Participamos do

Boeck celebra vaga na Libertadores: "Sacramenta um ressurgimento do Fortaleza"

No Pici desde 2017, goleiro destaca evolução do Tricolor a partir da saída da Série C e celebra classificação inédita para a competição continental: "Não tem dinheiro que pague"
17:04 | Dez. 05, 2021
Autor Afonso Ribeiro
Foto do autor
Afonso Ribeiro Repórter de Esportes
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Ídolo da torcida e presente no clube desde a saída da Série C até a inédita classificação para a Copa Libertadores de 2022, o goleiro Marcelo Boeck destacou a evolução do Fortaleza nos últimos cinco anos e a relevância da chegada à competição internacional, concretizada com a vitória por 1 a 0 sobre o Juventude-RS, na última sexta-feira, 3, na Arena Castelão.

"Parabéns para todos nós. O universo Fortaleza precisava e merecia um dia como esse, o dia que liberta. É um legado legal, dá para fazer uma história legal da Série C até aqui. Passa um filme realmente, de todas as dificuldades quando a gente chegou. Hoje (sexta-feira) eu estava concentrado no Pici... E você olhar para o Pici hoje, que já quase nem se chama mais Pici, é o Centro de Excelência. Pode dar essa alegria, dormir em uma Libertadores, fazer com que aquilo que era impossível há bem pouco tempo agora se torne inevitável. Nós estamos na Libertadores", celebrou o camisa 1.

"Toda a trajetória, em todos os anos, sempre teve um capítulozinho para engrandecer e coroar tudo isso hoje, com esse grande resultado. Nós sabíamos que ia ser difícil, mas 1 a 0 era a nossa goleada, era aquilo que nós queríamos. E não só eu, todas as pessoas que fazem o nosso dia a dia, os jogadores, a comissão, poder desfrutar de um dia como esse não tem dinheiro que pague. Se a gente pudesse voltar tudo, faria tudo de novo do mesmo jeito para poder viver um dia como hoje", garantiu.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Boeck chegou ao Tricolor em 2017, após deixar a Chapecoense-SC pouco tempo depois do trágico acidente aéreo. Foi titular absoluto até o final de 2018, até revezar a posição com Felipe Alves e depois se tornar reservar. No decorrer desta temporada, entre lesões e oscilações do camisa 12, assumiu de vez a vaga. No período, o arqueiro conquistou três títulos do Campeonato Cearense, um da Copa do Nordeste e um da Série B.

O camisa 1 tem contrato com o Leão até o final deste mês e tem a situação avaliada pela comissão técnica e pelo departamento de futebol acerca do futuro, em relação a renovação para próxima temporada ou despedida do clube.

"Sacramenta toda uma ressurreição, um ressurgimento do Fortaleza. Poder cumprir a palavra não tem dinheiro que pague. Você é ensinado pelos seus pais e ensina isso para os seus filhos. (...) A gente se compromete muito com esse momento do Fortaleza e poder estar vivendo isso, tão real... Quero dizer que o trabalho ainda não acabou, ainda temos dois jogos e queremos ir direto para a fase de grupos, não queremos só ir para a Libertadores. O Fortaleza merece isso, o grupo, o planejamento merecem isso", frisou.

"Depois de tudo que nós passamos, poder dar essa alegria para esse tanto de torcedores que vieram e que estão em casa, devolver um pouco mais desse orgulho, de amanhã poder estar todo mundo com a camisa do Fortaleza e falar que está na Libertadores. Isso é o futebol, é o que vale. Não tem dinheiro que pague isso. Sair com o sonho realizado, de cabeça erguida e poder viver isso é sensacional", afirmou.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags