Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

John Amplificado domina Spotify e Deezer com apenas uma música lançada

Publicada no início de agosto, "Chega e Senta" é o sucesso do momento nas plataformas de música do País
10:13 | Set. 01, 2021
Autor Ana Flávia Marques
Foto do autor
Ana Flávia Marques Jornal
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

"Chega e Senta" é o único single de John Amplificado no Spotify e bastou apenas ele para estourar na música. A faixa alcançou o primeiro lugar do Top 50 Brasil no Spotify e também da playlist Top Brasil do Deezer. Já são mais de 14 milhões de visualizações no YouTube e 15 milhões de streams em apenas uma das plataformas.

Natural de Recife (PE), John, hoje aos 25 anos, aprendeu a tocar violão aos 11. Com 15 anos, deu os primeiros passos na carreira artística, criando o grupo “John e Banda Geração” e lançando seu primeiro CD. O cantor tem um vasto repertório de composições e já viajou todo o Nordeste com o projeto "Espelho Meu". Na nova fase da carreira, porém, até agora só lançou "Chega e Senta".

A música mistura sertanejo, piseiro e arrocha, estilos que estão cada vez mais se destacando no cenário nacional. O cantor viu a faixa crescer após o cantor Henrique, da dupla sertaneja com Juliano, viralizar em um vídeo cantando o novo hit. Outros famosos como Maiara, da dupla com Maraisa, o ex-BBB Arthur Picoli e a influencer Gkay também já compartilharam vídeos dançando a música.

Desde o lançamento da canção no dia 6 de agosto, John cresceu 47% na Deezer, além de alcançar o 2º lugar no 'trending artists' (ranking que mostra os artistas que mais cresceram na Deezer) no Brasil e em 4º lugar no ranking de 'trending tracks' no mundo.

São Paulo é a cidade que mais ouviu o hit, seguida por Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Recife e Brasília. Já os países, após o Brasil, estão os Estados Unidos, seguido por França, Irlanda e Paraguai. A faixa etária que mais distribui streams para a artista é a de 26 a 35 anos (50%), logo depois vem a de 18 a 25 anos (31%).

Confira o clipe de "Chega e Senta":

Podcast Vida&Arte
O podcast Vida&Arte é destinado a falar sobre temas de cultura. O conteúdo está disponível nas plataformas Spotify, Deezer, iTunes, Google Podcasts e Spreaker.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

5° Festival Acordes do Amanhã

00:30 | Set. 01, 2021
Autor
Tipo Notícia

Quando: de hoje a 15 de setembro
Onde: Quitanda Soluções Criativas no Youtube
Programação completa: festivalacordesdoamanha.com.br

Podcast Vida&Arte
O podcast Vida&Arte é destinado a falar sobre temas de cultura. O conteúdo está disponível nas plataformas Spotify, Deezer, iTunes, Google Podcasts e Spreaker.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Programação de hoje

00:30 | Set. 01, 2021
Autor
Tipo Notícia

18 horas – Nega Lu
18h30min – Pife pro Mundo
19 horas – Navidon
19h30min – Xandú
20 horas – Daniel Brendow
20h30min – Gabriel Yang

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Acordes do Amanhã reúne 100 atrações de diferentes cidades do Ceará

Festival
00:30 | Set. 01, 2021
Autor Vida&Arte
Foto do autor
Vida&Arte Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Com uma programação voltada à produção autoral de artistas cearenses, a edição #MúsicasQueAbraçam do Festival Acordes do Amanhã inicia programação hoje, em formato de pocket shows. Com início às 18 horas, o público vai poder conferir os shows nas redes sociais dos artistas e por meio do canal da Quitanda Soluções Criativas, no YouTube. A programação segue até o dia 15 de setembro e pode ser conferida no site oficial do evento: festivalacordesdoamanha.com.br. As apresentações são gratuitas e acontecem de segunda a sexta a partir das 18 horas e aos sábados e domingos a partir das 16 horas.

O line-up do evento conta com 100 atrações divididas da seguinte forma: de segunda a sexta-feira, o público vai conferir uma sequência de shows de seis atrações e aos sábados e domingos nove shows por dia. As apresentações terão no mínimo 30 minutos de duração. Hoje estarão nos palcos virtuais do festival: Nega Lu, Pife pro Mundo, Navidon, Xandú, Daniel Brendow e Gabriel Yang.

Em sua quinta edição, o festival conta com atrações de onze cidades cearenses: Fortaleza, Caucaia, Juazeiro do Norte, Crato, Sobral, Guaramiranga, Eusébio, Varjota, Pacatuba, Quixadá e Itapipoca. O evento une diferentes gêneros e estilos diversos, como: samba, rock, pop, MPB, indie, reggae, guitarrada, blues-rock, forró, hip hop, Jazz, choro, tecno, maracatu, infantojuvenil, entre outros.

Além da programação virtual, será gravado um web programa na Casa de Vovó Dedé, somente com artistas convidados e equipe técnica, seguindo todos os protocolos de segurança vigentes determinados pelas autoridades sanitárias no período. O programa será exibido no último dia do evento, 15 de setembro, no canal da Quitanda Soluções Criativas no YouTube.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Plataformas digitais

00:30 | Set. 01, 2021
Autor
Tipo Notícia

Podcast disponível no Spotify

Podcast Vida&Arte
O podcast Vida&Arte é destinado a falar sobre temas de cultura. O conteúdo está disponível nas plataformas Spotify, Deezer, iTunes, Google Podcasts e Spreaker. Confira o podcast clicando aqui

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Panorama da carreira

Contexto
00:30 | Set. 01, 2021
Autor
Tipo Notícia

Aos 51 anos, Mano Brown tem uma trajetória extensa: rapper do Racionais MC's desde o início da vida adulta, influenciou uma geração de brasileiros e abriu espaço para novos artistas negros se destacarem no rap. Com dezenas de músicas que abordam suas experiências pessoais e as desigualdades do Brasil, seu objetivo atual é continuar sendo útil nos diálogos que propõe.

"A gente vai aprendendo novas maneiras com o decorrer do tempo. O que era relevante na década de 1990 não é relevante hoje. O que era relevante nos anos 1960, com os Beatles, Elvis Presley, Jimi Hendrix, Guerra do Vietnã, movimento hippie, não era relevante em 1980. Agora, há uma população jovem que quer viver o hoje", comenta.

Segundo ele, a juventude negra atual quer chegar ainda mais longe do que a geração dele. "A minha geração lutava por direitos básicos, educação, comer, ler, escrever, ter uma roupa pra vestir… Eu andava quilômetros pra pegar um ônibus. Isso não cabe pra 'molecada' de hoje, é uma nova perspectiva", diz.

"'Matuê, Djonga, Orochi... Tem que quebrar esse preconceito, falar o nome desses caras que tão balançando, Hungria, Rincon, Rael, Kayblack, Caverinha, Kyan... Toda essa inteligência emergente. Eles que são o ouro, o diamante. Eles falam com os jovens", afirma.

Avalia, porém, que ainda há pessoas que não querem ver o negro rico, principalmente, no Brasil. "Dizem: 'ah, esse moleque está rico', 'bom é o fulano que está pobre até hoje'. Bom é ver o preto bem, isso é que é o ouro. Esse movimento que está vindo agora, de uns anos pra cá, é ouro. O Emicida, cara, está dando aula em Portugal, tem que exaltar", cita.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags