PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

13 estabelecimentos são autuados e sete interditados no fim de semana em Fortaleza

Foram realizadas um total de 44 ações entre a sexta-feira, 19, até a noite do último domingo, 21. Paredões de som também foram apreendidos.

Marília Freitas
09:47 | 22/02/2021
 Fiscalização no Centro de Fortaleza verificando cumprimento das medidas do novo decreto (Foto: Thais Mesquita/ O Povo)
Fiscalização no Centro de Fortaleza verificando cumprimento das medidas do novo decreto (Foto: Thais Mesquita/ O Povo)

Atualizada às 13h

Entre a sexta-feira, 19, até o domingo, 22, a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis) fiscalizou junto de outros órgãos públicos um total de 44 estabelecimentos na Capital. Desses, 13 foram autuados e outros sete interditados por não estarem cumprindo as medidas como distanciamento social, uso de máscaras e o horário de funcionamento estabelecido pelo decreto especial. As informações foram divulgadas em live nesta segunda-feira, 22, pela titular da pasta, Laura Jucá, e pelo titular da Secretaria da Segurança Cidadã (Sesec), coronel Eduardo Holanda.

Além das ações de fiscalização em estabelecimentos comerciais e logradouros públicos, a Agefis também apreendeu sete paredões de som nos bairros Jóquei Clube, Vila Peri, Barra do Ceará e Joaquim Távora. Laura reforçou que o uso de paredão de som em vias públicas é proibido em Fortaleza, sob multa de até R$ 1.404.

Segundo a titular, a população vem cooperando e está mais sensível aos decretos, respeitando o toque de recolher das 22h às 5h e não utilizando espaços públicos depois das 17h. Este foi o primeiro fim de semana com a medida mais restritiva.

"Os estabelecimentos, cada vez mais, estão respeitando os horários de funcionamento permitidos. De nada adiantam os esforços dos fiscais e dos guardas municipais se a população não for nossa parceira”, declarou em transmissão ao vivo pelas redes sociais.

Foram ainda cerca de 6 mil abordagens nas barreiras sanitárias da Capital de entrada e saída do município, segundo Eduardo. Para o coronel e a titular da Agefis, a população de Fortaleza vem sendo sensível à questão de não aglomeração e vem respeitando a não utilização de espaços públicos após as 17 horas, além do toque de recolher, que estão entre as medidas instauradas pelo último decreto em vigor por dez dias.

Todas as atividades da Agefis no fim de semana contaram com ajuda da Polícia Militar e da Guarda Municipal (GMFor), da Inspetoria de Proteção Ambiental (Ipam), da Autarquia Municipal de Trânsito e Cidadania (AMC) e do Batalhão de Polícia de Meio Ambiente (BPMA). Ambos reforçaram, ainda, os canais de denúncia da Agefis:

Em Fortaleza, as fiscalizações têm acontecido com base em dados de bairros ou regiões com maiores índices de contaminação, além de buscas ativas e denúncias da população, segundo informou a Agência de Fiscalização de Fortaleza (Agefis). O órgão pode ser acionado por meio do aplicativo Fiscalize Fortaleza (disponível para Android e IOS), do site denuncia.agefis.fortaleza.ce.gov.br e do telefone 156. Já a Vigilância Sanitária do município pode ser chamada por meio dos canais 150,3252-2155, 3252-1571 e 3252-1587.

Entenda o novo decreto

O novo decreto com novas medidas de combate à Covid-19 no Ceará foi anunciado na noite de quarta e entrou em vigor desde o último dia 18, e segue válido até o dia 28 de fevereiro. O documento determina “toque de recolher”, limita funcionamento de atividades e renova barreiras sanitárias.

Veja os principais pontos:

>> Com novo decreto, saiba o que pode e o que não pode no Ceará

>> Delivery segue funcionando fora de horários restritos com o novo decreto; entenda


>> Veja como fica o transporte intermunicipal com o novo decreto

>> Com novo decreto, saiba o que pode funcionar após as 20 horas

>> Com o novo decreto, entenda como fica o teletrabalho

>> Saiba como denunciar aglomerações, festas e outras medidas de descumprimento do decreto estadual

>> Toque de recolher: praças, areninhas e calçadões e praias são fechados às 17 horas]

>> Parques aquáticos, até de barracas de praia, não poderão funcionar no Ceará