PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Em novo edital, Bicicletar deverá ter maior rigor com manutenção de bicicletas e estações

Os usuários poderão escolher a bicicleta que irão retirar mesmo utilizando o Bilhete Único. Essa possibilidade está disponível apenas via aplicativo ou ligação telefônica no sistema atual

13:37 | 15/05/2019
Estação do Bicicletar na Praça do Ferreira
Estação do Bicicletar na Praça do Ferreira(Foto: Fabio Lima/Fabio Lima)

O sistema de bicicletas compartilhadas de Fortaleza, Bicicletar, passará por mudanças com a divulgação de um novo edital, lançado no fim do mês de abril deste ano. Com instalação inicial de 210 estações, um maior rigor com a manutenção será uma das medidas que pode influenciar de forma mais prática no dia a dia dos usuários.

Leia o edital na íntegra

Quando identificar um problema, o ciclista poderá informá-lo ao sistema já na devolução. Por meio de um botão, disponível em cada posição até dois minutos depois da entrega, o usuário poderá comunicar que a bicicleta está com algum dos componentes danificado.

O sistema ainda terá um algoritmo, baseado em “diferentes comportamentos humanos e/ou sinais de sensores eletrônicos”, que irá detectar quando uma bicicleta está danificada e impedirá seu uso. As bicicletas com problemas serão registradas no banco de dados e aparecerão aos usuários como bloqueadas por meio do aplicativo.

Além disso, os usuários poderão escolher a bicicleta que irão retirar das estações mesmo utilizando o Bilhete Único, que continuará sendo uma forma gratuita de usar o sistema. Atualmente, a estação libera uma das bicicletas de forma aleatória quando se usa o cartão. A escolha de uma bicicleta específica só é permitida quando a retirada acontece via aplicativo ou telefone.

Os usuários que utilizam o sistema por meio do Bilhete Único terão também a possibilidade de fazer a retirada por meio do aplicativo, que apresentará informações sobre a rede cicloviária e bicicletários públicos disponíveis na Capital. O Bicicletar ainda contará com um serviço de texto, como o WhatsApp, para que os usuários entrem em contato.

Felipe Alves, engenheiro civil e integrante da Associação dos Ciclistas Urbanos de Fortaleza (Ciclovida), pontua que as mudanças são positivas para melhorar a qualidade do sistema. “O sistema em si funciona, mas problemas aparentemente pequenos, como um pneu vazio ou um freio mal regulado, podem impossibilitar o uso”, ressalta.

Alves celebra que as mudanças acontecerão sem uma mudança significativa no preço dos passes, o que não aconteceu em outras capitais, como São Paulo e Recife. Nessas cidades, o sistema passou por mudanças drásticas, mas acabou atingindo o usuário financeiramente.

A maior aumento será no passe mensal, que passará de R$ 10 para R$ 20. A taxa anual terá um aumento de um terço, passando de R$ 60 para R$80. Já o valor para o passe diário continua o mesmo (R$ 5). A intenção é atrair os turistas que visitam a Capital e usuários ocasionais a utilizarem o sistema. Em pontos estratégicos, como a orla, serão instalados totens, que facilitarão a compra de passes diários.

O POVO Online tentou contatar a Prefeitura de Fortaleza e a Serttel, atual empresa contratada para a operação do Bicicletar, mas não obteve respostas até a publicação desta matéria.

Estações maiores

No novo projeto, as estações devem ter uma média de 20 vagas, 66% maiores que as primeiras estações que foram instaladas na Capital, em dezembro de 2014. Há também a determinação de que se respeite o limite mínimo de 20% de bicicletas disponíveis em cada estação e máximo de 80%. O não-cumprimento dessas condições por 30 a 60 minutos, dependendo do fluxo da estação, irá gerar multas para a empresa.

Felipe Alves reclama que no sistema atual é comum encontrar estações vazias em horários de pico. Nesse sentido, o edital exige que a empresa adote a chamada “operação curral”, na qual a redistribuição é feita entre as estações por meio de carros.

FORTALEZA, CE, BRASIL, 14-12-2015: Bicicletar completa 1 ano e jornalista João Marcelo entra na história e visita algumas estações das bicicletas compartilhadas. (Foto: Rodrigo Carvalho/O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 14-12-2015: Bicicletar completa 1 ano e jornalista João Marcelo entra na história e visita algumas estações das bicicletas compartilhadas. (Foto: Rodrigo Carvalho/O POVO) (Foto: RODRIGO CARVALHO)

Caso o usuário se depare com estações sem vagas disponíveis, ele poderá usar o Bilhete Único para estender o tempo de uso, de 1 hora, em 15 minutos. Essa extensão, que atualmente só pode ser feita por ligação telefônica, também poderá ser efetuada por meio do aplicativo.

A ideia é que, nesse caso, o usuário tenha as informações de estações próximas com vagas disponíveis no próprio painel da estação. Essa opção, entretanto, é algo que o edital sugere e não coloca como uma exigência à empresa contratada.

Segurança

Todas as estações implementadas devem contar com câmera de monitoramento, conectadas a uma central, e alarme sonoro, que disparará em caso de tentativas de furto e vandalismo. Pelo menos 10% das bicicletas contarão com sistema de geolocalização, por meio de um GPS que será carregado nas estações.

Bicicletas elétricas

Após anúncio de um projeto-piloto com patinetes e bicicletas elétricas no 3º Seminário Internacional de Políticas Públicas Inovadoras para Cidades, realizado em março deste ano, o novo edital do Bicicletar afirma que é “desejável” que a empresa vencedora incorpore bicicletas elétricas no sistema. A recarga da bateria seria feita preferencialmente nas estações.

Mini-bicicletar

A cada 15 estações instaladas pelo Bicicletar, uma do Mini Bicicletar, projeto integrado ao sistema de bicicletas compartilhadas voltado às crianças, deverá ser implementada. A medida faz parte de um projeto educativo, que “visa promover o uso da bicicleta desde a infância”. A localização das estações é definida pela Prefeitura e contempla preferencialmente praças e espaços públicos.

Leonardo Maia