PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Escolas terão aulas durante o Carnaval; feriado será no segundo semestre

Após assembleia, o Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Ceará (Sinepe) decidiu pelo adiamento do feriado. Nova data será discutida com professores e outros profissionais da educação.

Leonardo Maia
22:32 | 01/02/2021
Escolas seguem funcionando cumprindo protocolo sanitário determinado por decreto estadual. (Foto: JÚLIO CAESAR)
Escolas seguem funcionando cumprindo protocolo sanitário determinado por decreto estadual. (Foto: JÚLIO CAESAR)

Atualizada às 22h53min

Escolas particulares do Ceará funcionarão durante o Carnaval, próximos dias 15, 16 e 17 deste mês. O feriado será adiado para o segundo semestre, em data que ainda será decida em conjunto com o Sindicato dos Professores e o Sindicato dos Auxiliares da Administração Escolar. A informação é do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Ceará (Sinepe).

A decisão, tomada em assembleia na tarde desta segunda-feira, 1º, visa atender à recomendação prevista em decreto estadual, para que as instituições de ensino funcionem normalmente no período do Carnaval. Além disso, o Executivo estadual vedou a concessão de ponto facultativo por todas as esferas de governo, assim como suspendeu quaisquer festas ou eventos comemorativos.

Para o Sinepe, o funcionamento durante o período faz parte da “missão cívica” para evitar aglomerações e viagens entre as cidades do Ceará. “Acreditamos que esse adiamento também deverá ser visto com bons olhos pelos professores”, ponderou o presidente do Sinepe, Airton de Almeida Oliveira. As formalidades necessárias para a concretização do adiamento devem ser concretizadas nos próximos dias pelo órgão.

Leia Também | 27,9% das escolas estaduais do Ceará voltam às aulas de forma híbrida

+ Agência Brasil: Ano letivo nas escolas privadas deve começar até março

Não há lei que defina que o Carnaval seja feriado no Ceará. O que há são decretos de ponto facultativo no serviço público, e convenções na iniciativa privada. Além dos profissionais da educação, setores do comércio, serviços e indústria negociam o adiamento com os sindicatos de trabalhadores.