Participamos do

Edifício Andréa: engenheiros e pedreiro são denunciados pelo desabamento

Foram denunciados dois engenheiros civis e o pedreiro. Para o MPCE, eles assumiram o risco do acidente quando iniciaram a reparação, deixando de escorar o vigamento principal e secundário da edificação, e não evacuaram o prédio
17:23 | Out. 25, 2021
Autor Angélica Feitosa
Foto do autor
Angélica Feitosa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Três pessoas envolvidas no desabamento do Edifício Andréa, em outubro de 2019, os engenheiros civis José Andreson Gonzaga dos Santos e Carlos Alberto Loss de Oliveira e o pedreiro Amauri Pereira de Sousa foram denunciados pelo Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE) nesta segunda-feira, 25. O desabamento aconteceu na manhã do dia 15 de outubro de 2019, no Dionísio Torres, em Fortaleza, e resultou em nove pessoas mortas e sete feridas. A denúncia sustenta que o desabamento poderia e deveria ser evitado caso fossem observadas as regras legais relativas à atividade de reformas em edificações.

A denúncia foi oferecida pela promotora de Justiça Alice Iracema Melo Aragão, titular da 109ª Promotoria de Justiça de Fortaleza. O MPCE ofertou denúncia nas sanções do artigo 13, parágrafo segundo, alínea “c”; artigo 18, inciso I; artigo 69, do Código Penal, nas figuras típicas delineadas no artigo 256, do Código Penal, e ainda artigo 121, parágrafo 2º, incisos III e IV, do Código Penal Brasileiro praticados contra as vítimas mortas.

Em relação a algumas vítimas feridas, os profissionais foram denunciados nas figuras típicas previstas no artigo 129, parágrafo primeiro, inciso I, c/c artigo 61, alínea “d”, do Código Penal; artigo 129, parágrafo primeiro, inciso II, c/c artigo 61, inciso alíneas “d” e “h”.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

LEIA MAIS | Dois anos do desabamento do Edifício Andréa: entre a dor e a chance de recomeçar

Além disso, o laudo pericial constatou que quatro das pessoas feridas sofreram lesões corporais de natureza leve, crime delineado no artigo 129, caput, do Código Penal Brasileiro, portanto o caso também será remetido a umas das unidades judiciárias do Juizado Especial.

Segundo o MPCE, nos dias 14 e 15 de outubro de 2019, pelo menos quatro pilares do Edifício Andrea receberam intervenções simultâneas e com ausência de elementos, como escoras ou apoio. Esses elementos de sustentação poderiam ajudar na redistribuição dos pesos dos elementos estruturais do prédio. Embora a proposta apresentada pela empresa contratada previsse a colocação de escoramento de vigamento principal e secundário durante a execução da obra, eles não foram colocados.

Portanto, os peritos concluíram que a causa do desabamento se deveu por um conjunto de fatores, materializados em erros de ações, tais como ausência de manutenções adequadas ao longo da vida útil do prédio e acréscimo de carga não prevista em projeto. Isso tudo foi potencializado pela intervenção inadequada promovida pela empresa. A análise pericial apontou como fator determinante a intervenção inadequada dos pilares da base do edifício.

Ainda de acordo com a denúncia, “os engenheiros civis José Andreson Gonzaga dos Santos e Carlos Alberto Loss de Oliveira e o pedreiro Amauri Pereira de Sousa assumiram o risco de produzir o desabamento quando iniciaram a reparação, deixando de escorar o vigamento principal e secundário da edificação. Além disso não evacuaram o prédio, nem mesmo tentaram evacuar, após grande parte do cobrimento do pilar P12 ruir, assumiram o risco e deram causa a desabamento do Edifício Andrea.

Ainda de acordo com o MPCE, eles expuseram em perigo a vida, a integridade física e o patrimônio de todas pessoas que lá residiam e também daquelas que estavam nas imediações, causando risco de mortes e lesões físicas, que foram concretizadas, e prejuízos patrimoniais das inúmeras vítimas.

O MPCE ressaltou que o Edifício Andrea não havia recebido nenhuma vistoria desde a construção, embora a Lei Municipal nº 9.913/2012 determine que a Prefeitura Municipal de Fortaleza tem obrigação de realizar vistorias técnicas periódicas nas edificações e equipamentos públicos no âmbito do Município.

Portanto, os autos foram remetidos para a Secretaria Executiva das Promotorias de Justiça do Meio Ambiente e Planejamento Urbano para instauração de procedimento cabível para apurar as responsabilidades pela omissão do ente público na fiscalização e inspeção predial da edificação.

Procurada, a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) respondeu apenas que não foi notificada em relação ao caso. 

Atualizada às 20 horas 

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags