Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Jorge Macedo, executivo do Ceará, descarta novas contratações para a lateral direita

O diretor de futebol do Vovô ainda comentou sobre a possibilidade de contratar um novo centroavante e analisou a situação do atacante Yony González
17:58 | Ago. 06, 2021
Autor - Mateus Moura
Foto do autor
- Mateus Moura Autor
Tipo Noticia

Nesta sexta-feira, 6, o executivo de futebol do Ceará, Jorge Macedo, participou de uma entrevista coletiva em Carlos de Alencar Pinto. O diretor descartou novas contratações para o setor da lateral direita, disse estar analisando a necessidade de um novo centroavante e comentou sobre a situação do colombiano Yony González.

No início da temporada, o Ceará perdeu o lateral-direito Samuel Xavier, uma das referências do clube nos últimos anos, que se transferiu para o Fluminense, e também o Eduardo, negociado com o América-MG. Diante das perdas, o Vovô precisou se movimentar no mercado para trazer um substituto. O escolhido foi Gabriel Dias. Apesar do bom início, o jogador não conseguiu manter a regularidade, foi suspenso pela briga na final da Copa do Nordeste diante do Bahia e sofreu com lesões recentes. Com a ausência de Gabriel, o jovem Buiú foi quem assumiu a titularidade do setor. Segundo o executivo, não faz parte dos planos contratar outro atleta para a posição.

" Nós fizemos a contratação no início da temporada do Gabriel Dias, que acabou tendo uma lesão, que o atrapalhou nos últimos jogos. Essa lesão já vinha de algum tempo, mas pela carga muito grande de partidas ele acabou não conseguindo ter sequência. Nós já tínhamos preparado a reposição com o Buiú, um atleta formado na base do Ceará. Desde o início tínhamos confiança nele, sabíamos que ele poderia dar conta do recado, e ele está tendo boas atuações. Temos também um menino na base, que gostamos muito, que é o Natan. Neste momento não vemos como possibilidade trazer outro jogador."

Além do atacante Cléber, o Vovô conta com outros dois centroavantes no elenco: Jael, que teve metade da sua pena convertida em doações pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e estará disponível para o duelo contra o Corinthians, pela 16ª rodada, e o recém-contratado Airton, que afirmou poder desempenhar a função. O diretor disse estar analisando o desempenho dos jogadores para avaliar se será necessário novas contratações para o setor.

"A saída do Saulo nós suprimos com a vinda do Erick e do Airton. O Airton pode jogar nesta função, centralizado. Temos o retorno do Jael, conseguimos tirar a pena dele. Com o Jael, Cléber, o Airton e temos também o Cristiano, que voltou de empréstimo e está jogando no sub-23. Estamos analisando essa posição, o desempenho, para ver se vamos necessitar de algum jogador ou não. Vamos esperar as próximas rodadas para fazer essa análise."

Anunciado como uma das principais contratações para a temporada, Yony González chegou sob muita expectativa do clube e dos torcedores. O colombiano, no entanto, não conseguiu se firmar no time titular. Em diversos jogos, inclusive, não figurou nem entre os jogadores do banco de reservas. Jorge Macedo associou o baixo desempenho do atleta à falta de sequência de partidas desde sua saída do Fluminense, no fim de 2019.

"O Yony teve um período de muito tempo sem jogar. Ele não joga praticamente desde a época do Fluminense. Ele chegou (no Ceará) um pouco fora de ritmo. Com muitas competições aqui, ele acabou não conseguindo ter essa evolução física e técnica. Nós estamos trabalhando em cima dele. Hoje, eu acho que ele se encontra em uma condição muito melhor do que chegou nessa parte física e técnica. Ele vem evoluindo. Claro que esperávamos que ele desse uma resposta mais rápida, mas é complicado um jogador que fica muito tempo sem jogar. Acho que isso atrapalhou muito o Yony, ele não conseguiu ter uma pré-temporada."

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Em comum acordo, Ceará anuncia rescisão do zagueiro Jordan

De saída
17:46 | Ago. 06, 2021
Autor Afonso Ribeiro
Foto do autor
Afonso Ribeiro Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

Reforço para a temporada 2021, o zagueiro Jordan encerrou a passagem pelo Ceará. Nesta sexta-feira, 6, o clube de Porangabuçu anunciou a rescisão de contrato em comum acordo com o defensor de 22 anos, que estava emprestado pelo Cianorte-PR até o final do ano.

Após disputar a Série B do Campeonato Brasileiro pelo Botafogo-SP, o camisa 33 chegou ao Alvinegro em fevereiro e disputou dez partidas no total: três no Campeonato Cearense, uma na Copa do Nordeste, duas na Copa do Brasil, duas na Copa Sul-Americana e outras duas na Série A.

Sem espaço no elenco, Jordan também chegou a ser utilizado pela equipe sub-23 no Brasileiro de Aspirantes. Com a saída do zagueiro, o elenco principal fica com cinco opções para o setor: Alan Uchôa, Gabriel Lacerda, Luiz Otávio e Messias, além de Klaus, que lesionou o ombro e foi submetido a cirurgia.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Ceará pede conversão de pena para o atacante Jael, último suspenso por briga

Justiça Desportiva
00:30 | Ago. 06, 2021
Autor Brenno Rebouças
Foto do autor
Brenno Rebouças Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Depois de Gabriel Dias e Mendoza, foi a vez do departamento jurídico do Ceará pedir a conversão do restante da pena de Jael em medidas de interesse social. A solicitação foi feita ontem e o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) não tem prazo para responder.

Jael foi apenado com dez partidas de suspensão pelo Tribunal Pleno do STJD, no dia 15 de julho, devido a participação na confusão da final da Copa do Nordeste. Ele havia cumprido duas partidas da primeira punição, imposta pela terceira comissão disciplinar, portanto, efetivamente, precisaria ficar oito jogos fora.

Pelo Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), porém, quando o réu cumpre metade da pena, pode solicitar a conversão do restante. Com mais três jogos suspensos, portanto, o clube poderia solicitar o benefício. Jael não jogou contra Athletico-PR, Sport-PE e Fortaleza pela Série A do Campeonato Brasileiro.

Havia uma dúvida se a partida contra o Furacão, pela 12ª rodada, contaria como pena, já que o jogador também estava suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Via assessoria, o clube esclareceu nesta quinta que a partida contou, sim, mas ressaltou que caso o Ceará consiga a conversão, Jael ainda terá que cumprir a suspensão pelo terceiro amarelo. Isso significa que se o jogador for liberado antes do jogo contra o Atlético-GO, ainda assim não poderá jogar, somente na partida seguinte.

O Ceará aguarda o despacho. Mendoza e Gabriel Dias tiveram de pagar valores na casa dos R$ 30 mil para ter o restante das suspensões convertidas em doações para instituições de amparo.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Bom mandante, Ceará tentará melhorar números contra o Atlético-GO

Forte em casa
00:30 | Ago. 06, 2021
Autor Brenno Rebouças
Foto do autor
Brenno Rebouças Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A marca do Ceará na Série A de 2020 foi ser um visitante indigesto. O Vovô conquistou metade dos 52 pontos que fez ano passado jogando na casa do adversário, fechando o G-4 deste quesito após 38 rodadas do Campeonato Brasileiro.

Na atual edição, porém, o Vovô tem seguido o caminho mais tradicional e fez do seu quintal um território minado para quem o visita. Dos 22 pontos que o Alvinegro faturou em 14 rodadas, 16 foram na condição de mandante. São cinco vitórias, um empate e uma derrota, o que significa um aproveitamento de 76,2%, o mesmo do Atlético-MG.

Ceará e Galo só são menos letais em casa que Palmeiras e Fortaleza, que não perderam para ninguém nos respectivos campos. Sobre o maior rival, um adento. O Clássico-Rei de domingo passado, de vitória alvinegra, só entra na conta do mandante, o Vovô. Por outro lado, o time comandado por Guto Ferreira foi quem interrompeu uma sequência de 19 jogos do Tricolor no Castelão sem saber o que é derrota.

É em casa que o ataque alvinegro também se sente melhor. A maioria dos gols que o time marcou na Série A foram atuando na “Arena Vozão”, como o time chama o Castelão quando manda partidas lá. Dos 17 tentos totais do Ceará, 13 foram feitos em solo alencarino. A artilharia “caseira” é divida por Rick, Jorginho, Lacerda, Saulo Mineiro — que foi vendido para o futebol japonês — e Cléber. Todos balançaram as redes duas vezes.

No mês de agosto, os planos da diretoria do Ceará são de jogar algumas partidas em seu próprio estádio, o Carlos de Alencar Pinto. Para isso, a sede do clube, em Porangabuçu, está como um canteiro de obras, adaptando o local para as exigências da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), principalmente com adaptações para instalação de cabines para árbitro de vídeo (VAR). O clube não dá uma data certa para o término dos trabalhos no local.

A ideia de jogar onde treina tem muito a ver com a qualidade do gramado do Castelão, que apresenta problemas pela alta carga de jogos que sofreu do ano passado para cá. No Clássico-Rei, inclusive, Mendoza chegou a errar dois escanteios devido ao problema e, revoltado, arrancou grama com vários chutes no local.

Fato é que mesmo sem a condição ideal, o Gigante da Boa Vista tem rendido boa campanha ao Vovô e domingo, 8, mais três pontos podem ser conquistados lá. O Ceará vai receber o Atlético-GO, pela 15ª rodada da Série A, às 18h15min.

Apesar da boa fase em casa, não se pode baixar a guarda. O Dragão tem se mostrado perigoso quando atua longe de seus domínios. É o quinto visitante mais indesejado, tendo conquistado mais da metade dos pontos na casa dos adversários. Foram três vitórias, um empate e um revés, com sete gols marcados. (Colaborou Horácio Neto / Especial para O POVO)

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Ceará pede ao STJD conversão de pena para o atacante Jael

Justiça Desportiva
20:16 | Ago. 05, 2021
Autor Brenno Rebouças
Foto do autor
Brenno Rebouças Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

Depois de Gabriel Dias e Mendoza, foi a vez do departamento jurídico do Ceará pedir a conversão do restante da pena de Jael em medidas de interesse social. A solicitação foi feita nesta quinta-feira, 5, e o STJD não tem prazo para responder.

Jael foi apenado com dez partidas de suspensão pelo Tribunal Pleno do STJD, no dia 15 de julho, devido participação na confusão da final da Copa do Nordeste. Ele havia cumprido duas partidas da primeira punição, imposta pela terceira comissão disciplinar, portanto, efetivamente, precisaria ficar oito jogos fora.

Pelo Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), porém, quando o réu cumpre metade da pena, pode solicitar a conversão do restante. Com mais três jogos suspensos, portanto, o clube poderia solicitar o benefício. Jael não jogou contra Athletico-PR, Sport-PE e Fortaleza pela Série A do Brasileiro.

Havia uma dúvida se a partida contra o Furacão, pela 12ª rodada, contaria como pena, já que o jogador também estava suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Via assessoria, o clube esclareceu nesta quinta que a partida contou sim, que se o Ceará conseguir a conversão, Jael ainda terá que cumprir a suspensão pelo terceiro amarelo. Isso significa que se o jogador for liberado antes do jogo contra o Atlético-GO, ainda assim não poderá jogar, somente na partida seguinte.

O Ceará aguarda o despacho da justiça desportiva. Mendoza e Gabriel tiveram que pagar valores na casa dos R$ 30 mil reais, para ter o restante das suspensões convertidas em doações para instituições de amparo.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Clubes e FCF entregam protocolo ao Governo do Estado por volta do público aos estádios

Futebol cearense
18:00 | Ago. 05, 2021
Autor Afonso Ribeiro
Foto do autor
Afonso Ribeiro Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

O protocolo elaborado por Ceará, Fortaleza e Federação Cearense de Futebol (FCF) acerca da liberação de torcida nos estádios já está nas mãos do Governo do Estado. Os clubes e a entidade responsável pelo futebol local encaminharam o documento, que solicita liberação de 40% de público nos jogos, e aguardam o parecer, apurou o Esportes O POVO.

No início desta semana, dirigentes de Vovô e Leão se reuniram com a Federação para finalizar o protocolo, que já era discutido há algumas semanas. As partes estabeleceram o pedido de liberação de 40% da capacidade do estádio seguindo dois requisitos: imunização completa pela vacina (duas doses ou dose única, no caso da Janssen) ou teste PCR para Covid-19 em até 48 horas antes da partida.

No caso da Arena Castelão, palco dos jogos de alvinegros e tricolores, seriam cerca de 24 mil pessoas com acesso - a capacidade total atual do estádio é de 60 mil torcedores.

Protocolo do futebol cearense para volta da torcida aos estádios:

  • Liberação de 40% de público
  • Torcedores imunizados pela vacina ou testados até 48 horas antes do jogo

O documento foi enviado à Secretaria de Saúde do Governo, e os clubes e a FCF têm a expectativa de que o tema entre em pauta na reunião semanal do Comitê estadual de combate à pandemia, na próxima sexta-feira, 6, apurou o Esportes O POVO.

Com relação de parceria fora dos gramados, Ceará e Fortaleza já conversavam sobre a volta do público há alguns meses e se movimentavam nos bastidores. Uma empresa de tecnologia chegou a firmar parceria para disponibilizar um aplicativo que controlaria a entrada dos torcedores no estádio de acordo com o protocolo - a operação deverá ser assumida pelos próprios clubes, no entanto.

No mês passado, a Federação e os dois clubes chegaram a marcar uma reunião com a Secretaria de Saúde para discutir a possibilidade de público no Clássico-Rei da Série A, no último dia 1º, mas o pleito perdeu força sem retorno do Estado e sem apoio da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

A entidade máxima do futebol nacional planeja libera a presença de público nas competições que organiza a partir das quartas de final da Copa do Brasil, no final deste mês de agosto - o que incluiria o Fortaleza. Em paralelo, o Flamengo-RJ recorreu ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e conseguiu liminar para ter público nas partidas como mandante em torneios nacionais, o que irritou a CBF em razão de decisão coletiva dos clubes sobre o tema antes da Série A.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags