PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Camilo Santana defende lei antiterrorismo, mas esbarra no PT

Dilma Rousseff já sancionou legislação com este teor, mas encontrou resistência em movimentos e sindicatos que têm ligação com o partido

10:22 | 26/09/2019
Governador Camilo Santana percorreu ruas e conversou com policiais e com a população nesta quarta-feira, 25
Governador Camilo Santana percorreu ruas e conversou com policiais e com a população nesta quarta-feira, 25(Foto: ASCOM / GOVERNO DO CEARÁ)

Às voltas com nova onda de ataques capitaneados por facções criminosas, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), quer que a legislação antiterrorismo abarque também estes crimes. Para ele, os atos praticados no Estado pelo sétimo dia consecutivo merecem punição mais rígida, sobretudo aos que forem pegos em flagrante.

A posição, todavia, ganha resistência tanto no partido dele como nos grupos que dão sustentação ao PT, como movimentos sociais, a exemplo do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), e frentes sindicais. Apesar disso, foi a ex-presidente Dilma Rousseff quem sancionou, em 2016, uma legislação antiterrorismo. À época, inclusive, ela foi pressionada por estes setores, o que a fez vetar itens da lei. Isso porque manifestações poderiam ser associadas ao conceito de terrorismo.

"Você jogar uma bomba, jogar um coquetel molotov hoje, não tem uma pena... Tanto que, às vezes, pessoas que cometem esse crime pouco tempo depois estão soltas", disse o petista em entrevista publicada no portal de notícias UOL nesta quinta-feira, 26.

Na última terça-feira, a Assembleia Legislativa do Ceará (AL-CE) homenageou o líder do MST, João Pedro Stédile, e todos os adeptos da organização. Presente na sessão solene, o pai do governador, Eudoro Santana, afirmou da tribuna que Camilo só não esteve no plenário da Casa em razão da agenda, mais extensa que o normal devido aos ataques. Garantiu, apesar disso, que o MST tem o respeito do filho.

União

Como recorrentemente faz ao tratar de segurança pública, o governador também atribuiu responsabilidade à União que, na visão dele, deve guardar com mais eficácia as fronteiras. Na visão de Camilo, a questão ultrapassou o limite de competências dos estados.

Ele ainda mencionou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro. O ex-juiz da Lava Jato já liberou vagas em presídios federais para transferências de presos. As realocações são estratégicas no entendimento de Camilo, já que desarticulam contatos entre lideranças e faccionados que estão em liberdade. "Vai debelar bem essa crise com a legislação (já existente). Somos contrários."

Executiva do PT

Membros da executiva nacional do PT, os deputados federais Paulo Pimenta (RS) e Paulo Teixeira (SP) manifestaram opinião sobre o assunto. Teixeira destaca que a legenda é contrária à tipificação da prática na lei. Apesar disso, não endurece o tom contra Camilo. Comenta que o governador conseguiu debelar a primeira crise, em janeiro, sem necessidade da legislação.  

Líder do PT na Câmara dos Deputados, Pimenta não marcou posição contra a fala do governador, afirmando que não se fazer essa discussão no campo da hipótese. "Tem que ver o conteúdo, porque o texto proposto na época (2016) permitia uma interpretação muito genérica, subjetiva e enquadrava como possível crime coisas que não têm nada a ver com terrorismo", diz o parlamentar, referindo à "luta política" de movimentos sociais.