba (CE), Ilha de Sol (PR), Foz do Iguaçu, Natal e Recife, também investe em dois novos, entrando na lista, também, Campos do Jordão (SP).

O resort irá possuir 402 acomodações, com área de lazer, entretenimento, restaurantes, bares, estúdios, áreas de eventos, academias, ambientes kids e teen, salão de beleza, cinema, loja e spa. O grande atrativo do lugar será a piscina principal com música embaixo d’água, assim o hóspede continua ouvindo a música durante os mergulhos.

Além da opção de comprar um apartamento sozinho, os clientes podem adquirir apenas uma cota dele, o que dará direito de utilizá-lo durante uma a duas semanas do ano. Em construção, estima-se que a propriedade será concluída em dezembro de 2022.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Teleférico de Ubajara aguarda licença de operação do Ibama para reinauguração

turismo
14:35 | Set. 03, 2021
Autor Júlia Duarte
Foto do autor
Júlia Duarte Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Forte atrativo da região serra da Ibiapaba, o teleférico, conhecido popularmente como bondinho de Ubajara segue sem funcionamento mesmo com as obras de revitalização concluídas. Segundo o governador Camilo Santana (PT), o equipamento já está pronto, mas aguarda licença para poder operar. Segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o processo está em análise e deve receber ter uma definição em meados de outubro.

“O bondinho está pronto, estamos aguardando, eu até já fiz um apelo ao ICMBio, pela licença de operação. Toda obra precisa da licença de instalação e de operação para operar o bondinho”, ressaltou o chefe do Executivo em resposta à pergunta de um internauta na terça-feira, 31.

O equipamento é localizado dentro do Parque Nacional de Ubajara, a 264 km da Capital Fortaleza, em uma Unidade de Conservação Federal de Proteção Integral. O parque se estende para além de Ubajara, chegando também a Tianguá e a Frecheirinha. Além do bondinho, o parque reúne trilhas, mirantes, grutas e cachoeiras, entre outros atrativos dentro do ecoturismo.

A estrutura do bondinho em si é administrada pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Turismo (Setur), mas o espaço do parque é de responsabilidade da administração do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). A pasta atua para garantir a integridade e o processo de evolução especialmente do conjunto de formações geológicas existentes em Ubajara.

Por meio de nota, o ICMBio informou que entregou os últimos protocolos nesta quarta-feira, 1º, e aguarda o licenciamento do Ibama para autorizar o funcionamento do teleférico, ainda sem prazo definido para a liberação. “A modernização e revitalização do equipamento teleférico no Parque Nacional de Ubajara faz parte de um acordo de cooperação e auxilia no desenvolvimento do turismo da Unidade de Conservação”, pontuou ainda a pasta.

Já o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) afirmou, também por nota, que recebeu a solicitação da Licença de Operação (LO) no dia 17 de agosto, e que o pedido será analisado. A previsão de conclusão da análise, segundo a pasta, é na metade do mês de outubro.

O chefe do Parque, Gilson Mota, explica que a liberação precisa ser feita pelo Ibama porque a região faz parte de Unidade de Conservação Federal. “Como bondinho é dentro do parque, precisa de uma liberação federal. E o órgão administrador é o Ibama”, explica ele.

O bondinho, segundo a Setur, tem capacidade de levar até dez pessoas por viagem. São 450 metros que separam o alto da plataforma, de onde se tem uma visão da região até a entrada da gruta. O equipamento era utilizado pelos visitantes que pretendiam visitar a Gruta de Ubajara, ou mesmo, que só queriam fazer o passeio no bondinho. O teleférico era utilizado, também, pelos moradores do Distrito de Araticum, município de Ubajara, que usavam como meio de transporte.

Bondinho de Ubajara ainda em reforma
Bondinho de Ubajara ainda em reforma (Foto: Divulgação)

O equipamento possui tecnologia italiana, tendo sido instalado pela empresa Agudio no ano de 1975. Em 2015, o bondinho foi fechado pelas más condições das estruturas. Os relatórios que constam no documento de revitalização elaborado pela Setur mostraram que os cabos que faziam a condução do transporte estavam com nível de segurança abaixo do exigido, o que colocava em risco a vida dos visitantes que realizavam passeios no teleférico.

Em 2016, foi apresentado pela Setur à comunidade de Ubajara e aos conselheiros do Parque Nacional de Ubajara o projeto de revitalização do teleférico. As mudanças compreendiam a modernização da arquitetura das estações, além da construção de mirantes com acesso por escada e rampa acessível. Após quatro anos, em 2020, faltavam 8% das intervenções para ficar pronta, mas a empresa responsável pelos serviços anunciou, em junho, desistência dos trabalhos. Foi preciso uma nova licitação em setembro, na ordem de R$ 1,8 milhão.

Investimento no turismo da região

 

A obra foi finalizada há cerca de quatro meses. Em março, entretanto, o prefeito de Ubajara, Renê Vasconcelos visitou os últimos testes do teleférico, juntamente com uma equipe técnica. Segundo ele, na época, a expectativa era que o público começasse a ser recebido na região com a melhora dos índices sanitários da pandemia. Em meados de agosto, a Gruta, outro ponto que passou por revitalização, foi reaberto. A Gruta, considerada o maior patrimônio espeleológico do Ceará, passou por uma série de melhorias, como a substituição da estrutura de iluminação por refletores de LED.

O titular da Secretaria de Turismo, Cultura, Meio Ambiente e Esporte de Ubajara, Glauber Augusto Lira Sousa, ressalta também que as intervenções que eram de responsabilidade da Prefeitura foram finalizadas. A expectativa do município era que a inauguração fosse feita no aniversário da Cidade, no último dia 24 de agosto. “É uma esperança de aumentar o turismo da região e gerar empregos. A gente espera, com a volta, um aumento de 300 vezes o número de visitantes”, explica ele.

A liberação do equipamento deve abrilhantar também a própria Gruta de Ubajara, que, hoje, só pode ser acessada por meio de uma trilha com extensão de 7 km em pedra tosca muito íngreme. O percurso é feito, em média, com 6 horas de caminhada. “Vai facilitar o acesso ao principal atrativo do parque. Com o bondinho, você faz esse percurso rápido, em quatro minutos”, ressalta ele.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Turismo na capital paulista cresce 18,4% em julho, diz FecomercioSP

ECONOMIA
12:32 | Set. 03, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia
O turismo na cidade de São Paulo registrou crescimento de 18,4% em julho, impulsionado pelas férias das aulas escolares e redução das medidas restritivas contra a covid-19 na capital paulista, de acordo com Índice Mensal de Atividade do Turismo de São Paulo (IMAT-SP), do Conselho de Turismo (CT) da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), realizado em parceria com o Observatório de Turismo e Eventos da SPTuris. Com o resultado, o número-índice ficou em 63,3, o maior desde março do ano passado.
Na comparação com julho de 2020, a pesquisa mostra avanço de 85,1%, porém, nesse período, o País enfrentava o auge da pandemia de covid-19.
Com as férias do meio do ano, o faturamento subiu 48,9% em relação a junho, e setores como eventos, meios de hospedagem, agências e operadoras turísticas tiveram crescimento no mês.
A movimentação nos aeroportos da capital e região teve alta de 42,8%, assim como aconteceu nas rodoviárias, com aumento na movimentação de passageiros de 23,9%. Já a taxa de ocupação na hotelaria cresceu 11,8%, atingindo o número-índice de 76,3, o maior desde fevereiro de 2020. O estoque de pessoas trabalhando com atividades diretas e indiretas subiu 0,6% em julho, o mais alto desde maio do ano passado, apesar da pequena variação.
Embora os resultados sejam positivos, o turismo na capital ainda está 37% abaixo do momento anterior à pandemia, em janeiro de 2020.
Para Mariana Aldrigui, presidente do CT da FecomercioSP, o resultado demonstra que o turismo da capital está se recuperando lenta e consistentemente, em resposta direta ao aumento do número de pessoas vacinadas nas faixas etárias mais baixas.
A expectativa é a de que, nos próximos meses, com a autorização para realização de eventos, a recuperação do setor seja ainda maior. Contudo, Aldrigui pontua que restará o desafio de recuperar o movimento ligado ao turismo de negócios, atividade marcante e característica da capital.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Portugal retira quarentena para viajantes do Brasil e Reino Unido

ECONOMIA
16:00 | Set. 01, 2021
Autor AFP
Tipo Notícia

Os passageiros procedentes do Reino Unido e Brasil não estarão mais obrigados a cumprir uma quarentena devido às restrições pelo coronavírus ao chegarem em Portugal a partir desta quarta-feira, 1º de setembro, anunciou o governo português.

"Os passageiros de voos procedentes do Brasil e do Reino Unido não serão mais submetidos a um período de isolamento" ao chegarem em Portugal, informa um comunicado do ministério do Interior.

O Brasil agora faz parte da lista de países em que "se autorizam as viagens não essenciais", como a União Europeia, Estados Unidos, Reino Unido e Israel, acrescenta o comunicado.

No caso dos outros países, estarão autorizadas apenas as viagens consideradas essenciais, especialmente as viagens por motivos profissionais, de estudos, reunião familiar ou motivos de saúde.

Para viajar para Portugal de avião, os passageiros devem apresentar um passaporte sanitário ou o resultado negativo de um teste PCR ou de antígenos.

Com cerca de três quartos da população completamente vacinados contra a covid-19, Portugal espera alcançar 85% "entre a penúltima e a última semana de setembro", segundo o coordenador do programa nacional de vacinação contra a covid-19, Henrique Gouveia e Melo.

Este objetivo, alcançado antes do previsto, permitiu ao governo antecipar o levantamento de algumas restrições, aumentando particularmente a capacidade de acolhida de público nos restaurantes, nas salas de espetáculos e nos estádios.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Cartilha ajuda consumidores na relação com empresas aéreas

Geral
12:53 | Set. 01, 2021
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Uma publicação lançada hoje (1º) pelo Ministério do Turismo pretende melhorar a relação entre consumidores e empresas aéreas, de forma a garantir melhor experiência aos turistas durante as viagens. Nesta primeira edição – e nas próximas duas, ainda a serem lançadas – a cartilha Consumidor Turista é focada no transporte aéreo. A ideia é lançar, na sequência, uma cartilha voltada ao modal rodoviário.

De acordo com a pasta, as três edições voltadas ao transporte aéreo abordarão, respectivamente, os períodos de antes, durante e após as viagens. Para acessar a publicação lançada hoje, chamada Transporte Aéreo: Antes da Viagem, clique aqui.

“Buscamos, com essas cartilhas, dar segurança jurídica na relação de consumo e [favorecer] a busca por segurança e menor preço de passagem. O Brasil tem um dos maiores preços de passagem aérea do mundo”, disse o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, durante o lançamento online da publicação.

A iniciativa tem a parceria do Ministério da Justiça, que foi representado pela secretária Nacional do Consumidor, Juliana Domingues. “Queremos mais transparência para o consumidor [nessa relação]”, disse Juliana, ao destacar, entre as informações disponibilizadas na cartilha, questões como remarcação de passagens; melhores formas de se fechar acordos e contratos; e renegociação de viagens impactadas pela pandemia, o que inclui novas regras para reembolso e remarcação.

A cartilha reúne informações que vão desde as cobranças diferenciadas de tarifas até cuidados necessários para viagens com crianças e adolescentes, passando por acessibilidade, alterações no voo – além das regras excepcionais diante da pandemia da covid-19. Há também uma lista de legislações e de canais que detalham demais questões relacionadas ao segmento.

“Entre as orientações indicadas no documento está a cobrança diferenciada de tarifas nas passagens. Tarifas um pouco maiores podem incluir serviços opcionais, como despacho de bagagem, a marcação de assento de forma antecipada e multas menores caso seja necessário alterar o voo. Como o próprio nome diz, estes serviços são opcionais e só podem ser cobrados com a sua anuência”, informou o ministério.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags