PUBLICIDADE
Olimpíadas
NOTÍCIA

'Treta' no skate do Brasil nas Olimpíadas de Tóquio? Entenda o que aconteceu

Com a conquista da prata por Kelvin Hoefler nas Olimpíadas de Tóquio, a distância entre alguns atletas do skate do Brasil chamou a atenção, especialmente entre o medalhista e Leticia Bufoni. Entenda a suposta treta

22:06 | 26/07/2021
Kelvin Hoefler e Leticia Bufoni explicaram a convivência nos bastidores das Olimpíadas após a repercussão de suposta treta no skate do Brasil (Foto: Jeff Pachoud AFP / Atiba Jefferson Red Bull Content Pool)
Kelvin Hoefler e Leticia Bufoni explicaram a convivência nos bastidores das Olimpíadas após a repercussão de suposta treta no skate do Brasil (Foto: Jeff Pachoud AFP / Atiba Jefferson Red Bull Content Pool)

Após a conquista da medalha de prata de Kelvin Hoefler nas Olimpíadas de Tóquio 2021, uma suposta 'treta' entre os atletas brasileiros de skate chamou a atenção na internet. O problema foi evidenciado quando foi notado que os demais atletas não parabenizaram Kelvin pelas redes sociais e apenas a skatista Pamela Rosa deu apoio na sua prova final.

A skatista Leticia Bufoni foi a primeira a se pronunciar. Por meio do Instagram, ela explicou que, por opção, Kelvin prefere não participar das atividades do grupo, mas que não há briga.

“Respeito muito a história dele, o moleque anda muito de skate, não tenho o que falar dele. Infelizmente ele não gosta de andar com a gente, de participar das nossas atividades. Um exemplo é que a Confederação Brasileira de Skate, não pode marcar ele nos stories do Instagram, pois ele bloqueou a CBSk (Confederação Brasileira de Skate)”, afirmou Bufoni.

+ Com duas pratas em Tóquio 2020, skate já foi proibido no Brasil; entenda

+ Prata de Kelvin Hoefler é a primeira medalha brasileira em Tóquio

+ Fadinhas e Kelvins da ficção: filmes e séries para quem ama skate

Após a repercussão do relato de Bufoni, o medalhista olímpico se pronunciou e afirmou que a colega de seleção não foi feliz no que disse. Ele justificou o distanciamento e disse que a conquista não foi só dele.

"É parte do jogo. Eu tive que me isolar, tive que trazer essa medalha. Infelizmente, ela não foi tão feliz nas declarações dela. Mas eu estou aqui para representar o meu país e o skate", disse ele ao SporTV.

No entanto, o embate é direto com a confederação, por uma diferença no tratamento oferecido aos atletas, inclusive à Leticia Bufoni. O incômodo de Kelvin foi potencializado na preparação para as Olimpíadas, quando a equipe foi treinar nos Estados Unidos. De acordo com o portal UOL, na ocasião o atleta sentiu preferência do presidente Duda Musa com atletas mais próximos a ele, que teriam tido privilégios como acesso a familiares e a treinadores próprios.

A situação piorou quando Hoefler e Pamela Rosa não foram autorizados a participar dos X Games, nos Estados Unidos, enquanto Bufoni pôde participar e foi campeã.

Os pais de Kelvin desabafaram contra a CBSk pelas redes sociais. “Será que agora vocês vão respeitar o nosso filho ou vão continuar o menosprezando? É nítido o que vocês estão fazendo. Esta medalha de prata representa todo esforço e dedicação dele. Vocês deveriam ser mais imparciais, é uma vergonha o que vocês fazem com nosso filho”, afirmaram Eneas e Roberta Hoefler, por meio de uma publicação no Instagram.

Apesar da grande repercussão, a Confederação Brasileira de Skate não se pronunciou sobre o caso.

Curiosidades das Olimpíadas

+ Quanto custou as Olimpíadas de Tóquio
+ Quais as modalidades têm nos Jogos Olímpicos
+ Quais países participam dos Jogos Olímpicos
+ Olimpíadas de Tóquio: quem são os favoritos

Olimpíadas de Tóquio: confira as últimas notícias