PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Ministro da Educação diz que expansão do ensino superior em governos anteriores foi "uma tragédia"

Além disso, para Abraham Weintraub, antes de Jair Bolsonaro, houve uma negligência com a educação infantil e básica simultânea a uma expansão do Ensino Superior

13:03 | 08/05/2019
O ministro da Educação, Abraham Weintraub.
O ministro da Educação, Abraham Weintraub.(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse que o modelo de investimento no ensino superior nos governos anteriores foi uma “tragédia”. A declaração foi feita na manhã de terça-feira, 7, em audiência pública na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado. Na ocasião, apresentou as diretrizes e os programas prioritários do ministério. As informações são do O Globo.

Para Weintraub, antes de Jair Bolsonaro, houve uma negligência com a educação infantil e básica simultânea a uma expansão do Ensino Superior. “A gente aqui no Brasil quis pular etapas e colocou muitos recursos no telhado antes de ter a base da casa”, disse.

O ministro defendeu a autonomia universitária. Porém, ponderou que autonomia não significa soberania. “Não podemos permitir que tenha consumo de drogas nos campi. Por que a Polícia não pode entrar no campus de uma escola? É um país autônomo? Tem violência acontecendo lá dentro, não pode entrar. Tem que bater palma e ficar olhando?”

O ministro ainda criticou o modelo de financiamento estudantil que, em sua análise, direciona dinheiro às instituições privadas e inflam os cursos de graduação, mas endividaram os alunos que, muitas vezes, não conseguem emprego. “É uma tragédia o financiamento estudantil. São 500 mil jovens começando a vida com o nome sujo”, declarou, em referência aos inadimplentes no Fies.

Weintraub ainda usou o número de citações de estudos brasileiros no exterior para dizer que a produção científica no País "tem pouca relevância". Os dados citados pelo do ministro não tratam, exatamente, do que é produzido integralmente em ciência. Ele diz que apenas 13% da produção da área de ciências humanas e sociais recebem algum tipo de citação.

Manifestações

Representantes da União Nacional dos Estudantes (UNE) estiveram presentes na plateia da Comissão de Educação para protestar contra os cortes de 30% no orçamento das universidades federais, anunciadas pelo líder da pasta no último dia 30. Os manifestantes levaram cartazes com os dizeres "Estudante na rua, governo, é culpa sua" e "balbúrdia é cortar 30% da educação".

LEIA MAISPodcast Recorte discute os cortes nas universidades federais; ouça

A informação repercutiu negativamente entre estudantes e frentes estudantis por todo o País. Já ocorreram protestos na Bahia e no Rio de Janeiro, durante participação de Jair Bolsonaro na cerimônia de aniversário do Colégio Militar fluminense. Outros estados já programam manifestações para os próximos dias. Além disso, a Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou ação civil pública para impedir a medida, que considera que tem objetivo de “retaliar e punir universidades federais cujo perfil ideológico seja diferente daquele pedido pelo governo”.

Redação O POVO Online