Participamos do

Zelensky: "Milhares de estrangeiros pedem para lutar na Ucrânia"

A guerra após invasão da Rússia à Ucrânia entra no quinto dia com combates em todo o país
17:22 | Fev. 28, 2022
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Após pedidos do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, o governo de Kiev informou nesta segunda-feira, 28, que chegaram “milhares” de pedidos de estrangeiros ao país para lutar na guerra contra a Rússia. A guerra após invasão da Rússia à Ucrânia entra no quinto dia com combates em todo o país. 

“O presidente Zelensky anunciou a criação de uma nova unidade denominada ‘Legião Internacional’. Temos já milhares de pedidos por parte de estrangeiros que querem se unir à resistência contra os ocupantes russos e proteger a segurança mundial do regime de [Vladimir] Putin”, afirmou a vice-ministra da Defesa, Hanna Maliar.

Relatos nas fronteiras mostram homens de toda a Europa se dirigindo à Ucrânia para tentar se alistar. Segundo o UOL, um deles é identificado como Francesco (nome fictício para proteger sua identidade), de 35 anos. Ele está no aguardo dos seus documentos ucranianos para sair da Campânia para ir lutar em Kiev.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

“Nem dinheiro, nem glória. Eu não sou o Rambo, mesmo que tenha experiência militar e de antiterrorismo. Eu quero ir lá para defender os ideais europeus e, sobretudo, pelas crianças. Todos nós precisamos dar um jeito de ajudá-los de alguma maneira. Fui militar por oito anos e quero dar minha contribuição não apenas com as armas, mas organizando a entrega de alimentos, remédios, roupas”, disse à agência ANSA.

“Quero ir para lá por um fator ético e moral. Ver aquelas pessoas e aquelas crianças morrerem não me permite ficar aqui olhando. Tenho medo de morrer? Eu posso morrer aqui também se uma árvore cair em mim ou se um carro me atropelar, aqui na Itália. É tudo muito relativo”, disse Pietro, 22 anos, voluntário que também está de partida para a Ucrânia. 

Neste fim de semana, alguns dos líderes da União Europeia e do Reino Unido defenderam apoio aos cidadãos de seus países que querem se voluntariar na guerra. Além disso, os países ocidentais também estão enviando armas letais e não letais, carros e equipamentos militares, e jatos de guerra para as forças ucranianas lutar contra os russos. 


Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente