PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Empresário é indiciado por homicídio doloso pela morte da estudante Alana

O inquérito Policial foi concluído após depoimento de testemunhas e de trabalho investigativo, sendo remetido ao Poder Judiciário no inicio desta semana

Gabriela Almeida
21:22 | 20/04/2021
Alana Beatriz do Nascimento Oliveira, 25 anos (Foto: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM)
Alana Beatriz do Nascimento Oliveira, 25 anos (Foto: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM)

A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE) indiciou o empresário David Brito de Farias por homicídio doloso (quando há intenção de matar) no caso da morte da estudante Alana Beatriz Nascimento de Oliveira, que completa um mês nesta quinta-feira, 21. O inquérito policial foi concluído após depoimento de testemunhas e de trabalho investigativo, sendo remetido ao Poder Judiciário no inicio desta semana.

De acordo com informações da Secretária de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a polícia realizou 21 oitivas (escutas) a testemunhas e anexou ao processo vários laudos periciais realizados pela Perícia Forense do Ceará (Pefoce). Dentre eles, estava um exame de eficiência balística que comprovava que a arma utilizada no crime estava em perfeito estado de funcionamento. 

| LEIA MAIS |

Por que pessoas que moram perto de locais de vacinação são agendadas para longe de casa?

Filha de Dedim Gouveia presta homenagem durante enterro do cantor

Mulher que morreu ao cair do Edifício São Pedro era grafiteira e tinha 23 anos

Ainda segundo pasta de segurança, o empresário foi indiciado na modalidade de dolo eventual, que ocorre "quando o indiciado, mesmo sem necessariamente querer o resultado da ação, assume o risco de produzi-lo". De acordo com o inquérito, no qual O POVO teve acesso, a irmã de David, que é suspeita de tentar dificultar a investigação, não será mais indiciada por fraude processual, devido a falta de provas.

O relatório também aponta que o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) solicitou a prisão temporária do empresário no dia 29 de março, mas a 4° vara do Júri de Fortaleza decidiu por deferir somente uma mandado de busca e apreensão. Determinação foi cumprida na última segunda-feira, 19.

Relembre o caso 

De acordo com investigações, a estudante foi a residência do empresário no dia 20 de março para assistir a uma live musical e acabou dormindo na residência, localizada no bairro Luciano Cavalcante, em Fortaleza. No dia seguinte, ela foi baleada dentro do local e veio a óbito, sendo David o principal suspeito.

O empresário prestou depoimento a polícia e afirmou que o tiro que matou a estudante foi acidental e disparado pela própria vítima. Uma nota encaminhada pelo advogado do suspeito afirmava que no dia do óbito não houve briga ou qualquer espécie de conflito entre Alana e David, e que ambos haviam se conhecido "há poucas horas".