PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Óleo na praia do Cumbuco deve ser removido ainda nesta quarta-feira

O local onde foi encontrado o óleo é muito frequentado por turistas e kitesurfistas, mas, por causa da alta da maré, a operação não pôde ser concluída ainda nesta terça

Lucas Braga
20:09 | 05/11/2019
Cerca de 80 pessoas trabalham na operação de limpeza da praia do Cumbuco
Cerca de 80 pessoas trabalham na operação de limpeza da praia do Cumbuco (Foto: DIVULGAÇÃO)

Manchas de óleo que chegaram ao Pico das Almas, na praia do Cumbuco, em Caucaia, devem ser removidas ainda nesta quarta-feira, 6. A informação foi dada na reunião do grupo de trabalho (GT) de combate à mancha de óleo no Ceará que aconteceu na tarde desta terça, 5, na sede da Secretaria do Meio Ambiente do Estado (Sema).

O secretário de Turismo de Caucaia, Paulo Guerra, disse mais cedo ao O POVO que há força-tarefa para a limpeza do local. "A nossa reação foi imediata, acionamos a Capitania dos Portos do Ceará para intervir e solucionar o mais rápido possível essa questão", afirma o secretário. O local onde foi encontrado o óleo é muito frequentado por kitesurfistas, mas, por causa da alta da maré, a operação não pôde ser concluída ainda nesta terça.

Equipe formada por 80 profissionais da Capitania dos Portos, da Defesa Civil de Caucaia, voluntários e do Instituto do Meio Ambiente de Caucaia está no local para limpar da praia.

Duas tartarugas foram encontradas mortas e as manchas de óleo, grandes e espessas, podem ser avistadas na orla por uma extensão que vai da Vila dos Coqueiros até próximo da barra do Cauípe, quase no Porto do Pecém.

Barreira de contenção da mancha de óleo na foz do Jaguaribe

O secretário do Meio Ambiente do Ceará, Artur Bruno, estará na tarde desta quarta-feira, 6, na foz do rio Jaguaribe, em Fortim, acompanhando os trabalhos da empresa contratada pelo governo do Estado que está colocando as barreiras de contenção da mancha de óleo.

“É um trabalho preventivo. Queremos excluir qualquer possibilidade de a mancha de óleo atingir aquela área. Segundo estudos da Marinha, ventos e correntes marítimas podem tornar esta região vulnerável e lá temos mangue, criação de camarão, pesca artesanal e abastecimento de água, por isso redobramos o cuidado”, explicou.

Reunião do GT nesta terça

De acordo com o deputado Acrísio Sena (PT), presidente da Comissão do Meio Ambiente da Assembleia Legislativa do Ceará, o Estado prossegue em monitoramento e prevenção de novos possíveis pontos atingidos pelo óleo. “O trabalho agora se dá, principalmente, no Litoral Oeste. Outra preocupação mencionada na reunião do GT foi a saúde de voluntários. Eles não devem limpar as praias sem antes consultar as secretarias de Meio Ambiente das prefeituras ou o Ibama, em cada praia. É necessário uso de equipamentos de proteção como luvas, botas e máscaras para evitar problemas de saúde”, alerta.

O parlamentar lembra que apenas 5% da ajuda solicitada ao Governo Federal foi oferecida para o combate às manchas de óleo no Estado. “Nos próximos dias, deve haver maior articulação com a população e os afetados como pescadores e marisqueiras, além de reunião com os prefeitos dos 20 municípios do litoral”, antecipa Acrísio.

Além da Sema, Ibama e Marinha, constituem a Coordenadoria de Operações do Ceará. Estiveram ainda na reunião representantes do BPMA, Cipp, Cedec, Detran, Funceme, ICMBio, Labomar, Nutec, Uece, Setfor, Setur, Instituto Terramar, MPP, Ministério da Ciência e Tecnologia, Centro de Tecnologia da Informação, Grupo Expedia, Vigilância Sanitária, Sesa, Conselho Pastoral dos Pescadores, Cagece, OAB, Assembleia Legislativa, Greenpeace e ONGs Aquasis e Verdeluz.