Participamos do

Covid-19: Anvisa nega pedido de uso da Coronavac em crianças e adolescentes

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) votou decisão nesta quarta-feira, 18
19:53 | Ago. 18, 2021
Autor Ana Rute Ramires
Foto do autor
Ana Rute Ramires Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Atualizada às 21 horas

Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não autorizou a ampliação de uso emergencial da Coronavac para crianças acima de 3 anos no Brasil. Área técnica deu parecer negativo por falta de informações suficientes para confirmar segurança e eficácia nessa faixa etária. Relatora votou contra, e os outros quatro diretores acompanharam posição. Eles cobraram dados sobre o desempenho da vacina em adultos. 

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A Agência realizou votação na tarde desta quarta-feira, 18, para decidir acerca do benefício-risco da vacina e do pedido de ampliação do uso emergencial do imunizante para crianças em Reunião Extraordinária da Diretoria Colegiada da Anvisa (Dicol). 

A diretora relatora Meiruze Freitas, da Segunda Diretoria, votou pela não aprovação da ampliação de uso do imunizante para a população pediátrica. Ela determinou que o Instituto Butantan apresente dados complementares de imunogenicidade e de acompanhamento da população adulta.

LEIA MAIS | Terceira dose da vacina contra Covid-19 deve começar por idosos e profissionais de saúde

A relatora votou pela manutenção da autorização temporária de uso emergencial em caráter experimental da vacina Coronavac, considerando a continuidade da relação benefícios versus riscos favorável. Meiruze indicou ainda que o Programa Nacional de imunização (PNI) considere a possibilidade de indicação de dose de reforço, em caráter experimental, a grupos prioritários que já receberam duas doses, destacando pacientes imunocomprometidos e idosos principalmente acima de 80 anos. 

Veja lista de diretores:

Meiruze Freitas (relatora e 2ª Diretoria): contra 
Rômison Mota (4ª Diretoria): contra
Alex Machado Campos (5ª Diretoria): contra
Cristiane Jourdan Gomes (3ª Diretoria): contra
Antonio Barra Torres (1ª Diretoria e Presidência da Anvisa): contra

Relatórios técnicos 

Em sua apresentação, Gustavo Mendes, da Gerência Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos (GGMED), afirmou que os dados apresentados até o momento são insuficientes para estabelecer o perfil de segurança na população pediátrica. Segundo ele, informações disponibilizadas também não permitem o conhecimento sobre a proteção e sua duração conferida pela vacina na população. 

Outras vacinas

Apenas um imunizante contra a Covid-19 pode ser aplicado em adolescentes no Brasil. A Anvisa autorizou a indicação da vacina Comirnaty, da Pfizer, para crianças com 12 anos de idade ou mais. Com isso, a bula da vacina passará a indicar essa nova faixa etária para o Brasil. Essa faixa etária já foi incluída no Plano Nacional de Imunização (PNI) pelo Ministério da Saúde (PNI). Além disso, o laboratório Janssen recebeu autorização para condução de estudo com menores de 18 no Brasil.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags