PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Novo decreto contra pandemia no Ceará recomenda funcionamento normal de escolas no Carnaval

No último dia 12, sindicato definiu a manutenção do feriado nas instituições particulares

Marcela Tosi
19:12 | 30/01/2021
As aulas presenciais nas escolas particulares e públicas estão voltando em 2021. (foto: Barbara Moira/ O POVO) (Foto: Barbara Moira)
As aulas presenciais nas escolas particulares e públicas estão voltando em 2021. (foto: Barbara Moira/ O POVO) (Foto: Barbara Moira)

Atualizada às 13h30min de 1º de fevereiro de 2021

O novo decreto estadual contra a disseminação da Covid-19 no Ceará, publicado neste sábado, 30, recomenda que as instituições de ensino funcionem normalmente no período de Carnaval, entre os dias 15 e 17 de fevereiro.

LEIA TAMBÉM | Ceará fecha áreas de lazer de condomínio, reativa leitos e recomenda não viajar

LEIA TAMBÉM | Circulação entre Fortaleza e Interior deve ser proibida no Carnaval, diz Camilo

O documento mantém outras medidas já anunciadas. Está suspenso o ponto facultativo, por todas as esferas de Governo, no período definido em calendário para o Carnaval. Há ainda a proposição aos órgãos representativos competentes para a abertura do comércio, serviços e indústria no período.

Escolas particulares

No último dia 12, o Sindicato de Educação da Livre Iniciativa do Ceará (Sinepe-CE) definiu a manutenção do feriado de Carnaval nas instituições particulares. O Sindicato justificou que as datas de Carnaval e Quarta-feira de Cinzas são negociadas por meio de convenção coletiva e, por isso, o feriado será mantido.

Para docentes de educação básica e superior, cursos de idiomas, ensino profissionalizante e cursos livres, não haverá expediente na segunda, terça e quarta-feira de Carnaval. Auxiliares administrativos têm direito às mesmas datas, mas com retorno ao trabalho após o meio-dia da quarta-feira.

 

Sinepe

Em entrevista ao O POVO, Henrique Soárez, coordenador geral da força-tarefa de volta às aulas presenciais do Sinepe, afirma que o primeiro posicionamento do Sindicato se deve à compreensão de que a suspensão de ponto facultativo pelo Governo Estadual não caberia às entidades privadas. "Há umas duas ou três semanas, o governo entrou em contato perguntando se toparíamos colaborar. Desde o início, nossa resposta foi positiva. Pedimos somente que o governador se manifestasse publicamente mencionando as escolas, pois facilitaria costurar com o sindicato laboral essa movimentação do feriado", expõe.

"Na quinta-feira nos comunicaram que esse posicionamento estaria em decreto e a recomendação publicado no fim de semana", continua. "Nesse momento, a gente já estava trabalhando para isso." Na segunda-feira, 1º, às 17 horas, devem acontecer assembleia do Sinepe na qual será proposto o adiamento do feriado para o segundo semestre. "Essa conversa também está andando com o Sinpro (Sindicato dos Professores do Estado do Ceará). As duas estão andando bem", garante.