Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Com derrota para o Grêmio e vitória da Chape, Ceará se tornou o pior visitante da Série A

O Alvinegro conquistou somente seis pontos em 10 partidas longe de casa, com um aproveitamento de 20%
13:13 | Set. 13, 2021
Autor Horácio Neto
Foto do autor
Horácio Neto Jornal
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Com mais uma derrota fora de casa, desta vez diante do Grêmio, e a vitória da Chapecoense contra o Bragantino, o Ceará se tornou o pior visitante do Campeonato Brasileiro e a única equipe que ainda não venceu longe de seus domínios. O Vovô acumulou seis pontos fora do Estado, a mesma quantidade de América-MG, Santos e o próprio Imortal, mas tem o pior aproveitamento da elite do futebol nacional (20%).

O Alvinegro conseguiu seis empates, quatro derrotas, cinco gols marcados e 15 sofridos fora de casa na Série A. A falta de vitórias reflete no baixo rendimento ofensivo e defensivo apresentado pelo Vovô. O Ceará, ao lado do Grêmio, são os donos do pior ataque entre os visitantes. Na zaga, a de Porangabuçu é a sétima mais vazada, empatada com o Athletico-PR.

Os desempenhos ruins longe do Castelão contribuíram para a sequência de cinco jogos sem vitória na primeira divisão. Das cinco partidas sem triunfo, três foram derrotas atuando como visitante. Foram nos confrontos contra Corinthians (3 a 1), América-MG (2 a 0) e Grêmio (2 a 0). O gol contra o Timão na Neo Química Arena, inclusive, foi o único tento nas últimas quatro partidas fora de casa.

Agora atuando em casa, o Ceará busca encerrar a sequência indigesta sem vencer no embate contra o Santos, na Arena Castelão, pela 21ª rodada do Brasileirão. Com 24 pontos somados, o Vovô caiu para a 11ª posição e uma vitória para subir na tabela.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Bolsonaro e Caixa lançarão programa de crédito imobiliário voltado a policiais

ECONOMIA
13:12 | Set. 13, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia
O presidente da República, Jair Bolsonaro, participa nesta segunda-feira, a partir das 16h30, no Palácio do Planalto, do anúncio do Habite Seguro, programa da Caixa que vai oferecer condições diferenciadas de crédito imobiliário a profissionais da segurança pública. Detalhes da iniciativa foram antecipados em junho pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.
De acordo com a Secretaria de Comunicação do governo (Secom), estarão presentes ao evento o ministro da Economia, Paulo Guedes, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, e o presidente da Caixa, Pedro Guimarães.
"O programa beneficiará profissionais de segurança pública e defesa social com subvenções financeiras e condições diferenciadas de crédito imobiliário para aquisição da casa própria", diz nota da Secom enviada à imprensa.
O Habite Seguro é um aceno aos profissionais de segurança pública enquanto Bolsonaro tenta reunir apoio da categoria, considerada importante para seus planos de reeleição e comumente agradada pelo Planalto. Em 2019, membros das Forças Armadas, policiais militares e bombeiros ficaram de fora da Reforma da Previdência aprovada pelo Congresso.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Dia da Cachaça: confira ranking com as melhores bebidas

lista
13:12 | Set. 13, 2021
Autor Ana Flávia Marques
Foto do autor
Ana Flávia Marques Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

No dia 13 de setembro é comemorado em todo o Brasil o Dia da Cachaça. Com história antiga e que inclui até revoltas, a bebida faz sucesso até os dias atuais. A cachaça chegou a ser proibida no País, mas hoje é a segunda bebida alcoólica mais consumida no Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Cachaça (Ibrac).

Anualmente, cerca de 1,4 bilhão de litros de cachaça são produzidos, o que movimenta aproximadamente R$ 7 bilhões e 500 milhões em sua cadeia produtiva, segundo dados do Centro Brasileiro de Referência da Cachaça e Euromonitor (CBRC).

No período colonial, a produção de cachaça já era uma importante atividade econômica no Brasil. Porém, os portugueses ficaram preocupados com o sucesso da bebida e através de uma Carta Real de 13 de setembro de 1649 proibiram a fabricação e venda de cachaça no País.

No mesmo dia, mas em 1661, proprietários de cana-de-açúcar e alambiques revoltados com a proibição e constantes cobranças se revoltaram e tomaram o poder no Rio de Janeiro, resultando em um dos primeiros movimentos de insurreição nacional, a Revolta da Cachaça.

Por isso, o 13 de setembro ficou marcado como o Dia da Cachaça. Em 2010, a data foi aprovada oficialmente pela Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados como resultado do projeto de lei do deputado Valdir Colatto (PMDB-SC). 

Em 2020, a Cúpula da Cachaça se reuniu na Cachaçaria Macaúva, em Analândia, no interior de São Paulo, para realizar o IV Ranking da Cúpula da Cachaça. O evento consta com uma degustação às cegas de 50 cachaças que foram finalistas da edição. Os cúpulos, nome dado aos degustadores, provaram as bebidas, identificadas apenas com um número aleatório e avaliaram os aspectos visuais, olfativos e gustativos.

Confira as bebidas do IV Ranking da Cúpula da Cachaça:

Categoria Inox

Nesta categoria, a bebida não passa por madeira, mas pode ter sido armazenadas em dornas de aço inox, mantendo a coloração original do destilado.

1. Tiê Prata

A Cachaça "Tiê Prata" ficou em 1º lugar entre as cachaças armazenadas em inox. A bebida é produzida em Aiuruoca, no sul de Minas Gerais, pelo casal paulista Arnaldo Ramoska e Cris Amin.

2. Bem Me Quer Prata 

Em segundo lugar, ficou a "Bem Me Quer Prata". No site da marca, é descrita como "encorpada, macia, excelente acidez, equilibrada. Ao palato confirma o autêntico sabor da cana de açúcar".

3. Sanhaçu Origem

Produzida em Chã Grande em Pernambuco, a "Sanhaçu Origem" conquistou o terceiro lugar da categoria e é a primeira cachaça orgânica certificada pelo IBD de Pernambuco. Em 2015, se tornou o primeiro engenho do país movido a energia solar.

Categoria Armazenadas/Envelhecidas

São chamadas de "cachaças ouro", devido a coloração que vai do amarelo palha até o dourado escuro. Pelo menos 50% da cachaça foi envelhecida em barris de madeira.

1. Leblon Signature Merlet

Lançada nos Estados Unidos em setembro de 2005, a cachaça Leblon passou a ser comercializada no Brasil em 2007. A bebida é assinada pelo francês Gilles Merlet, reconhecido mundialmente pela qualidade de seus destilados e licores.

2. Middas Reserva dos Proprietários

Além do prêmio brasileiro, a bebida foi premiada internacionalmente com medalha de ouro nos concursos Miami Rum Festival, New York Spirits Competition e International Wine & Spirit Competition.

3. Do Anjo

A bebida é envelhecida por um ano e seis meses em tonéis de bálsamo, amburana, carvalho americano e carvalho europeu. Tem aromas frutados e amadeirados, com notas de caramelo, mel, baunilha e chocolate.

Categoria Premium/Extra Premium:

Para ser considerada premium, a bebida ficou armazenada por no mínimo 1 ano em barris de madeira de até 700 litros. As chamadas extra-premium foram armazenadas em barris de até 700 litros por pelo menos 3 anos.

1. Companheira Envelhecida 8 Anos

Envelhecida por 8 anos em Barril de Carvalho Americano e produzida em Jandaia do Sul, Paraná, a bebida extra premium ficou em primeiro lugar na categoria.

2. Caraçuipe Extra Premium

A bebida é destilada em alambiques de cobre e armazenada em barris de Carvalho francês por 3 anos e 6 meses, o que garante a cor amarelo ouro brilhante e uma textura viscosa. 

3. Sapucaia 18 Anos

Produzida em Pindamonhangaba, interior de São Paulo, a bebida é envelhecida em barris de carvalho francês e tem sabor de mel, caramelo e frutas cristalizadas.

Podcast Vida&Arte
O podcast Vida&Arte é destinado a falar sobre temas de cultura. O conteúdo está disponível nas plataformas Spotify, Deezer, iTunes, Google Podcasts e Spreaker.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Após derrota para o Atlético-MG, Fortaleza perde invencibilidade contra o G-4 da Série A

13:07 | Set. 13, 2021
Autor Horácio Neto
Foto do autor
Horácio Neto Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A derrota do Fortaleza para o Atlético-MG, no último domingo, 12, por 2 a 0, tirou a invencibilidade do Leão contra as equipes do G-4 do Brasileirão. Antes da 20ª rodada, o Tricolor tinha 100% de aproveitamento, com vitórias sobre o próprio Galo, o Palmeiras e o Bragantino. Com o revés diante dos mineiros e a entrada do Flamengo no grupo dos quatro mais bem colocados, o time do Pici agora tem duas derrotas e dois triunfos.

Além da perca da invencibilidade contra o G-4, o Tricolor também amargou o fim da série invicta como mandante no Castelão. Foram seis vitórias, três empates e uma derrota nos 10 jogos disputados na Arena, obtendo um aproveitamento de 70%. O Leão do Pici conquistou 21 pontos em casa dos 33 que acumulou na primeira divisão.

Mesmo com toda a força da equipe em casa, o Fortaleza não conseguiu quebrar a sequência de cinco jogos sem vencer. Foram quatro empates e uma derrota, destes, o revés e mais dois empates foram no Castelão. O clube cearense agora terá duas partidas seguidas longe da Arena, contra Internacional e Sport.

O primeiro embate do Leão acontecerá neste domingo, 19, às 11 horas, no Beira-Rio, pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com 33 pontos e na quarta posição, o Leão busca recuperar a terceira colocação na Série A.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Motoristas de aplicativo buscam formas de se proteger contra violência

MORTES VIOLENTAS
13:07 | Set. 13, 2021
Autor Angélica Feitosa
Foto do autor
Angélica Feitosa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Motoristas de aplicativo têm buscado estratégias para se protegerem, como podem, de assaltos, sequestros relâmpagos e outros tipos de violências. Rafael Keylon, secretário-geral da Associação dos Motoristas de Aplicativo do Ceará (Amap-CE), em entrevista à rádio O POVO/CBN, na manhã desta segunda-feira, 13, aponta que a categoria anda muito apreensiva, principalmente após a morte de Samir Lima da Silva, 31, que teve o corpo encontrado pela Polícia Militar na última sexta-feira, 10.

Uma das formas que a categoria buscou para se proteger é o monitoramento, via rádio e GPS, com uma central. Nela, os dados dos motoristas cadastrados são passados, ao vivo, para o local de transmissão. Os motoristas têm, no momento da locomoção, o ponto de deslocamento sendo reproduzido no rádio. Para isso, basta fazer o pedido via whatsapp. Ao ser acionado, uma pessoa da central fala, no rádio, a localização exata do do motorista. 

Samir Lima fez o último contato com a mulher na quinta, 9, e teve o corpo encontrado na sexta, no bairro Dunas, com tiros. “Existem os grupos em que os motoristas (de app) cuidam uns dos outros”, conta. O caso específico do Samir, ainda de acordo com Keylon, o toca muito porque era uma pessoa próxima. “que tava ali na associação, uma pessoa bacana, totalmente contra a violência, um cara pacato, um cara do bem, um cara que sempre dizia para não reagir a assalto, não reagir a nada”, lamenta. De acordo com as contagem da associação, Samir foi o 35º condutor por aplicativos morto em crimes violentos no Ceará desde de 2017.

Em 2020, a categoria viveu o ano mais violento, quando foram registrados 16 homicídios entre os profissionais. Desde 2017, mais 17 trabalhadores da categoria foram assassinados no Estado. Conforme a Amap, em 2017 contabilizou 12 mortes, 2018 registrou duas e em 2019 mais três casos de violência.

O secretário avalia que, chega um momento em que o Rafael sai do papel que incorpora na associação, de cara forte, de luta e entra no plano pessoal. “De manhã, eu recebi mensagem da esposa do José, o que morreu queimado. E aquela mensagem meio que mexeu muito com o meu dia. Eu acabo me emocionando quando eu falo”. Ele diz que Governo do Estado sempre conversa com a associação e tem o Programa Vida Segura, que já evitou assaltos e latrocínios. Não se pode controlar e nem lutar contra a maldade humana, contra gente perversa, gente ruim que não deveria está na rua”, lamenta.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

FMI anuncia nomeação de Ilan Goldfajn como diretor de departamento

ECONOMIA
13:02 | Set. 13, 2021
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia
A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, anunciou nesta segunda-feira, 13, a nomeação do ex-presidente do Banco Central Ilan Goldfajn como diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do órgão. O brasileiro assumirá o cargo, hoje ocupado pelo mexicano Alejandro Werner, em 3 de janeiro de 2022.
Em nota divulgada pelo FMI, Georgieva diz que está satisfeita com a nomeação. "Ele tem uma experiência impressionante nos setores público e privado e é altamente respeitado como acadêmico", escreveu a diretora do fundo. A líder também elogiou o histórico de Goldfajn como formulador de políticas, comunicador e seu "profundo" conhecimento como executivo financeiro internacional.
Atualmente, Goldfajn atua como presidente do Conselho do Credit Suisse Brasil. O economista presidiu o BC de maio de 2016 a fevereiro de 2019, indicado pelo ex-presidente Michel Temer.
No comunicado divulgado nesta segunda-feira, Georgieva ressalta que, durante sua gestão no BC, Goldfajn supervisionou a implementação de mudanças regulatórias que, na avaliação dela, estimularam a inovação e a digitalização, com o crescimento das fintechs no Brasil.
Georgieva também destaca que Goldfajn trabalhou como economista no FMI de 1996 a 1999. "Estou muito satisfeita que Ilan esteja retornando para nós neste momento crucial, e que poderemos nos beneficiar de sua experiência excepcional à medida que continuamos a ajudar os países da região a construir economias mais resilientes e inclusivas."
O Credit Suisse Brasil confirmou, por meio de um comunicado à imprensa, que Goldfajn deixará o cargo de presidente do Conselho em 31 de dezembro. Ele será substituído por Ana Paula Pessoa, que faz parte do Conselho desde 2018.
"Estou deixando o Credit Suisse para seguir a minha vocação que é a de contribuir com a sociedade em um cargo público, desta vez em uma organização internacional. A economia mundial vive um momento muito desafiador, agravado pela pandemia da covid-19, e a oportunidade de colaborar a partir dessa posição no FMI me deixa entusiasmado", diz Ilan na nota publicada pelo banco.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags