Participamos do

Mãe e filha vítimas de feminicídio eram professora e enfermeira da rede municipal de Acaraú

Ex-companheiro invadiu casa da família e matou a enfermeira e a mãe dela. A Prefeitura de Acaraú publicou notas de falecimento lamentando o caso que vitimou as duas servidoras
08:04 | Nov. 29, 2021
Autor Jéssika Sisnando
Foto do autor
Jéssika Sisnando Repórter
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Prefeitura de Acaraú publicou notas de pesar sobre o falecimento da professora da rede municipal Maria de Jesus Veríssimo, de 47 anos; e da filha dela, a enfermeira Kelry Veríssimo, de 24 anos. As duas foram vítimas de feminicídio. O ex-companheiro de Kelry invadiu a residência da família e a esfaqueou. A mãe, dona Maria de Jesus, tentou impedir a morte da filha, mas também foi lesionada e morreu. O pai de Kelry interviu para defender as duas, saiu ferido, mas sobreviveu.

A tragédia familiar aconteceu na zona rural de Acaraú e causou tristeza entre os moradores da região. Nas redes sociais, amigos e parentes lamentaram: "Minha amiga de faculdade, sempre de bem com a vida. Não consigo acreditar em tamanha brutalidade com alguém de coração enorme. Deus receba você e sua mãe", comentou uma amiga de Kelry.

Muitos alunos e professores também lamentaram a morte da professora Maria Veríssimo: "Lamentável. Uma guerreira. Trabalhei sete anos com ela. Sempre foi uma mulher exemplar. Meus sentimentos a família e amigos", relatou.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

De acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social, o ex-companheiro, de 29 anos, foi preso em flagrante pela Polícia Militar do Ceará. Ele foi levado à Delegacia de Cruz, no Ceará, onde foi autuado por duplo feminicídio.

LEIA MAIS: 

Ex-companheiro invade local de trabalho e mata mulher a facadas em Crateús

Mulher de 20 anos é morta e suspeito é o ex-companheiro; é o segundo feminicídio em 48h no Interior

Policiais são investigados por duas tentativa de feminicídio no Ceará

24 mulheres foram mortas vítimas de feminicídio entre janeiro e outubro em 2021 

 

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), 24 casos de feminicídio foram registrados no Ceará entre janeiro a outubro de 2021. Em 16 destes casos, houve a prisão dos suspeitos.
Em 2020, também foram registrados 24 casos de feminicídio, no período dos 10 primeiros meses. Nesse intervalo, 13 suspeitos foram detidos. 

No Ceará funcionam as Delegacias de Defesa da Mulher (DDMs), existentes nos municípios de Fortaleza, Pacatuba, Caucaia, Maracanaú, Crato, Iguatu, Juazeiro do Norte, Icó, Sobral e Quixadá. As unidades são coordenadas pelo Departamento de Polícia Judiciária de Proteção aos Grupos Vulneráveis (DPJGV) da PC-CE.

"Além disso, a Polícia Militar do Ceará (PMCE), por meio do Batalhão de Policiamento de Prevenção Especializada (BPEsp), atua nos casos com um protocolo específico, que consiste em ações de repressão, acompanhamento e escuta das vítimas, realizadas por agentes de segurança com uma formação diferenciada para o serviço".


 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags