PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Com menos leitos, Hospital Leonardo da Vinci está com 77% de ocupação em leitos para Covid-19

Em meados de maio, a unidade hospitalar estava com 150 leitos de UTI e 66 leitos de enfermaria, todas para atendimento específico à Covid-19. Hoje, são 34 de UTI e 66 de enfermaria

11:06 | 14/10/2020
FORTALEZA, CE, BRASIL, 05.10.2020: Movimentação no Hospital Leonardo da Vinci. em época de COVID-19.  (Foto: Aurelio Alves/ O POVO). (Foto: Aurelio Alves/ O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 05.10.2020: Movimentação no Hospital Leonardo da Vinci. em época de COVID-19. (Foto: Aurelio Alves/ O POVO). (Foto: Aurelio Alves/ O POVO)

O Hospital Leonardo Da Vinci segue com sua taxa de ocupação em 77% na manhã desta quarta-feira, 14. Referência em atendimentos para a Covid-19 no Ceará, a unidade está com uma capacidade operacional ativa de 34 leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e 66 leitos de enfermaria.

Segundo assessoria de comunicação da unidade informou O POVO, o hospital está atendendo "conforme a demanda e a evolução da curva (de casos), pronto para aumentar ou reduzir leitos e adequar o quantitativo às necessidades de internação". A redução nos leitos destinados à Covid-19 no Leonardo Da Vinci vem acontecendo desde agosto.

Em meados de maio, a unidade hospitalar estava com 150 leitos de UTI e 66 leitos de enfermaria, todos para atendimento específico à Covid-19. O Leonardo da Vinci estava desativado e voltou a funcionar em março deste ano para ser unidade de apoio aos casos do novo coronavírus no Estado.

LEIA TAMBÉM | Confira imagens internas do Hospital Leonardo da Vinci, voltado para atender casos de coronavírus

Alterações em outras estruturas hospitalares da Capital já estão sendo realizadas diante da queda dos índices da pandemia. O Hospital de Campanha no Estádio Presidente Vargas foi desativado no último dia 21 de setembro, após mais de mil atendimentos.

O cenário de queda da doença no Ceará é uma realidade, segundo a média móvel de casos confirmados. A metodologia é utilizada pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesa) para monitorar o avanço da doença.

A média móvel é o número de casos confirmados por um intervalo de sete dias dividido pelo número sete. O resultado mostra uma média de casos da doença no período e tem o intuito de corrigir algum erro na contabilização dos casos confirmados.

LEIA TAMBÉM | Encontros e despedidas, uma versão da pandemia