PUBLICIDADE
Economia
Noticia

Tabuleiro do Norte registra ato de caminhoneiros contra preço dos combustíveis

Em data prevista para início de uma paralisação nacional da categoria e que marca Dia do Motorista, ato pacífico é único registrado pela PRF até o momento no Estado

13:14 | 25/07/2021
Ato de caminhoneiros em Tabuleiro do Norte marcou comemoração pelo Dia do Motorista, mas também protesto contra alta do preço dos combustíveis (Foto: Reprodução do Twitter)
Ato de caminhoneiros em Tabuleiro do Norte marcou comemoração pelo Dia do Motorista, mas também protesto contra alta do preço dos combustíveis (Foto: Reprodução do Twitter)

LEIA TAMBÉM | Mais de 150 caminhoneiros paralisam BR-116, em Brejo Santo, neste domingo contra preço dos combustíveis

Um grupo de caminhoneiros realizou, neste domingo, 25, uma manifestação em Tabuleiro do Norte, na altura do km 213 da BR-116.



Segundo O POVO apurou, os motoristas teriam partido da via que dá acesso à sede do município em direção às proximidades de um posto de combustível.

O ato acontece na data em que estava prevista uma paralisação nacional da categoria, convocada pelo Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), e também quando se celebra o Dia do Motorista.

O ato foi acompanhado pela Polícia Rodoviária Federal no Ceará (PRF-CE). Em nota, a instituição informou que "esteve no local e acompanhou um evento pacífico em alusão ao 'dia do caminhoneiro', que é comemorado anualmente. Em nenhum momento, o trânsito foi paralisado". No comunicado, a PRF acrescentou ainda que a "comemoração" foi encerrada às 10h37.

Em postagens no Twitter, contudo, alguns caminhoneiros afirmaram que o movimento em Tabuleiro do Norte foi um protesto contra os altos preços dos combustíveis e a insatisfação com o valor do reajuste da tabela de frete (de 5,8% em média) definidos pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), no último dia 14 de julho. Na ocasião, foi registrado um protesto com bloqueio de via, na CE-155, no trecho que dá acesso ao Porto do Pecém.

Conforme O POVO já havia adiantado na sexta-feira, 23, as cinco principais entidades que representam os caminhoneiros no Brasil, estão divididas quanto à realização de uma paralisação nacional entre este domingo e segunda-feira, 26. Três delas são favoráveis e duas contra.

A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), que esteve entre uma das principais organizadoras da greve de 2018, posicionou-se de forma contrária. Filiado à CNTA, o Sindicato dos Caminhoneiros do Ceará (Sindicam-CE), principal entidade a representar a categoria no Estado, disse seguir o mesmo entendimento.

A secretária-executiva do Sindicam-CE, Joana D'arc Seixas, confirmou neste domingo, 25, que o sindicato recebeu ligações de alguns caminhoneiros envolvidos no ato em Tabuleiro Norte, mas que estes teriam sido informados que a manifestação não contaria com o apoio da entidade, caso não houvesse uma solicitação e uma autorização formal.

"A situação não permite uma greve atualmente. Os transportes não pararam durante a pandemia e houve até aumento na entrada de transportadores. Então, não é viável fazer algo do tipo com a situação econômica do País", disse Joana.