PUBLICIDADE
Fortaleza
NOTÍCIA

Comunidade no Passaré tem madrugada de terror com tiroteio; é o sexto caso em 41 dias

Moradores sofrem com insegurança devido conflito de facções nas comunidades Vertical e Rosalina

Rubens Rodrigues
10:57 | 24/11/2020
Comunidade Vertical sofre com a guerra entre facções no Passaré (Foto: LEITOR VIA WHATSAPP O POVO)
Comunidade Vertical sofre com a guerra entre facções no Passaré (Foto: LEITOR VIA WHATSAPP O POVO)

Atualizada em 25/11/2020 às 7 horas

Pela sexta vez em 41 dias, moradores da comunidade Vertical, no Passaré, tiveram uma noite difícil devido a conflitos territoriais de grupos criminosos. O POVO apurou que houve tiroteio por volta das 4h30min desta terça-feira, 24. Na noite dessa segunda, 23, dois homens em uma moto chegaram a mandar que pessoas na calçada entrassem em casa.

Moradores sofrem com a frequência de tiroteios por causa da disputa entre as comunidades da Rosalina e Vertical, que está acirrada pela posse de território. Cada comunidade tem uma facção específica, lideradas por traficantes irmãos, e as duas acabaram com o "acordo de paz" que existia.

Informações dão conta que um grupo de pelo menos sete pessoas corria nas ruas da comunidade durante o tiroteio desta terça. Viaturas policiais só chegaram por volta das 5 horas da manhã. No sábado, 21, uma testemunha relatou que "sem alvo, os caras passam sempre atirando e gritando muito, mas não é possível identificar o que dizem. No máximo um ‘bora bora’, ‘atira ali naquela’, ‘vai pro outro lado’".

Em nota, Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informa que a Polícia Militar do Ceará (PMCE) apreendeu uma arma de fogo, nessa madrugada. Após acionamento para a Comunidade Vertical acerca de disparos de arma de fogo, os PMs encontraram, dentro de uma casa abandonada, um revólver calibre 38 e sete munições calibre 12.

Conforme o órgão, a apreensão se enquadra em diversas ações realizadas na região, com o intuito de capturar pessoas envolvidas com grupos criminosos. A exemplo disso está outra apreensão ocorrida no dia 16 de novembro, quando policiais militares lotados na Força Tática da 3ª Companhia do 19° Batalhão apreenderam duas pistolas calibre 9mm, uma delas oriunda da Polícia Federal, e 58 munições. Dois homens foram presos em flagrante na ocasião.

"Na região, a Polícia Militar intensificou os trabalhos com a presença de equipes do Policiamento Ostensivo Geral (POG), da Força Tática e do Comando de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (CPRaio). Em razão das denúncias, a PMCE também deslocou a base móvel para a comunidade, onde o equipamento permanecerá 24 horas. Já a parte investigativa está a cargo do 16° Distrito Policial (DP) da Polícia Civil do Estado do Ceará", diz a pasta.

Linha do tempo

13 de outubro

Moradores acordaram assustados na madrugada. Um grupo de 10 homens armados, vestidos de preto e encapuzados, percorreu as ruas da comunidade Vertical atirando. Conforme relatos, eles teriam atirado na parede de casas localizadas na rua Mossoró. Ocorrência foi por volta das 3h30min.

20 de outubro

Um grupo armado na comunidade da Rosalina ostentava armas e fazia menção a uma facção criminosa. Eles pichavam frases para "baixar os vidros e tirar o capacete" ao entrar na área e ameaçavam a organização criminosa rival. Polícia chegou logo após tiroteio e teve perseguição.

31 de outubro

Um ciclista foi baleado e levado a um hospital.

3 de novembro

Na madrugada, motoqueiros saíram atirando nas casas. Uma pessoa foi baleada por volta das 12 horas.

15 de novembro

Outro tiroteio ocorreu por volta de 13h30min. Um motoqueiro também passou atirando.

20 de novembro

Um homem foi preso na noite do dia 20 autuado em flagrante por porte ilegal de arma de fogo. De acordo com a SSPDS, ele já tinha "passagens por lesão corporal, ameaça, tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo". A Polícia investiga o envolvimento dele nos tiroteios.

21 de novembro

Como nos episódios anteriores, dois motoqueiros passaram atirando.

22 de novembro

Durante a noite, dois homens passaram em uma moto e mandaram moradores que estavam nas calçadas entrarem para suas casas.

23 de novembro

Novo tiroteio é registrado na madrugada. Pelo menos sete pessoas são vistas nas ruas atirando e gritando.