Participamos do

O que é o câncer de peritônio, doença que matou o filho do rei Roberto Carlos

Dudu Braga, 52, morreu na última quarta-feira, 8, em decorrência da doença a qual enfrentava desde setembro do ano passado
22:30 | Set. 12, 2021
Autor Euziane Bastos
Foto do autor
Euziane Bastos Repórter Estagiária de Cidades
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O produtor musical e radialista Dudu Braga, filho do cantor Roberto Carlos, morreu na última quarta-feira, 8 de setembro, aos 52 anos. A causa da morte foi um câncer no peritônio, um tecido que envolve os órgãos abdominais.

Para entender como o câncer de peritônio surgiu e progrediu, chegando a um estágio mais sério, é preciso ter conhecimento do histórico médico do artista. O tumor no peritônio foi descoberto ano passado (2020) e, desde então, Dudu foi internado diversas vezes para realizar o tratamento com quimioterapia e cirurgia. O produtor já havia tido outro tipo de câncer no passado, como dois cânceres no pâncreas.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O POVO conversou com o professor e doutor em oncologia Markus Andret Gifoni, que faz parte do Departamento de Cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC), para explicar conceitos mais técnicos sobre o câncer (em geral) e sobre o câncer especificamente no peritônio.

O POVO - De um modo geral, como podemos definir câncer?

Markus - O câncer é um grupo muito heterogêneo de doenças que ocorre por uma perda do controle de crescimento de um grupo de células em um órgão do nosso corpo. As células acometidas passam a se dividir e espalhar sem controle causando problemas para o organismo.

OP - Como se origina o câncer no peritônio?

Markus - O câncer no peritônio pode ser de origem nas próprias células deste tecido (menos comum - menos de 5% dos casos) ou ser causado por células originárias de outros órgãos (mais frequente - acima de 95% dos casos) como pâncreas, estômago, ovário ou intestino.

Nesse caso, o peritônio passa a ser um local das metástases (formação de novo tumor a partir de outro) destes tumores que são originários de outros órgãos.

OP - E esse tipo de “transferência” de tumores é algo comum?

Markus - Sim, nesses casos, muitas vezes o que ocorre é o surgimento de novos tumores cuja origem é semelhante a dos tumores que foram eliminados anteriormente. As células no peritônio podem ter origem no tumor do pâncreas que o paciente tratou anos atrás.

Pode ocorrer também (mais raramente) o aparecimento de um outro tumor primário (no novo órgão) sem qualquer relação com o tumor tratado anteriormente. Esse segundo caso deve garantir a investigação de uma predisposição hereditária (principalmente se os tumores ocorrerem com mais frequência na mesma família).

Leia também | Pesquisa cearense para tratamento contra o câncer recebe convite internacional

Principais sintomas do câncer no peritônio:

  • Inchaço do abdômen;
  • Dor abdominal;
  • Prisão de ventre ou diarreia;
  • Cansaço e mal-estar geral;
  • Falta de apetite;
  • Dificuldade na digestão dos alimentos;
  • Perda de peso sem causa aparente.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags