Participamos do

Ex-goleiro do Ceará participou da contratação do técnico Tiago Nunes; entenda

Com passagens pelo Vovô entre 2013 e 2015, Tiago Campagnaro é um dos agentes da Un1que Football, empresa que representa o treinador no mercado da bola, e fez parte da negociação
15:31 | Set. 03, 2021
Autor Afonso Ribeiro
Foto do autor
Afonso Ribeiro Repórter de Esportes
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Pela primeira vez à frente de um clube nordestino, o técnico Tiago Nunes contou com o respaldo de uma opinião de quem conhece a região e, principalmente, o Ceará. O ex-goleiro Tiago Campagnaro, que defendeu o Vovô entre 2013 e 2015, é um dos representantes do treinador gaúcho no mercado da bola e participou da negociação, que teve rápido desfecho e culminou em acerto até o final de 2022.

O Alvinegro demitiu Guto Ferreira no último domingo, 29, depois da derrota por 2 a 0 para o América-MG, em Belo Horizonte, pela Série A. Após definir o perfil desejado para o substituto no comando, o presidente Robinson de Castro conversou por cerca de 40 minutos com Tiago Nunes e selou o acordo, anunciado na noite de segunda-feira, 30.

"Foi uma negociação tranquila, rápida. Começamos a conversar pela manhã, no fim do dia chegamos a um acordo. O que levou a aceitar o projeto do Ceará foi levar muito em conta a gestão que o Ceará tem. Uma gestão séria, correta, com projeto bem definido, visto que o último trabalho, do Guto, ficou um ano e meio no comando da equipe. Isso mostra que é um time que está organizado, tem projeto, planejamento e pessoas sérias. Isso foi um facilitador nessa negociação", disse Tiago Campagnaro ao Esportes O POVO.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O novo treinador desembarcou em Fortaleza na quarta-feira, 1º, acompanhado do ex-goleiro e dos membros da comissão técnica. Agente da empresa Un1que Football, que representa Tiago Nunes, Campagnaro teve papel importante nas tratativas e deu o relato pessoal da experiência que teve no Ceará na última década.

"Falamos bastante sobre o elenco do Ceará, que é muito competitivo, tem jogadores que disputam, tem uma média de idade baixa, se eu não me engano, de 25 ou 26 anos. Lógico que eu falei da parte mais administrativa por ter trabalhado aqui quase dois anos e meio da minha carreira como atleta e conhecer as pessoas que estão na linha de frente. Foi uma conversa bem bacana. Falei também sobre como a torcida gosta e espera que o time jogue", revelou o empresário.

O ex-arqueiro, que também vestiu a camisa do Bahia no Nordeste, voltou a Porangabuçu no primeiro dia de trabalho de Nunes, reencontrou dirigentes e funcionários e admitiu surpresa com as mudanças na parte estrutural do clube. Com a camisa alvinegra, Tiago foi campeão estadual e também da Copa do Nordeste.

"O clube mudou muito da minha época para agora. Eu estive no clube em dois momentos: vim em 2013, fui para o Avaí e retornei em 2014, na metade (do ano). Já tinha evoluído em algumas questões, mas agora é outro clube. Como participei lá atrás do meio do processo da gestão do Evandro e do Robinson, o que eles estão fazendo pelo clube é muito bacana, muito legal a evolução que o clube teve na parte de infraestrutura e está em constante evolução. Tem bastante coisa que eles estão mexendo, tive a oportunidade de fazer um tour com o João Paulo (diretor financeiro), que me mostrou todos os planos, os objetivos que eles têm a curto e médio prazo para o clube", relatou.

Do campo ao escritório

Paranaense, Tiago surgiu com destaque no futebol brasileiro no Corinthians-SP no início deste século. Passou também por Portuguesa-SP, Vasco da Gama-RJ e Red Bull-SP ao longo da carreira e ganhou fama pelos gols marcados de falta e pênalti.

Ao pendurar as chuteiras, virou auxiliar técnico do Red Bull e depois integrou a comissão técnica de Silas, com quem havia trabalhado no próprio Ceará. Então, viu a oportunidade de fazer parte da Un1que Football a convite de Nick Arcuri, que o agenciou nos tempos de atleta.

"Quando eu parei, fiquei dois anos como auxiliar técnico: um ano no Red Bull e mais um ano trabalhando com o Silas, que foi meu treinador no Ceará em 2015. Eu conversei muito com o Nick (Arcuri) nessa parte de transição de área de atuação, porque ele foi meu primeiro e único agente e eu fui o primeiro atleta dele, em 2003. Nós nos conhecemos há 19 anos, somos amigos e irmãos. (...) Tudo que eles fizeram pela minha carreira, eu sei a maneira que dá para fazer com os nossos novos clientes: a maneira de gestão, a maneira de conduzir uma carreira, que é o principal. Quando eu entrei nesse negócio, o que eu mais queria era impactar e transformar vidas de atletas e treinadores, porque eu sei que um trabalho bem feito é muito importante", explicou Campagnaro.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags