Participamos do

Vacinação irregular: Safadão diz que não aceitou acordo de R$ 1 milhão porque quer ser tratado "como cidadão comum"

Em nota enviada à imprensa, o cantor nega ter furado fila e cita doações durante a pandemia
09:16 | Out. 29, 2021
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O cantor Wesley Safadão, por meio de sua assessoria jurídica, enviou uma nota à imprensa em que diz que não aceitou acordo de R$ 1 milhão proposto pela Justiça porque "para um cidadão comum é infinitamente menor o valor". Em julho deste ano, o cantor, sua esposa Thyane Dantas e a produtora Sabrina Tavares tiveram a vacinação contra a Covid-19 realizada de forma irregular, fora da época da sua faixa etária.

LEIA MAIS| Vacinação irregular: Safadão recusa acordo de doação para instituição social como pena

Ainda no texto, Safadão negou ter furado a fila de vacinação, pois teria apenas seguido orientações para tomar a vacina em outro local devido à lotação do local original. Mas, logo em seguida, reconheceu o erro: "sei que errei, quem me conhece sabe meu coração e volto a dizer: Jamais faria algo assim se soubesse que era errado".

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

LEIA MAIS| Safadão e Thyane Dantas, esposa do artista, são indiciados após caso de vacinação irregular

Em audiência pública no Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), nessa quinta-feira, 28, foi oferecido a Wesley um acordo para destinar uma quantia de dinheiro a instituições de caridade, o qual o artista negou por achar o valor pedido alto. Depois, reiterou: "não me neguei em nenhum momento a fazer doação até porque eu sempre fiz, e não faço só doação para minha cidade e durante a pandemia foi uma das coisas que eu mais fiz".

LEIA MAIS| Três profissionais são identificados em processo de vacinação de Safadão e Thyane Dantas

Leia a nota de Wesley Safadão na íntegra:

"Ontem tivemos mais um capítulo da história da vacina, tivemos uma reunião ontem pela manhã, com Ministério Público e infelizmente não chegamos à um acordo por dois motivos:
1- Queriam que eu me declarasse culpado
2 - Queriam que eu pagasse uma quantia equivalente a quase um milhão de reais, sendo que para um cidadão comum é infinitamente menor o valor.
O que saiu na imprensa, é que quando eu soube que esse valor seria para doação para instituições, eu me neguei porque eu não queria fazer doação. Isso é mentira, um grande absurdo.

Não me neguei em nenhum momento a fazer doação até porque eu sempre fiz, e não faço só doação para minha cidade e durante a pandemia foi uma das coisas que eu mais fiz. Faço de coração, com maior prazer, quem me acompanha sabe das minhas ações sociais, durante a pandemia foram doados respiradores, toneladas de alimentos, milhares de famílias que demos suporte!

Quero deixar bem claro, que em nenhum momento furei fila, apenas tomei a vacina em outro lugar pq me orientaram dessa maneira, devido a lotação do meu lugar de origem.

Sempre fui muito transparente com meu público, até demais! Se eu achasse que estava fazendo algo errado, ou cometendo um crime, vocês acham mesmo que eu publicaria?

Claro, que fico muito triste com tudo isso, sei que errei, quem me conhece sabe meu coração e volto a dizer: Jamais faria algo assim se soubesse que era errado.

Peço perdão à população da minha cidade, do meu país, hoje realmente vi que fui mal assessorado sobre me vacinar em outro local, me disseram que não tinha nenhum problema essa mudança e eu acreditei. Realmente fui mal orientado.

Sei que errei e quero ser tratado como um cidadão e não da forma como estão querendo me tratar."

>Wesley Safadão e assessora são ouvidos no inquérito que apura vacinação irregular

>Caso Thyane e Safadão: 11 pessoas já foram ouvidas em investigação sobre vacinas

Conteúdo sempre disponível e acessos ilimitados. Assine O POVO+ clicando aqui

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags