PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Cearense é selecionado para intercâmbio no Peru e cria campanha de financiamento coletivo

Recém formado no Ensino Médio em uma escola técnica de Horizonte, no Ceará, Felipe Oliveira começou a fazer o processo seletivo em novembro de 2019.

Lucas de Paula
15:41 | 30/06/2020
Para Felipe, a oportunidade significa a possibilidade de representar a cidade, o estado e o País onde nasceu. (Foto: Arquivo pessoal)
Para Felipe, a oportunidade significa a possibilidade de representar a cidade, o estado e o País onde nasceu. (Foto: Arquivo pessoal)

O jovem Felipe Oliveira, de 18 anos, se deparou com a realização de um de seus sonhos ao receber, ainda em maio, o e-mail com a notícia de que foi selecionado para uma bolsa de estudos na Latin America Academy, em Lima, no Peru. Entretanto, devido aos altos custos para viajar e se manter durante o programa, o estudante percebeu o sonho um pouco mais longe. Apesar das dificuldades, ele não desistiu e criou uma campanha financiamento coletivo.

Depois de fazer um orçamento, decidiu que seria estipulado o valor de R$ 6.5 mil para a “vaquinha online”, sendo R$ 4 mil de valores internos do programa e o restante para as passagens. “A quantia que eu precisaria era a de R$ 6 mil, porém o site da vaquinha cobra uma taxa de 6,04% em cima do valor arrecadado”, revela ao O POVO.

Ajude na vaquinha online por meio deste link

Além do problema com o dinheiro, outro obstáculo surgiu: a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. “Quando vi que a questão da Covid-19 havia afetado as bolsas e as datas, fiquei com medo. Porém, eu não poderia desistir, daí veio a ideia da vaquinha online”, conta. Atualmente, na vaquinha, ele consta com R$ 1.435,00 arrecadados da meta de R$ 6 mil. Segundo o rapaz, ele já têm cerca de R$ 3 mil reais, contando com doações de pessoas e algumas microempresas da cidade onde mora.

LEIA MAIS | Pretos no Enem: voluntários ajudam a pagar inscrição de estudantes que não conseguiram isenção

Recém-formado no ensino médio em uma escola técnica de Horizonte, no Ceará, ele começou a fazer a seleção em novembro de 2019. Durante o procedimento era necessário preencher um extenso processo de aplicação online em inglês, com conversão de notas de todos os anos do ensino médio. Além disso, era preciso ter no mínimo vivência em três projetos voluntários e escrever algumas redações respondendo perguntas pessoais e sobre o seu perfil de liderança dentro da sua comunidade - tudo em inglês.

Foram quase dois meses esperando pelo resultado após a última etapa, dia 10 de maio, que consistia em uma entrevista online com uma articuladora norte-americana. Ao receber o e-mail com a aprovação, ele conta que foi um misto de alegria e medo. “Fiquei muito realizado pois foi um sonho de anos se realizando”, diz.

Para Felipe, a oportunidade significa a possibilidade de representar a Cidade, o Estado e o País onde nasceu. “É a realização de um sonho pessoal e ao mesmo tempo coletivo, uma vez que por causa de trabalhos voltados para minha comunidade, eu pude desenvolver o perfil de liderança que a academia procurava”, afirma. Ele também vê a conquista como uma demonstração da força da escola pública. “Toda a minha formação veio de instituições de serviço públicas e os primeiros projetos voluntários que estive só foram possíveis pelo suporte dessas instituições”, diz.

LEIA MAIS | 32% dos estudantes cearenses do ensino superior privado perderam o emprego na pandemia

De acordo com o jovem, a academia o assistiu com uma bolsa no valor de R$ 1.500. Até a seleção de 2019 o valor ofertado era em dólares, mas com as mudanças econômicas provadas pela crise do novo coronavírus, a quantia foi repensada. "Algumas empresas parceiras recuaram na parceria direta para a Latin America Academy", afirma o jovem.

Durante o programa os selecionados aprenderão sobre protagonismo social e história da América Latina, com discussões e palestras sobre política, economia e problemáticas acerca do assunto. “O programa dura uma semana, pois é uma modalidade de camp. Funciona como uma formação acadêmica intensiva”, explica.

Há também a imersão cultural dentro do País, o que possibilita a criação de contatos entre jovens promotores de mudança na América do Sul. “Esse é exatamente o intuito da academia: encontrar jovens que serão os "líderes do futuro" e conectá-los, para que nossa porção do globo se desenvolva com progresso e promoção de justiça social”, diz.

com informações da repórter Laís Oliveira