PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Caminhoneiros bloqueiam trecho da CE-155 no Pecém

Dois itens estão na pauta dos manifestantes: eles são contrários aos recentes aumentos dos preços dos combustíveis - especialmente o diesel -, e reclamam das condições ruins da estrada, que recebe grande movimentação de veículos pesados diariamente. Segundo eles, isso diminui a produtividade e aumenta os custos com manutenção

Samuel Pimentel
12:50 | 14/07/2021
Caminhoneiros autônomos bloquearam a estrada que dá acesso ao Porto do Pecém em protesto.  (Foto: Whatsapp O POVO)
Caminhoneiros autônomos bloquearam a estrada que dá acesso ao Porto do Pecém em protesto. (Foto: Whatsapp O POVO)

Uma manifestação de caminhoneiros autônomos bloqueia a CE-155, estrada de acesso ao Porto do Pecém, no Ceará. Os profissionais queimam pneus no meio da estrada. Eles são acompanhados por equipes policiais. Dois itens estão na pauta dos manifestantes: eles são contrários aos recentes aumentos dos preços dos combustíveis - especialmente o diesel -, e reclamam das condições ruins da estrada, que recebe grande movimentação de veículos pesados diariamente. Segundo eles, isso diminui a produtividade e aumenta os custos com manutenção.

LEIA MAIS | OP+ Caminhoneiros ameaçam paralisação nacional após aumento do diesel

+ Apenas reduzir ICMS não resolve alta nos preços dos combustíveis, defende Pacopahyba

+ No Ceará, gasolina atinge R$ 6,14 e litro do álcool é o mais caro do Nordeste

+ Governo fixa percentual do biodiesel misturado ao óleo diesel em 12%

A manifestação deve ser rápida, não há expectativa de que o bloqueio perdure por muitas horas. Essa seria uma manifestação que não tem cunho político, mas que busca divulgar a situação que os caminhoneiros autônomos vêm passando.

Caminhoneiros autônomos bloquearam a estrada que dá acesso ao Porto do Pecém em protesto.
Caminhoneiros autônomos bloquearam a estrada que dá acesso ao Porto do Pecém em protesto. (Foto: Whatsapp O POVO)

Ao O POVO, o diretor da Fetranslog-NE e presidente da Câmara Setorial de Logística do Ceará, Marcelo Maranhão, afirma que essa é uma manifestação pacífica e idealizada pelos próprios profissionais autônomos, sem a contribuição das empresas.

Ele ainda explica que a paralisação é impactante, mas considera a situação dos autônomos quase insustentável, pela pressão que vêm sofrendo com aumentos de preços. Maranhão ainda lembra da importância desses profissionais para o dia a dia do Porto do Pecém.

"Todos os produtos que entram e saem do Porto do Pecém tem participação dos caminhoneiros autônomos. As indústrias e as companhias que trabalham no Complexo tem suas frotas próprias, mas também utilizam do serviço desses trabalhadores", afirma.