PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Transmissão comunitária da Covid-19 no Brasil começou no início de fevereiro, aponta estudo

Estudo aponta que novo coronavírus circulou por até quatro semanas sem ser detectado na Europa e Américas

Catalina Leite
13:19 | 21/05/2020
Na Europa, por exemplo, a circulação da doença começou aproximadamente em meados de janeiro na Itália e entre final de janeiro e início de fevereiro, na Bélgica, França, Alemanha, Holanda, Espanha e Reino Unido (Foto: Divulgação/Jefferson Mendes)
Na Europa, por exemplo, a circulação da doença começou aproximadamente em meados de janeiro na Itália e entre final de janeiro e início de fevereiro, na Bélgica, França, Alemanha, Holanda, Espanha e Reino Unido (Foto: Divulgação/Jefferson Mendes)

O Sars-Cov-2 começou a se espalhar no Brasil por volta da primeira semana de fevereiro, 20 dias antes do primeiro caso diagnosticado no País, no dia 26 de fevereiro. É o que indica um trabalho do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), que analisou o registro de mortos por Covid-19 para inferir o início da circulação do coronavírus.

Com a carência de testes de diagnóstico e o grande percentual de infecções assintomáticas, o crescimento exponencial do número de mortes nas primeiras semanas de surto eram os dados mais confiáveis sobre o progresso da doença. A partir disso, outra conclusão é de que o período de transmissão comunitária iniciou quase 40 dias antes das primeiras confirmações oficiais do tipo, em 13 de março.

Na Europa, por exemplo, a circulação da doença começou aproximadamente em meados de janeiro na Itália e entre final de janeiro e início de fevereiro, na Bélgica, França, Alemanha, Holanda, Espanha e Reino Unido. O começo de fevereiro também foi o período de início da disseminação na cidade de Nova York, nos Estados Unidos, de acordo com o estudo. Já na China, o governo conseguiu encontrar o que indica ser um dos primeiro casos de Covid-19 ainda em novembro de 2019.

A circulação desapercebida da Covid-19 semanas antes da implementação de medidas de controle é alertada pelos pesquisadores. “Esse período bastante longo de transmissão comunitária oculta chama a atenção para o grande desafio de rastrear a disseminação do novo coronavírus e indica que as medidas de controle devem ser adotadas, pelo menos, assim que os primeiros casos importados forem detectados em uma nova região geográfica”, afirma coordenador da pesquisa, Gonzalo Bello.

LEIA TAMBÉM | Fortaleza segue em lockdown até 31 de maio e Estado fará novas recomendações ao Interior

Novo decreto recomenda lockdown em municípios do Interior do Ceará mais atingidos por coronavírus

2 mil óbitos por Covid-19 são registrados no Ceará; com 30.714 confirmações da doença

Camilo planeja retomada se quadro melhorar

Para os pesquisadores, os resultados reforçam a importância de implementar ações permanentes de vigilância molecular, uma vez que o novo coronavírus pode voltar a circular e causar surtos ao longo dos próximos anos. “Este tipo de análise é um aporte valioso da ciência para a Saúde Pública, na medida em que ajuda a elucidar uma lacuna de tempo imediatamente anterior à detecção inicial de casos”, completa o coordenador do estudo.

A pesquisa foi realizada pelo Laboratório de AIDS e Imunologia Molecular do IOC/Fiocruz em parceria com Fiocruz-Bahia, Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e Universidade da República (Udelar), no Uruguai. Os resultados foram publicados na revista científica Memórias do Instituto Oswaldo Cruz.