Participamos do

Fortaleza segue com transmissão comunitária apesar de redução de casos e mortes, alerta SMS

Conforme boletim epidemiológico divulgado nesta sexta-feira, 3, pela secretaria, a incidência da doença deve ser "rigorosamente monitorada". Os dados indicam que a Capital tem situação epidemiológica similar à agosto do ano passado, quando foi identificado fim de um ciclo epidêmico
20:03 | Set. 03, 2021
Autor Leonardo Maia
Foto do autor
Leonardo Maia Estagiário
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O número da média móvel de casos e mortes segue caindo em Fortaleza, conforme boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde  nesta sexta-feira, 3. Em relação ao valor registrado há duas semanas, a média de óbitos passou de 1 para 0,1, correspondendo a uma diminuição de 90%. Já as infecções confirmadas caíram de 81,7 para 24, considerando o mesmo período. A secretaria ressalta, no entanto, que essa magnitude da redução pode ter haver com retardo na confirmação dos casos mais recentes.

Ainda que os números estejam em queda, os especialistas da administração municipal alertam que ainda há transmissão comunitária da doença, assim como deve se considerar a introdução da variante Delta. “Por essa razão, a incidência deve ser rigorosamente monitorada”, enfatiza o documento. A atual situação epidemiológica da Capital é comparada com o que aconteceu no fim de agosto de 2020, quando o Estado passou pelo fim de um ciclo epidêmico. “Nesse caso, a diminuição das fatalidades é potencializada pela vacinação de um grande contingente populacional”, observa o boletim.

Desde o início da pandemia, as mortes aglomeram-se nos bairros periféricos, embora exista uma concentração importante nos bairros de alto IDH, ampliada pelo alto número de mortes da segunda onda nesta região. Em um recorte mais recente, entre os meses de maio e agosto deste ano, é possível perceber aglomerados de mortes formados por menos óbitos. O documento detalha que ainda é possível identificar a transmissão comunitária, embora a limitação de testagem dos casos leves nas áreas menos favorecidas dificulte esse processo.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

No total, 9.622 morreram e 255.200 fortalezenses foram contaminados em decorrência da Covid-19, de acordo com atualização da manhã desta sexta-feira, 3, do IntegraSUS, plataforma da Secretaria de Saúde +do Ceará (Sesa). Em relação à vacinação, 866.916 pessoas já completaram o esquema vacinal com as duas doses ou dose única contra a Covid-19 — número equivalente a 32% da população, conforme projeção para 2021 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

>> Leia a íntegra do boletim divulgado pela SMS nesta sexta-feira:  Clique aqui para baixar o PDF.

Confira números divulgados no boletim

- Média móvel de casos

Últimos sete dias: 24,0
Há duas semanas: 81,7

- Média móvel de mortes

Últimos sete dias: 0,1
Há duas semanas: 1,0

- Número de mortes por mês (2021)
Janeiro: 237
Fevereiro: 526
Março: 1.584
Abril: 1.467
Maio: 794
Junho: 300
Julho: 119
Agosto: 34

- Taxa de mortalidade* por regional (desde o início da pandemia)
Regional I: 353,7
Regional II: 417,4
Regional III: 358,7
Regional IV: 423,2
Regional V: 354,0
Regional VI: 287,9

*Taxa de Mortalidade acumulada por bairro = Número total de mortes do bairro/População do bairro x 100.000 habitantes

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags