PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Em meio à pandemia, vestibular da Uece tem segundo menor número de inscritos da história

Estudantes de várias partes do Estado vieram a Fortaleza para concorrer a mais de 2 mil vagas ofertadas pela instituição

16:22 | 20/06/2021
Fachada da Uece campus Itaperi neste domingo, 20, dia da primeira fase do vestibular promovido pela instituição (Foto: Fernanda Barros)
Fachada da Uece campus Itaperi neste domingo, 20, dia da primeira fase do vestibular promovido pela instituição (Foto: Fernanda Barros)

Com o segundo menor número de inscritos da história, o vestibular da Universidade Estadual do Ceará (Uece), edição 2021.1 (primeira fase), foi realizado neste domingo nos dois campi da instituição e em várias escolas públicas e privadas da Capital cearense. No total, 13.401 candidatos se inscreveram para disputar as 2.380 vagas disponíveis, sendo 1.246 em Fortaleza e 1.134 nas unidades do Interior, localizadas nos municípios de Itapipoca, Crateús, Limoeiro do Norte, Iguatu, Quixadá, Tauá e Mombaça. A taxa de abstenção, segundo a instituição, foi de aproximadamente 20%, com cerca de 2.700 ausências.

O número de inscritos neste ano foi 8,8% maior do que o de 2020 (11.940), quando a prova teve que ser adiada para dezembro, em virtude dos constantes agravamentos da pandemia de Covid-19 no Estado. Apesar do aumento, as estatísticas de participação estão num patamar muito abaixo do período pré-pandêmico. Em 2019, ano em que a instituição realizou o seu maior vestibular da história, mais de 45 mil pessoas fizeram inscrição.

Neste ano, a prova estava programada para ser aplicada no dia 30 de maio, mas também precisou ser reagendada devido ao aumento de casos e mortes pela Covid-19 na segunda onda da pandemia no Ceará.
Nos locais de prova, havia no máximo 20 alunos em cada sala, com distanciamento médio de 1,5 metro, segundo relataram alguns candidatos ouvidos pelo O POVO após a abertura dos portões. A reportagem visitou o campus Itaperi, antes da entrada dos inscritos, e campus Fátima (Centro de Humanidades), após a liberação dos candidatos que já haviam concluído a prova. Em ambos os locais, não houve registros de aglomerações.

Segundo a Uece, para o vestibular foram aplicados os protocolos de prevenção definidos pelo Governo do Estado, como distanciamento e higienização, uso obrigatório de máscaras por candidatos e organizadores e disponibilização de álcool em gel.

A instituição não havia informado, até o fechamento desta matéria, o índice de concorrência para os 48 cursos ofertados nos campi da Capital e interior. A preferência por medicina, contudo, era evidente entre os candidatos entrevistados pela reportagem. A exemplo de Gustavo Schneider, 19, que considera a pandemia um obstáculo a mais no caminho já difícil para a tão sonhada aprovação. “No ambiente escolar, você tem todas as pessoas ao seu redor vivendo a mesma coisa que você. Eu ia para escola e falava de vestibular o tempo todo. Hoje, vivendo mais com a minha família, eles não respiram tanto isso comigo e, às vezes, dificulta manter o foco”, conta.

Movimentação de candidatos foi tranquila, sem registros de aglomerações
Movimentação de candidatos foi tranquila, sem registros de aglomerações (Foto: Fernanda Barros)

Letícia Liberato, 16, também se inscreveu para uma vaga no curso de medicina. Ao deixar o local de prova, no campus Fátima, ela se disse confiante sobre seu desempenho. “A prova estava relativamente boa”, contou. Ainda assim, a estudante lamenta as dificuldades enfrentadas durante a pandemia e acredita que podem impactar negativamente na sua nota geral. “Aula remota é muito ruim pegar os conteúdos, mas a gente tem que se virar nos 30. Isso tudo atrapalha um pouco, mas tá todo mundo no mesmo barco”, relata Letícia, que participa do vestibular da Uece pela primeira vez.

Dos alunos que foram aos locais de prova na Capital, neste domingo, boa parte era do Interior. No campus Itaperi, um grupo de 30 candidatos que vieram de Sobral, a 234 quilômetros de Fortaleza, foi acompanhado e incentivado pelo professor Willian Jhonatan, 29, até os instantes finais para a abertura dos portões.
"Não é só material de estudo que vai dar confiança para eles fazerem uma boa prova. É perguntar como eles estão, se estão precisando de alguma coisa ou de um apoio mais psicológico. Viemos todos juntos para dar um apoio positivo e dizer a eles que estamos juntos, independente do que possa acontecer e que vai dar tudo certo", comentou o professor.

A comerciante Lucilene Martins, 44, também viajou cerca de 200 km para chegar ao local da prova. Ela veio de Limoeiro do Norte acompanhar a sua filha Gabriela Vitória, 18, que quer realizar o sonho de ser médica. Após o fechamento dos portões, Lucilene ficou à espera de Gabriela com os “dedos cruzados” do lado de fora do campus. “A torcida é muito grande para dar tudo certo”, contou. “Ela sempre disse que queria medicina. Já está decidido faz tempo. Eu, como mãe, tenho que dar todo o apoio possível”, completou.

Próxima etapa

A segunda fase do vestibular da Uece está programada para os dias 4 e 5 de julho, quando serão aplicadas as provas de redação e conhecimentos específicos, conforme o curso escolhido pelo candidato. O cartão com as informações dos candidatos e todas as etapas relacionadas ao vestibular estão disponíveis no site da instituição. Na aba Comissão Executiva de Vestibular, os candidatos também já podem acessar os gabaritos preliminares. O prazo para a apresentação de recursos vai até às 23h59 min desta segunda-feira, 21.