Participamos do

Insulina de ação ultrarrápida: Sesa confirma baixa no estoque no Ceará

A programação do medicamento é realizada de forma trimestral e o quantitativo aprovado para entrega do Ministério da Saúde para o Estado é de 37.655, no período. Até agora foram recebidos apenas 6.590. Novo carregamento deve chegar nesta quinta-feira
13:24 | Mar. 09, 2022
Autor Levi Aguiar
Foto do autor
Levi Aguiar Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

As insulinas de ação ultrarrápida estão em falta em alguns centros de distribuição do Ceará. O hormônio, fornecido pelo Ministério da Saúde (MS), é essencial para a vida de pessoas com diabetes. A Secretaria da Saúde do Estado (Sesa) informa ter contatado a pasta federal antecipadamente sobre o desabastecimento, mas ainda não recebeu a carga total prevista para o trimestre.

Segundo a Sesa, a quantidade do medicamento aprovado para recebimento pelo Estado é de 37.655, no período dos três primeiros meses do ano. Até esta quarta-feira, 9, foram recebidas 6.590 e há agendamento de entrega de mais 20.270 unidades para a quinta-feira, 10. 

O medicamento ajuda a estabelecer o controle do nível de glicose no sangue para diabéticos. "Assim, a partir da segunda quinzena deste mês, o abastecimento será regularizado nas unidades de referência da Rede e do interior do Estado, via áreas descentralizadas de saúde, conforme cronograma de distribuição", informou a Secretaria, em nota.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A Sesa também disse que os pacientes com dificuldade de acesso à insulina ultrarrápida têm o acompanhamento garantido pelo Sistema Único de Saúde, podendo adaptar o tratamento com uso da insulina regular, cujo fornecimento segue normalizado.

Uma das fontes ligadas à Associação Cearense de Diabéticos e Hipertensos (ACEDH), ouvida pelo O POVO, contou que já faz mais de três meses que os pacientes estão relatando a falta de insulina de ação ultrarrápida no Ceará.

"Nós constatamos, através de uma união de 23 associações do Brasil, que em algumas cidades do Brasil a insulina está em falta, além da demora muito grande do hormônio, por causa do Ministério da Saúde. Os pacientes estão sofrendo. É uma insulina de um custo mais elevado. O paciente não pode ficar sem insulina, se não ele vai a óbito".

Colunistas sempre disponíveis e acessos ilimitados. Assine O POVO+ clicando aqui

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags