Participamos do

Ciro confirma conversa com União Brasil em busca de acordos no cenário nacional

Segundo o presidenciável pelo PDT, outros encontros devem acontecer logo após o período das janelas partidárias, que se encerram no dia 1º de abril. Segundo o senador Cid Gomes, apenas o cenário nacional foi debatido
15:26 | Mar. 27, 2022
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O ex-ministro e presidenciável Ciro Gomes (PDT) confirmou, nesta sexta-feira, 26, ter participado de jantar em Brasília (DF) que contou com a participação do ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, e do deputado Luciano Bivar, presidente nacional do União Brasil (UB). Durante a solenidade de entrega da Medalha da Abolição, principal honraria concedida pelo Governo do Estado, o pedetista afirmou ter feito uma "análise" junto aos líderes do partido que funde PSL e DEM.

Lideradas por ACM Neto, as conversas aconteceram na última quarta-feira, 23, e serviram de ensaio para possível aproximação entre o pré-candidato do PDT ao Palácio do Planalto e o União Brasil. Na ocasião, também esteve presente Carlos Lupi, presidente do PDT.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

"Nós jantamos como presidente do Bivar, do União Brasil, e o secretário executivo ACM Neto. Fizemos uma análise em comum da vida brasileira, consideramos que a crise brasileira pede um diálogo entre forças diferentes para libertar o Brasil dessa polarização odienta que está nos amarrando ao passado na radicalização", disse o pedetista.

Segundo Ciro, outros encontros devem acontecer logo apos o período das janelas partidárias, que se encerram no dia 1º de abril. "Nós faremos uma nova reunião em direção a marchamos juntos na sucessão federal", afirmou. Em busca de uma candidatura própria à Presidência da República, o UB já considerou um eventual apoio a pré-candidatura do ex-ministro bolsonarista Sergio Moro (Podemos). Atualmente, a legenda iniciou diálogos com MDB e o PSDB.

Durante participação do XXIV Congresso Nacional do Ministério Público, no Centro de Eventos do Ceará, em Fortaleza, o senador Cid Gomes (PDT) também confirmou a realização do jantar. O parlamentar, no entanto, deixou claro que o evento discutiu, exclusivamente, o cenário nacional. "Não tem nada a ver com a questão local. Tem a ver com o cenário nacional. Exclusivamente. É uma conversa do Brasil, onde o Ceará não foi feito referência", disse.

No Ceará, após uma série de acordos, o União Brasil ganhou como presidente estadual o pré-candidato ao governo estadual, Capitão Wagner, opositor de Ciro e do seu grupo político, representado hoje também pela gestão do governador Camilo Santana (PT). Sobre as tensões entre PDT e UB a nível estadual, o presidenciável disse esperar que os "problemas locais" sejam respeitados a fim de não impedir "um "diálogo maior pelo Brasil".  O POVO contatou Wagner para tratar da questão, mas não recebeu respostas até a publicação.

Apesar de já ter sinalizado que não vai garantir palanque exclusivo para a reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL), adversário de Ciro na campanha presidencial, Wagner esteve próximo ao chefe do Planalto nos últimos eventos no Ceará e chegou a dizer que deve apoiar sua reeleição. Na entrega da Medalha da Abolição, Ciro afirmou que o presidente da República e Wagner são "rigorosamente farinha do mesmo saco".

"Há uma absoluta coerência nisso. Qual é a obra do 'capetão' aqui no Ceará? Liderou dois motins em que 300 pessoas foram assassinadas em uma noite", bateu o ex-ministro. "Essa é a obra dele", disse o ex-ministro ao O POVO.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Leia Mais.

Aceitar