Participamos do

Noelio nega movimento grevista e acusa ação do MP de "pressão da Justiça"

O deputado estadual afirmou que a categoria continua insatisfeita com a proposta de reajuste salarial. Ele deverá apresentar emendas ao longo do processo
13:30 | Fev. 18, 2020
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O deputado estadual Soldado Noelio (Pros) afirmou, na manhã desta terça-feira, 18, durante reunião com profissionais da segurança pública do Estado, na Assembléia Legislativa do Ceará (AL-CE), que a categoria continua insatisfeita com a proposta de reajuste que já tramita na Casa. O parlamentar também defendeu que não teve intenção em organizar uma paralisação na Capital, motivo da Ação Civil Pública (ACP) instaurada pelo Ministério Público do Ceará (MPCE) para apurar a atuação irregular das associações de militares. 

Segundo Noelio, a proposta do Governo aprovada em mesa de negociação não constrói uma diferenciação salarial entre algumas categoriais. "Se aumenta demais o salário do cabo falta dinheiro para aumentar o do terceiro sargento, então com recurso que foi destinado era impossível criar essa diferenciação. Por isso a Casa pode avançar nesse sentido" explica. O parlamentar afirma ainda que deve aproveitar a tramitação da PL para apresentar emendas ao longo do processo. 

O deputado negou a intenção de organizar uma paralisação, motivo pelo qual o MP, nesta segunda-feira, 18, entrou com um pedido de tutela de urgência contra as associações de policiais. "Vir na Assembléia e pedir aos deputados para alterar um projeto não é greve. Houve uma pressão muito grande da Justiça e isso gera um clima de medo dentro da categoria. Pelas recomendações do Judiciário, quem viesse pra cá dizer que a proposta deveria ser modificada estaria cometendo um crime ou uma transgressão disciplinar" afirmou.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Para o líder do governo na Assembléia, Julio Cesar, o recuo dos profissionais é injustificável, pois a proposta foi reformulada em conjunto com a categoria. "A proposta foi distribuída conforme eles apresentaram, então não adianta eles falarem que a diferença é pouca porque foi eles que distribuíram. Eles apresentaram e depois voltaram atrás", ressaltou

Até o momento, a matéria deve permanecer conforme acordado semana passada e a expectativa é que seja votada na próxima quinta-feira, 27, após o Carnaval. 

Com informações do repórter Carlos Mazza

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar