PUBLICIDADE
Ceará
Noticia

Vacinação contra gripe no Ceará: confira tira-duvidas

No último dia 11 de maio, a campanha contra Influenza avançou para a segunda fase da imunização, abrangendo idosos a partir de 60 anos e professores. Grupo prioritário da primeira fase ainda pode se vacinar nos pontos de imunização

Mirla Nobre
16:05 | 19/05/2021
No dia 11 de maio, começou a segunda etapa da vacinação contra gripe. Idosos com 60 anos ou mais e professores estão recebendo o imunizante (Foto: Thais Mesquita)
No dia 11 de maio, começou a segunda etapa da vacinação contra gripe. Idosos com 60 anos ou mais e professores estão recebendo o imunizante (Foto: Thais Mesquita)

A 23ª Campanha de Vacinação contra a Gripe teve início no dia 12 de abril e segue até o próximo dia 9 de julho deste ano. No Ceará, 3,2 milhões de pessoas, que fazem parte dos grupos prioritários, devem receber o imunizante contra a Influenza H1N1. Coordenado pelo Ministério da Saúde (MS), a campanha busca imunizar pelo menos 90% do público-alvo, entre crianças, gestantes, puérperas, idosos acima de 60 anos, professores, indígenas, trabalhadores da área da saúde, entre outros profissionais.

Neste ano, duas campanhas ocorrem simultaneamente: a vacinação contra a Covid-19, que teve início no dia 18 de janeiro, e a da gripe. Conforme o MS, a população deve respeitar o intervalo de 14 dias entre as duas imunizações. Atualmente, a campanha de vacinação contra a gripe está na 2ª fase, iniciada no dia 11 de maio. Porém, quem faz parte do primeiro grupo prioritário ainda pode se vacinar nos locais de vacinação. 

LEIA MAIS | Com baixa adesão, Sesa reforça campanha de vacinação contra gripe no Ceará

Confira abaixo tira-dúvidas do O POVO com as principais dúvidas da vacinação contra a gripe no Ceará:

Quem pode tomar a vacina contra a gripe?


1ª Fase (12/4 até 10/05): crianças (entre 6 meses e 6 anos), gestantes e puérperas, povos indígenas, trabalhadores de saúde;
2ª Fase (11/05 até 8/6): idosos a partir de 60 anos e professores;
3ª Fase (9/6 até 9/07): pessoas com comorbidades ou deficiências permanentes, caminhoneiros, trabalhadores do transporte coletivo rodoviário, trabalhadores portuários, membros das forças de segurança e salvamento, forças armadas, funcionários do sistema prisional, jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas e população privada de liberdade

Quais documentos devem ser apresentados para tomar a vacina contra gripe?

- Gestantes: não haverá exigência quanto à comprovação da situação gestacional, sendo suficiente para a vacinação que a própria mulher afirme o estado de gravidez;

- Puérperas: deverão apresentar documento que comprove o puerpério, como certidão de nascimento, cartão da gestante, documento do hospital onde ocorreu o parto, entre outros;

- Professores: deverão apresentar documento que comprove a vinculação ativa como professor em escolas;

- Idosos a partir dos 60 anos: apresentar documento que comprove a idade;

- Forças de segurança e salvamento/forças armadas: deverão receber a vacina influenza mediante apresentação de documento que comprove a vinculação ativa nas forças de segurança/salvamento e armadas;

- Pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais: apresentar qualquer comprovante que demonstre pertencer a um destes grupos de risco, como exames, receitas, relatório médico e/ou prescrição médica;

- Pessoas com deficiência permanente: no ato da vacinação, será considerada deficiência autodeclarada;

- Caminhoneiros: apresentar documento que comprove o exercício efetivo da função de motorista profissional do transporte rodoviário de cargas (caminhoneiro);

- Trabalhadores de transporte coletivo rodoviário e portuários: deverão apresentar documento que comprove o exercício efetivo da função nas categorias.

Quais os locais onde ocorre a vacinação contra a gripe?

Em Fortaleza, a campanha ocorre nos 116 postos de saúde e no Centro de Saúde Meireles, das 8h às 17h. Nos demais municípios cearenses, a vacinação também segue nos postos de saúde de cada cidade. Diferente da vacina contra a Covid-19, a imunização contra a Influenza não dispõe da vacinação em domicílio, ou seja, todos os grupos prioritários devem se encaminhar até às unidades de saúde para tomar a vacina.

Confira a relação com os endereços dos 116 postos de saúde da Capital aqui. 

Qual vacina deve-se tomar primeiro: Covid-19 ou gripe?

A Secretaria da Saúde do Estado (Sesa) recomenda que a imunização contra o novo coronavírus deve ser prioridade. É importante também estabelecer um intervalo de 14 dias entre as imunizações.

Pessoas infectadas pela Covid-19 devem tomar a vacina contra gripe?

O Ministério da Saúde recomenda o adiamento da vacinação contra a influenza nas pessoas com quadro sugestivo de infecção pela Covid-19 para evitar confusão com outros diagnósticos diferenciais.

Quantas doses da vacina contra a gripe devem ser tomadas?

Uma única dose. No entanto, o MS informa que para todas as crianças menores de 9 anos que, neste ano, farão a vacina da gripe pela primeira vez, elas receberão duas doses, com um intervalo de 30 dias entre elas. Se a criança já tomou, ao menos, uma dose em anos anteriores, a imunização é feita em dose única. 

Tomei a vacina contra gripe no ano passado, preciso tomar este ano?

Sim, a vacinação deve ser anual devido à variação dos subtipos de vírus.

Como ocorre a transmissão da gripe?

A transmissão ocorre por meio de gotículas respiratórias produzidas por tosse, espirros ou fala de uma pessoa infectada para uma pessoa suscetível. A transmissão por aerossol, também pode ocorrer com o vírus Influenza. A transmissão pode ainda ocorrer através do contato direto ou indireto com secreções respiratórias, ao tocar superfícies contaminadas com o vírus da gripe e, em seguida, tocar olhos nariz ou boca

Quais os sintomas da gripe?

A doença tem início, em geral, com febre alta, seguida de dor muscular, dor de garganta, dor de cabeça, coriza e tosse. A febre é o sintoma mais importante e dura em torno de três dias.

Por que é importante tomar a vacina contra a gripe?

A vacina da gripe é importante para evitar que as pessoas se contaminem com outro vírus potencialmente perigoso para a saúde. A Influenza ainda é conhecida por provocar complicações respiratórias graves em pacientes imunodeprimidos, idosos e pessoas com outras doenças, público bastante vulnerável também ao novo coronavírus.

(Fonte: Informe Técnico - Ministério da Saúde (www.saude.gov.br) e Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa)